Início » Brasil » É ‘inadmissível’ interferência do mercado no sistema político, diz Dilma
Caso santander

É ‘inadmissível’ interferência do mercado no sistema político, diz Dilma

Para Dilma, há um 'jogo de pessimismo' nas projeções do mercado financeiro sobre o cenário eleitoral do país

É ‘inadmissível’ interferência do mercado no sistema político, diz Dilma
Presidente disse ter recebido um pedidos de desculpas do banco (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Nesta segunda-feira, 28, em entrevista dada a jornalistas, a presidente Dilma Rousseff afirmou ter recebido um pedido de desculpas, que definiu como “protocolar”, do Banco Santander e afirmou que adotará uma “posição clara” em relação ao banco, após o episódio envolvendo uma análise encaminhada a clientes que associava a reeleição de Dilma a uma piora na economia.

Leia mais: Banco Santander associa Dilma com piora da economia

“Acho inadmissível para qualquer país aceitar qualquer nível de interferência de qualquer integrante do sistema financeiro de forma institucional no sistema político”, disse a presidente. Para ela, há um “jogo de pessimismo” nas projeções do mercado financeiro sobre o cenário eleitoral do país. A presidente afirmou que  vai conversar primeiramente com o banco antes de definir alguma posição, sem descartar a possibilidade de processar a instituição.

Dilma voltou a comprar o pessimismo com o mercado financeiro com o mesmo pessimismo que aconteceu em relação à Copa do Mundo. “Mesmo pessimismo que houve com a Copa está ocorrendo com a economia. No caso da economia, o pessimismo é mais grave, porque economia é expectativa”, disse a presidente. Ela também destacou que a taxa de desemprego no país é a menor registrada historicamente e afirmou que o crescimento industrial no país é condição para o país se desenvolver. “Mantivemos todas as conquistas sociais do período Lula, aprofundando-as”, disse.

Segundo Dilma, para o país avançar e se preparar para a retomada, precisa apostar em um novo ciclo que vai ampliar distribuição de renda e conquistas sociais. A presidente também destacou os investimentos feitos em infraestrutura e formação de mão de obra profissional.

Fontes:
Valor Econômico-Dilma: É “inadmissível” interferência do mercado no sistema político

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. André Luiz D. Queiroz disse:

    A reação de Dilma Rousseff já era esperada, com toda a empáfia de sempre. Mas ela só acha inadmissível essa ‘interferência’ porque a projeção do Banco Santander era desfavorável pra ela! Os índices econômicos positivos que Dilma e PT apregoam, como o da taxa de desemprego, na verdade, são ‘fabricados’, ou melhor, estão baseados em premissas conjunturais falhas. Os fundamentos econômicos do país continuam ruins, e piorando!. Dilma “afirmou que o crescimento industrial no país é condição para o país se desenvolver” — tá, e daí? Isso é tão óbvio quanto dizer que o Sol nasce no Leste e se põe no Oeste. Mas a interferência governamental é o que mais atrapalha o desenvolvimento de nossa economia (ao invés de ajudar…), com o gigantismo do custo dos gastos públicos e consequente enxurrada de impostos, mais a burocracia, a ineficiência, o ‘custo Brasil’, que resulta em um ambiente de muita hostilidade ao empreendedorismo. Dilma Rousseff, PT e aliados são ‘o estado da arte’ do atraso em todos os campos do desenvolvimento econômico e social deste país, e quanto mais eles permanecerem no poder, pior será para recuperar o futuro da nação!
    Eu penso assim! E muita gente no setor financeiro (não só os funcionários demitidos do Santander!) e outros segmentos da economia ‘real’, também!!

  2. Ludwig Von Drake disse:

    Dillma fala em “ampliar distribuição de renda e conquistas sociais” De que adianta se o PIB não cresce e a inflação aumenta ? Madame vende ilusão para os “menos privilegiados” (descamisados de ontem) que não entendem economia.

  3. Revoltado disse:

    Gente, estamos em plena ditadura. Inadmissível é esta senhora destruir o país e ninguém fazer nada. O páis é constituído ede um bando de autistas. São um grupo de loucos psicopatas, e não há uma única voz que se levante e os enfrente. Estão todos com “medinho”. O glorioso Exército e Forças Armadas em geral se revela um bando de COVARDES, e se volta com quem deveria defender. Estamos perdidos! Ou seja, a melhor saída é, 40 anos depois, e por outros motivos, o aeroporto. Pobre de nós, a maioria, que não tem a quem recorrer, a Justiça daqui é uma piada, nada funciona, o Brasil acabou e foi enterrado pelo PT, eleito por um povo tolo e infantil. Somos a chacota do mundo e certamente perderemos território e soberania, a pouca que sobrou, já que foi entregue de bandeja aos demais ditadores comunistas do continente, Bolivia, Cuba, Equador, e da China, Coreia do Norte, Russia… Eu vejo revolução à vista… preparem-se… aliás, leiam o Relatório da Empiricus, é uma bomba, foi censurado pelo TSE cujo Presidente é preposto do PT… posto lá exatamente para isso

  4. helo disse:

    O mercado não quer interferir na política, mas tem a obrigação de não esconder a verdade. O governo Dilma conseguiu para o Brasil um outro 7 a 1 (7 para a inflação e 1 para o crescimento) nas palavras do economista de Eduardo Campos. Mesmo assim e no grito a presidenta consegue escapar da responsabilidade na aprovação do escandaloso negócio da Petrobrás em que ela e a presidente atual da Petrobrás estavam na direção do conselho. Na pressa de absolvê-la o TCU se esqueceu de mencionar Graças Foster. Não é piada, é fato.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *