Início » Brasil » Eduardo Cunha é comparado ao vilão da série ‘House of Cards’ outra vez
aliado incômodo

Eduardo Cunha é comparado ao vilão da série ‘House of Cards’ outra vez

Revista 'Economist' compara Cunha ao cruel e ambicioso político do seriado. No ano passado, a revista ‘Isto é’ fez um paralelo entre Cunha e o vilão

Eduardo Cunha é comparado ao vilão da série ‘House of Cards’ outra vez
Revista diz que as artimanhas de Cunha são similares às de Frank Underwood (Reprodução/Marcelo Camargo/ABr)

O novo presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), foi novamente comparado a Frank Underwood, político fictício do seriado americano “House of Cards”, que é capaz de tudo para satisfazer suas ambições.

Leia também: Eduardo Cunha: o vilão do Marco Civil da Internet

O parlamentar brasileiro já havia sido comparado ao personagem em março do ano passado, durante a complicada votação do Marco Civil da Internet. A revista Isto é comparou Cunha a Underwood, afirmando que o parlamentar, assim como personagem, ameaçava criar um complô para derrubar a presidente.

Agora, foi a vez da revista Economist fazer a comparação. No texto, intitulado “Aliados incômodos”, a revista destaca os desafios que o Planalto terá de enfrentar com a Cunha na presidência da Câmara. Segundo a revista, o fato de Cunha ser do partido da base aliada do governo, não torna ele fiel à presidente Dilma Rousseff.

“Na teoria, Cunha é aliado do PT. Mas, como um parlamentar de ideias independentes, o novo presidente da Câmara já irritou bastante a presidente no primeiro mandato”. “Muitas derrotas do governo tem a marca de Cunha”, disse João Castro Neves, da consultora Eurasia Group, à revista.

No seriado americano, Underwood começa a primeira temporada como presidente da Câmara dos EUA. Ao longo da série, ele se torna opositor do presidente e começa a ambicionar o seu cargo.

“As artimanhas de Cunha e o seu profundo conhecimento do Congresso brasileiro fazem os fãs de ‘House of Cards’ lembrarem do cruel protagonista Frank Underwood”, diz a revista.

Fontes:
The Economist-Awkward allies

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *