Início » Brasil » Em cinco anos, 8 milhões migraram do SUS para a rede privada de saúde
Público x Privado

Em cinco anos, 8 milhões migraram do SUS para a rede privada de saúde

Ministro diz que novo tributo é necessário para viabilizar o SUS

Em cinco anos, 8 milhões migraram do SUS para a rede privada de saúde
Nesses cinco anos o crescimento médio dos planos de saúde foi de 4,3%, (Reprodução /Internet)

Entre 2007 e 2013, mais de 8 milhões de pessoas migraram dos serviços de saúde pública oferecidos pelo SUS para planos e seguros particulares. O número foi dado pela Associação Nacional  de Hospitais Privados. Nesses cinco anos, o crescimento médio dos planos de saúde foi de 4,3%, impulsionados pelo aumento de contratos empresariais.

Pessoas na faixa de 30 a 39 anos foram as responsáveis pela maior expansão no setor. Em 2008, 26% da população brasileira nesta idade estava coberta por algum plano de saúde. Em 2013, esse número saltou para 34% da população dessa faixa etária.

Ministro diz que novo imposto é necessário para viabilizar o SUS

O recém-empossado ministro da Saúde, Arthur Chioro, disse em entrevista ao Estadão que  é preciso discutir com a sociedade e com o governo a criação  de um novo imposto para o setor.  Diante de um ano com perspectivas baixas de orçamento, sem promessa de dinheiro para a pasta, Chioro diz que este é o  caminho para garantir a sustentabilidade  do sistema integral, que “cada vez custa mais caro”. Desde 2008, com o fim da CPMF (Contribuição Provisória sobre  Movimentação Financeira), o setor sofreu um baque, que coincidiu com o  momento do crescimento dos planos particulares.

Segundo Chioro, um novo tributo específico para a área de saúde ajudaria a reparar as perdas sofridas desde então. Ele ainda afirmou que é contrário a planos de saúde com mensalidades baixas e pouca cobertura. O ministro ratificou também que deve haver uma mudança nas agências reguladores que são “executoras”  das políticas direcionadas pelo ministério.

 

 

Fontes:
Estadão - Novo tributo é caminho para viabilidade integral da Saúde
Estadão - Minha saúde...Minha vida

8 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Esse ministro é hilário (parece o Kiko). Ninguem “migra” do SUS para o plano de saúde particular, as pessoas simplesmente conservam os dois porque, de fato, pagam por ambos.

  2. PC disse:

    HÃN … SEI… é o reverso; ‘Em cinco anos, 8 milhões migraram da rede privada de saúde para SUS!’

  3. troiano disse:

    Esse ministro começa mal pois já existia a CPMF com P de provisório que virou P de Permanente cujo dinheiro deve ter chegado em tudo quanto é canto, menos para a Saúde; então ele que vá atrás dos que desviaram esse dinheiro, reponha em circulação e não venha inventar moda com mais um imposto pois já trabalhamos quase 5 meses todo ano só para pagar impostos que não são devolvidos em serviços proporcionais aos 40% que pagamos em todos os produtos ou serviços, ou seja, que ele primeiro mostre serviço para depois cobrar.

  4. rene luiz hirschmann disse:

    Com certeza o fim da CPMF não mudou nada para o povão, mas deixou o pessoal do “andar de Cima” mais tranquilo afinal esse imposto dava um histórico da movimentação de dinheiro, os parlamentares apoiaram a extinção são os mais ricos e corruptos, vejam a lista oculta pelo congresso, sou a favor da volta da CPMF e a transparência na sua aplicação, não pode servir para “fundo partidário”, para cobrir desvios e aumentos de salários dos parlamentares ou ser desviados para “associação Lula”, deve servir unicamente para saúde (SUS) e nunca para previdência privada.

  5. Miguel disse:

    Os dois comentários estão ótimos; Parabéns. O Rei está e vai nu. Primeiro vistam o Rei. Mas não com esse ministrinho. De cara, já provou que não tem competência.

  6. Carlos Cesar disse:

    Tem que acabar com os desvios e não aumentar e/ou criar mais Impostos.

  7. André Luiz D. Queiroz disse:

    Olha, desculpem-me a grosseria, mas a minha vontade desde já é mandar esse recém-empossado ministro da Saúde, Arthur Chioro, enfiar essa proposta de um novo imposto naquele lugar!
    E, certamente!, ninguém ‘migra’ (?) dos serviços de saúde pública oferecidos pelo SUS para planos e seguros particulares por conveniência econômica, como se fosse uma troca de operadora de telefonia! É porque esses 8 milhões de pessoas necessitam de serviços de saúde minimamente satisfatórios (que consigam marcar uma consulta simples no intervalo de dias, e não de meses!, e que tenham à disposição os exames clínicos/laboratoriais necessários à diagnose, bem como demais recursos médicos modernos, etc), e pra isso, não tem jeito!, têm que pagar o preço de mercado dos planos de saúde, quando isso lhes é acessível!
    Esse senhor, Arthur Chioro, antes de falar cinicamente em ‘ressuscitar’ a CPMF (ou coisa que o valha!), deveria é tratar de sanar a malversação de verbas, os superfaturamentos, e a roubalheira descarada que assolam a saúde pública brasileira (e demais serviços públicos…!), isso sim!

  8. Roberto1776 disse:

    Ou o artigo ou o “ministro” não diz coisa com coisa.
    Se o número de segurados dos SUS sem utilizar o sistema único de “saúde” aumenta cada dia mais, o número dos que pagam sem usar está aumentando.
    Nos últimos 5 anos, oito milhões continuam pagando o sus sem utilizá-lo. Ou o pagamento do sus é opcional?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *