Início » Brasil » Dilma terceiriza a presidência
Segundo mandato

Dilma terceiriza a presidência

Presidente entrega responsabilidades consideradas pilares do executivo a vice-presidente e ministro da Fazenda, reduzindo seu poder de manobra no governo

Dilma terceiriza a presidência
Para políticos da oposição, Dilma abriu mão de governar (Reprodução/ABr)

Enquanto o Congresso discute a regularização do trabalho terceirizado no Brasil, Dilma vem terceirizando tarefas consideradas pilares do executivo em qualquer democracia.

A responsabilidade pela coordenação política entre o Planalto e o Congresso está a cargo do PMDB, sob o comando do vice-presidente, Michel Temer. Antes disso, Dilma já havia terceirizado a economia ao ministro Joaquim Levy.

“A presidente abriu mão de governar, é preciso que alguém lhe avise que, constitucionalmente, ela ainda está na chefia do governo”, afirmou o líder do Democratas na Câmara, o deputado Mendonça Filho (PE). “A pilota sumiu! Está tudo terceirizado”.

Para o colunista da Veja Reinaldo Azevedo, com a ida de Temer para a coordenação política, realizou-se, em parte, o impeachment da presidente, já que Temer é o primeiro na linha sucessória caso ela seja impedida e agora passa a coordenar uma das tarefas mais fundamentais da presidência.

O poder do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, também reforça a tese da terceirização irrestrita. O falcão fiscal treinado em Chicago e trazido do setor privado para substituir o fiel escudeiro do PT, Guido Mantega, está desfazendo as políticas assistencialistas que caracterizaram o primeiro mandato de Dilma e reequilibrando as contas do governo.

Qualquer tentativa por parte de Dilma de passar por cima de Levy e ditar as políticas econômicas poderia resultar em um pedido de demissão do ministro, o que levaria a uma indesejada fuga de investidores. Levy também parece mais capaz de negociar com o PMDB, que apoia amplamente o ajuste fiscal.

A terceirização da política está reduzindo o poder de manobra de Dilma poucos meses após iniciar seu segundo mandato.  “Depois ela reclama que a oposição quer lhe tirar do governo, mas ela mesma está abrindo mão dele”, diz Mendonça Filho.

Para Azevedo, o senador Aécio Neves tem razão quando diz que, ao escolher Temer para a coordenação política e tendo já aberto mão da condução da economia, Dilma executa uma espécie de “renúncia branca”.

 

Fontes:
Financial Times - Dilma Rousseff accused of ‘outsourcing’ top government posts
Democratas - Dilma terceiriza governo com transferência da coordenação política
Veja - Dilma, o governo terceirizado

1 Opinião

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    Michel Temer como o líder “de facto” do governo é algo que temos ir aturando; já Joaquim Levy, podendo fazer o que sabe fazer bem, sem que Dilma interfira, é uma benesse para o país. Impopulares ou não, os ‘ajustes fiscais’ ou seja lá como chamem o arrocho, é algo que teria de ser feito, mais dia menos dia (não seria diferente tivesse Aécio Neves ganhado as eleições…). Espero apenas que tal ajuste tenha foco onde deve, que é no enxugamento do custo do Estado, inchado e ineficiente (quando não corrupto!) sobre a sociedade brasileira, obrigada a carregá-lo nas costas na forma de impostos escorchantes!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *