Início » Brasil » Eduardo Azeredo se entrega à Polícia Civil
EX-GOVERNADOR DE MINAS

Eduardo Azeredo se entrega à Polícia Civil

Condenado no mensalão tucano e considerado foragido pela polícia, o ex-governador de Minas Gerais se entregou nesta tarde

Eduardo Azeredo se entrega à Polícia Civil
A prisão faz de Azeredo o primeiro político envolvido no escândalo a ser preso (Foto: EBC)

O ex-governador de Minas Gerais Eduardo Azeredo se entregou à Polícia Civil na tarde desta quarta-feira, 23, para começar a cumprir a pena de 20 anos e um mês a qual foi condenado por seu envolvimento no mensalão tucano.

Azeredo teve a prisão decretada pelo Tribunal de Justiça na última terça-feira, 22, e chegou a ser considerado foragido pela polícia na manhã desta quarta-feira, 23, por não ter se entregado nem informado seu paradeiro.

Segundo informações do portal G1, o ex-governador se entregou por volta das 14h45, na sede da 1ª Delegacia de Polícia Civil Sul, em Santo Antônio, região Centro-Sul de Belo Horizonte. Ele estava acompanhado de um de seus filhos e um advogado. A prisão faz de Azeredo o primeiro político envolvido no mensalão tucano a ser preso.

Azeredo teve a prisão decretada pelo Tribunal de Justiça na última terça-feira, 22, e uma negociação para sua entrega foi iniciada. Porém, o ex-governador não se entregou e seu paradeiro era desconhecido. Segundo o jornal Folha de S. Paulo, policiais civis fizeram buscas em Belo Horizonte para localizar Azeredo e montaram guarda em frente ao prédio onde fica o apartamento do ex-governador.

Azeredo governou Minas Gerais entre 1995 e 1999. Em 2007, quando ocupava o cargo de senador, ele foi denunciado pela Procuradoria-Geral da República por envolvimento no mensalão tucano. Segundo o inquérito, ele desviou R$ 3,5 milhões de empresas estatais de Minas (Copasa, Comig e Bemge) para sua campanha à reeleição ao governo de Minas de 1998, na qual saiu derrotado.

Em 2014, quando o processo já estava pronto para ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), ele renunciou ao cargo de senador, uma manobra para perder o foro privilegiado e fazer o processo retornar à primeira instância. O julgamento em primeira instância ocorreu em 2015 e resultou na condenação de Azeredo. Ele recorreu da decisão e, no ano passado, a pena de 20 anos e um mês foi confirmada em segunda instância.

Ao expedir o mandado de prisão, o Tribunal de Justiça se baseou na determinação do STF, que estabelece que o cumprimento da pena deve começar após a condenação em segunda instância.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *