Início » Brasil » Dilma defende a volta da CPMF como ‘questão de saúde pública’
SETOR DE SAÚDE

Dilma defende a volta da CPMF como ‘questão de saúde pública’

Presidente afirmou que a volta do imposto pode solucionar parte expressiva dos problemas do setor de saúde do país

Dilma defende a volta da CPMF como ‘questão de saúde pública’
'Uma das formas de resolver o problema que está no país inteiro é aprovar a CPMF', disse Dilma (Foto: Marcelo Camargo/ABr)

A presidente Dilma Rousseff defendeu que o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) solucionaria “parte expressiva” dos problemas do setor de saúde do país. A declaração foi dada na última quinta-feira, 7, durante café da manhã com jornalistas. “Não é questão só de reequilíbrio fiscal, mas também é questão de saúde pública”, afirmou a presidente.

Leia mais: Dilma: ‘Não respondo só ao PT nem só ao PMDB’

Dilma também afirmou que a volta do imposto é um fator que pode ser fundamental para a recuperação econômica do país, além da prorrogação da Desvinculação de Receitas da União (DRU). A presidente considera que estados e municípios são os que mais necessitam dos recursos que a CPMF disponibilizará. “Uma das formas de resolver o problema que está no país inteiro é aprovar a CPMF e destinar a metade da CPMF para estados e municípios”, explicou a presidente.

Durante o café da manhã, Dilma disse que as afirmações de que houve aumento na carga tributária do país não são reais e as classificou como “mito”. “A carga tributária não vem crescendo. Ela equivale ao que existia em 2002”, disse a presidente, explicando que a carga atual equivale a um total de 33,4% do Produto Interno Bruto (PIB), sendo 22% apenas de impostos federais.

No entanto, Dilma afirma que houve aumento na contribuição para a Previdência Social e FGTS. De acordo com a presidente, a formalização de mais empregos durante o seu mandato fez com que aumentasse a arrecadação do país.

Dilma ainda comentou que o país passará por reformas, principalmente na Previdência e administrativa, de forma a recuperar a economia do país. “Você tem várias formas para encarar a questão da Previdência. Os países desenvolvidos, todos eles, buscaram aumentar a idade de acesso, a idade mínima para acessar a aposentadoria. Tem esse caminho. Tem um outro caminho também, que é o 85/95 móvel progressivo, que resultará na mesma convergência. Uma coisa vai ter de ser considerada, que é a seguinte: não se pode achar que se afeta direitos adquiridos”, disse a presidente.

Sobre um possível reajuste no Bolsa Família, Dilma disse que está previsto um aumento no Orçamento, mas não é sua prioridade no momento. A presidente espera que este ano o país consiga controlar a inflação, estabilizar a economia e retomar o crescimento.

Fontes:
Valor Econômico-Dilma: Volta da CPMF resolve parte expressiva dos problemas da saúde

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Troiano disse:

    Sai fora Dilma, o Brasil não precisa da criação de novos impostos, o governo é que precisa aprender a gastar melhor o NOSSO dinheiro.

  2. Jane disse:

    Eu sou a favor de cortar ministérios, salários, e, regalias dos políticos. Agora CPMF NÃOOOOOOOOOO

  3. Salmo disse:

    Ao invés de sacrificar o povo,em beneficio de muitos politicos corruptos.Porque não,retirar,0,4% que são arrecadados em todas as espécies de loterias e reverta pra saúde publica. inclusive os benefício que seus familiares recebem E coloquem os apenados e o próprio sistema a serem autosuficiente e produtivos,montando mini-fabricas dentro dos presídios.Assim os detentos teriam seus próprios recursos,e com certeza seus ganhos seriam o suficiente para mante-los encarcerados com mais dignidade.inclusive dando manutenção financeira a seus familiares.Pois assim seria uma forma de incentiva-los ao trabalho,tendo em vista a responsabilidade de alimentar a família.

  4. Salmo disse:

    Acrescentado,o 0,4% arrecadados em todas as loterias é destinado ao Sistema Penitenciário

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *