Início » Brasil » Desonerações: setor calçadista vence moveleiro e têxtil
Coluna Esplanada

Desonerações: setor calçadista vence moveleiro e têxtil

O Governo descobriu que o calçadista era o que mais demitiria e o que menos causará prejuízo na arrecadação

Desonerações: setor calçadista vence moveleiro e têxtil
Sob consenso dos deputados, venceu o lobby do calçadista (Fonte: Reprodução/Folhapress)

A ‘guerra fiscal’ travada na Câmara com a votação do PL 863, que reduziu a desoneração sobre lucro na folha de pagamento para vários setores, teve no último dia o protagonismo do PP junto ao vice-presidente Michel Temer. Os setores calçadista (Sul), moveleiro (Sul e Sudeste) e têxtil (Sudeste e Nordeste) foram os que mais pressionaram a bancada do PP para a manutenção da alíquota. Mas o Governo só topava um deles. Sob consenso dos deputados, venceu o lobby do calçadista — o menor impacto para as contas entre os três setores — com polo em Santa Catarina e Rio Grande.

Balanço do pé

O Governo descobriu que o calçadista era o que mais demitiria (350 mil empregos) e o que menos causará prejuízo na arrecadação: Tesouro abre mão de R$ 40 milhões.

Caprichoso…

Presidente da Câmara, Eduardo Cunha baixa no jatinho da FAB em Parintins (AM) no domingo para prestigiar a festa dos bois, e ficará no camarote do Governo.

…Garantido

Mas Cunha garante agenda de trabalho. Na segunda cedo visita fábrica da Microsoft na Zona Franca de Manauz. E depois tem a Câmara Itinerante na Assembleia Legislativa.

UFC Plenário

O clima já estava quente na madrugada de ontem no plenário quando o líder da Minoria, Nilson Leitão (PSDB-MT), foi à tribuna ironizar a fala infeliz da presidente Dilma sobre a saudação à mandioca. Deputados do PT deram o troco, e começaram a gesticular de forma a insinuar algemas nas mãos. Nilson desceu bufando.

Segue o round

Décio Lima (PT-SC) foi ao microfone e disse que o tucano não tinha moral para falar. Os petistas lembraram que Nilson foi preso pela PF na Operação Navalha, da Gautama de Zuleido Veras, quando prefeito de Sinop (MT). Nilson partiu para cima de Décio e entrou a turma do ‘deixa-disso’, mas louca para ver uma porrada.

Por pontos

À época a PF não encontrou provas para sustentar a prisão do então prefeito, e o libertou. Nilson talvez seja caso único no Brasil: ganhou ação contra o Ministério da Justiça e foi indenizado. Daí sua revolta em quase nocautear o petista.

Eminência parda

Mozart Vianna, o papa da técnica legislativa e especialista em regimento, secretário-geral da Câmara por 28 anos, compõe staff de Michel Temer na missão da Articulação.

Fogo-amigo

O PMDB no Congresso desconfia de que o PT joga duro nos plenários e articula contra, nos bastidores, para desestabilizar a Articulação de Temer e enfraquecê-lo.

E Dilma, que diz?

O presidente do Congresso, Renan Calheiros, quer criar a Autoridade Fiscal Independente, conselho de notáveis para monitorar a política fiscal do Planalto. Deve sair. Nelson Barbosa, ministro do Planejamento, gostou da ideia.

Agora vai

Renan Calheiros agendou para terça (30) no plenário do Senado o PL 131/15, que desobriga a Petrobras de participar em 30% da exploração do pré-sal. Ninguém no PT grita, porque é parte do programa de desinvestimento da empresa.

$ilêncio

Aldemir Bendine, presidente da petroleira, não vai aparecer no Congresso como o esperado. O Governo evita holofotes sobre o projeto. Com a saída da Petrobras, reduz-se em bilhões de reais a estimativa para arrecadação do fundo para a educação.

Ordem de chegada

O juiz federal Sérgio Moro, que comanda a Lava Jato, determinou uma ordem cronológica para oferecer a instituição da Delação Premiada para a turma recém-chegada a Curitiba. Marcelo Odebrecht está na fila. Antes dele, há os executivos.

Batom & Poder

Alice Tamborindeguy, irmã de Narcisa e ex-secretária de Cultura, voltou à Prefeitura de São Gonçalo (RJ), pelas mãos do prefeito Neilton Mulim (PR). Presidente do PP local, ela vai comandar a Fundação de Assistência Social aos Servidores Públicos.

Sobrou para a imprensa

O deputado Beto Mansur, Primeiro-secretário, quer barrar a entrada da imprensa no Cafezinho do plenário. O estopim: um deputado quis assistir a telejornal e mulher desconhecida (não jornalista), com o controle-remoto, não trocou o canal da novela.

No mais

O Cafezinho do plenário é frequentado há décadas por deputados, jornalistas e… lobistas — estes em maior número.

Ponto Final

O Senado decidiu votar ainda neste semestre a reforma política.

Com Equipe DF, SP e Nordeste

1 Opinião

  1. helo disse:

    Será que o setor calçadista, ao contrário do moveleiro e têxtil, é o que mais exporta? Será que os empresários ajudarão na investigação do juiz Moro?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *