Início » Brasil » Dirceu e Dilma no Alvorada
Coluna Esplanada

Dirceu e Dilma no Alvorada

Visita sigilosa à presidente Dilma neste momento (um mensaleiro apenado recebido com especial dedicação no Palácio) pode também ter relação com o famigerado ‘petrolão’

Dirceu e Dilma no Alvorada
É um mistério o teor da conversa da presidente com o ex-colega de governo (Fonte: Reprodução/Charge de Aliedo)

Há poucos dias o ex-ministro apenado José Dirceu visitou a presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada, a residência oficial, antes das férias da chefe da nação. Uma fonte que trabalha no Palácio confirmou a passagem.

Foi uma longa conversa. Livre, leve e solto — por uma decisão de ministro do STF nomeado pela presidente Dilma — o apenado, que passou do regime semiaberto (dormir na prisão) para o domiciliar comemora a nova fase: praticamente um ano após a condenação já saiu da cadeia. Caso raro para muitas outras centenas de apenados humildes que mofam nas celas, já demonstraram levantamentos da Justiça.

É um mistério o teor da conversa da presidente com o ex-colega de governo. Sabe-se que Dilma deve parte de sua ascensão a ele. Foi Dirceu quem se esforçou, como então chefe da Casa Civil do primeiro governo de Luiz Inácio, a levá-la ao presidente. O labrador ‘Nego’, fiel guardião de Dilma e acompanhante de caminhada dela nas poucas horas vagas, foi presente de Dirceu. Mas nada disso deve ter entrado na conversa a dois.

Fato é que a visita sigilosa à presidente Dilma neste momento (um mensaleiro apenado recebido com especial dedicação no Palácio) pode também ter relação com o famigerado ‘petrolão’ — o esquema de corrupção descoberto pela PF na Petrobras. Renato Duque, o ex-diretor da estatal detido, era apadrinhado do grupo político no PT comandado por Dirceu. Duque era Dirceu e vice-versa no governo Lula dentro da Petrobras, quando Dilma já compunha o Conselho de Administração da petroleira.

É notória também entre gabinetes parlamentares e no PT a ingerência de José Dirceu na indicação de nomes de sua confiança nos conselhos dos fundos de pensão estatais — desfilou apadrinhados na Previ, Petros, Funcef etc. Quando Dilma batia ponto no último andar do Ministério de Minas e Energia, o todo-poderoso aliado controlava do quarto andar do Palácio do Planalto uma rede de contatos que fazia jus ao mito que se criou em torno de sua figura. Ainda há, hoje, ‘Dirceusistas’ distribuídos por pontos estratégicos do governo em todas as esferas, com média ou muita influência. Entrelinhas, a presidente Dilma não receberia no Alvorada ou perderia seu tempo com apenas um ex-colega de Esplanada.

No pós-governo, demitido, Dirceu passou a usufruir de sua extensa rede de contatos para fechar contratos. Tornou-se consultor não declarado de grandes empresas nacionais e estrangeiras. Um abre-portas em qualquer órgão do governo federal. Com o PT no governo, o dinheiro entrou em sua conta. Um empresário do ramo de estaleiros chegou a pagar-lhe R$ 30 mil por mês para ter acesso a ministros e autoridades afins ao seus interesses, conta uma fonte do setor empresarial do Rio de Janeiro. Agora, Dirceu deve se retirar do escritório de José Gerardo Grossi, em Brasília, onde organiza a biblioteca — um trato com a Vara de Execuções Penais do DF — e retomar a ‘carreira’ de consultor.

Trabalho não faltará. Dinheiro, também não. Dirceu foi condenado a 10 anos e 10 meses de prisão, e já está na rua. Pagou multa de R$ 676 mil à Justiça para dela se livrar. Em abril de 2013, meses antes de ser condenado e preso, Dirceu fretou por mais de uma semana o jatinho Citation II, prefixo PT-LLU, e pousou em pelo menos cinco capitais (cada trecho gasta-se num avião executivo R$ 50 mil só de frete). A estratégia era divulgar a sua defesa, ciente da condenação, em auditórios dos diretórios do PT lotados de simpatizantes.

Deu certo. Um estrategista de primeira linha emplacou na consciência de milhares de militantes que é um preso político, perseguido e injustiçado. Ou a chefe da nação, pelo visto, caiu nessa. Ou é cúmplice de suas artimanhas no Poder.

Prospecção

Por falar em petróleo.

A YPFB, do governo da Bolívia, associada à PDVSA, da Venezuela, iniciaram neste fim de semana a exploração de petróleo no campo de terra Lliquimuni, no Norte do País, no meio da Amazônia boliviana.
A Petroandina SAM — 60% da Bolívia e 40% do governo Maduro — conquistou a exploração de cinco blocos: Iliquimuni, Sécure, Madidi, Chispani e Chepite. Numa região riquíssima que renderá bilhões de dólares em venda a médio prazo.

A Petrobras — cuja refinaria no País de Evo Morales foi invadida pelo Exército e estatizada a baixo custo — não foi convidada a entrar nesta sociedade.

3 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Como diz o adágio popular, “há males que vem para o bem”: imaginem se o Dirceu não tivesse sido afastado do governo por causa da gatunagem; agora nós seríamos uma sucursal da Africa. Mas a maioria dos males vem para o mal mesmo.

  2. Áureo Ramos de Souza disse:

    Já que a presidente Dilma pode receber um LADRÃO e ex- prisioneiro, poderia chamar Fernandinho Beira Mar para lhes dá uns conselhos.

  3. helo disse:

    Possível conversa – Será que nem a Bolívia ou a Venezuela confiam na Petrobrás para parceira? Será que o Duque contou? O perigo é a justiça americana processar o governo pelo balanço errado. Dilma, calma, somos poderosos, temos dinheiro, somos heróis e há o STF. Na pior das hipóteses temos os paraísos tropicais, Cuba ou Panamá, para vivermos felizes para sempre. É Dirceu, você tem razão.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *