Início » Brasil » Em 20 anos, remessa de dinheiro enviado ao exterior aumentou 10 vezes
estrangeiros no Brasil

Em 20 anos, remessa de dinheiro enviado ao exterior aumentou 10 vezes

Em junho deste ano, imigrantes que trabalham no Brasil enviaram um total de US$ 111 milhões ao exterior. Há duas décadas, os envios do mês somavam US$ 9,1 milhões

Em 20 anos, remessa de dinheiro enviado ao exterior aumentou 10 vezes
Imigrantes recém-chegados na Igreja do Glicério, em São Paulo. Algumas Paróquias atuam uma agência de empregos improvisada (Reprodução/Globo)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A vinda de imigrantes africanos e haitianos nos últimos anos está mudando o perfil das contas externas nacionais. Em 20 anos, a remessa mensal de dinheiro enviada por trabalhadores estrangeiros para o exterior aumentou 10 vezes, segundo dados do Banco Central.

O Brasil, que sempre recebeu somas milionárias de brasileiros que vivem no exterior, é agora também ponto de partida de milhões de dólares. Em 2010, havia cerca de 960 mil imigrantes no país, em 2013 quase o dobro, 1,7 milhão de estrangeiros.

Atraídos pela economia aquecida e por uma sociedade aparentemente mais aberta, haitianos, africanos e latinos, parecem dispostos a se submeter a exaustivas jornadas de trabalho para acumular o suficiente para si e seus familiares.

Desde 2013, quase 25 mil carteiras de trabalho foram expedidas apenas para haitianos. Mais da metade delas só no primeiro semestre de 2014.

“Todos os haitianos no Brasil afirmam que enviam dinheiro para a família no Haiti. Todos! Seguramente isso provocou mudanças no país, embora ainda faltem estudos para determinar o impacto dessa remessa”, explica o demógrafo Duval Fernandes, da PUC-MG.

Sindicatos de trabalhadores da indústria de alimentos demonstram preocupação com a competição entre haitianos e locais por oportunidades. “Muitos dos haitianos que estão em empregos que pagam pouco e de baixa escolaridade têm ensino superior. Não vão ficar nessas posições subalternas. Logo vão tomar as melhores vagas dos brasileiros”, alerta Rivail Assunção da Silveira, presidente do Sindicato de Trabalhadores na Indústria de Alimentação de Maringá.

Apesar do alarde dos sindicalistas, por medo de deportação, esses imigrantes têm assumido, até o momento, funções dispensadas pelos brasileiros, sendo geralmente mais insalubres e em situação degradante.

Fontes:
O Globo-Em 20 anos, remessa de dinheiro de trabalhadores estrangeiros ao exterior aumentou 10 vezes

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *