Início » Brasil » Em Davos, Bolsonaro promete abrir economia para o mundo
FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL

Em Davos, Bolsonaro promete abrir economia para o mundo

Presidente abriu o Fórum Econômico Mundial falando sobre reformas, meio ambiente e combate à corrupção e ao viés ideológico

Em Davos, Bolsonaro promete abrir economia para o mundo
Bolsonaro discursou em Davos nesta terça-feira (Foto: Reprodução/NBR)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) abriu nesta terça-feira, 22, o Fórum Econômico Mundial, que acontece em Davos, na Suíça. Em seu discurso, que durou pouco mais de sete minutos, Bolsonaro prometeu abrir a economia para o mundo, além de relembrar promessas de campanha, como a reforma da Previdência e a reforma tributária.

“Hoje em dia um precisa do outro. O Brasil precisa de vocês. E vocês, com toda certeza, em parte, precisam do Brasil. […] Esta é a primeira viagem internacional que realizo após a minha eleição. Prova da importância que atribuo às pautas que esse fórum tem promovido e realizado. Esta viagem também é para mim uma grande oportunidade de mostrar para o mundo o momento único que vivemos em meu país, e para apresentar a todos o Brasil que estamos construindo”, afirmou o presidente, na abertura de seu discurso.

Em seguida, Bolsonaro afirmou que o Brasil atravessa uma crise “ética, moral e econômica”. Segundo o presidente, o seu governo é o primeiro a montar uma equipe de ministros com qualificação, ignorando indicações político-partidárias.

Bolsonaro também abordou a questão do meio ambiente e da biodiversidade brasileira. Segundo o presidente, “o Brasil é um paraíso, mas ainda muito pouco conhecido”, citando que o país não está entre os 40 destinos mais visitados do mundo. Para aumentar o movimento turístico brasileiro, Bolsonaro falou em “investir pesado” em segurança.

“Somos o país que mais preserva o meio ambiente. Nenhum outro país do mundo tem tantas florestas como nós. A agricultura se faz presente em apenas 9% do nosso território, e cresce graças a sua tecnologia e graças à competência do nosso produtor rural. Menos de 20% do nosso solo é dedicado à pecuária. […] Nossa missão, agora, é avançar na compatibilização entre a preservação do meio ambiente e da biodiversidade com o necessário desenvolvimento econômico”, disse Bolsonaro.

No entanto, de acordo com uma pesquisa, de 2018, promovida pelas Universidades de Yale e Columbia, ambas dos Estados Unidos, o Brasil ocupa a 69ª posição ao se falar em desempenho ambiental. Já em outros estudos sobre os países “mais verdes do mundo”, o Brasil também não figura entre as primeiras posições. Em termos de extensão de florestas, segundo um artigo publicado na Super Interessante, com base em dados da ONU, o Brasil é a segunda nação do mundo com a maior área florestal, ficando atrás da Rússia.

Para impulsionar o investimento econômico no país, Bolsonaro prometeu reduzir a carga tributária. Ademais, o presidente brasileiro reafirmou que o governo fará novas privatizações para equilibrar as contas públicas.

Ao falar do comércio internacional, o chefe de Estado mostrou confiança no ministro da Economia, Paulo Guedes, que vai liderar a equipe econômica para colocar o Brasil entre os 50 melhores países para se fazer negócio. Segundo a Forbes, o Brasil ocupa, atualmente, a 73ª posição entre os Melhores Países para se fazer Negócio.

Sobre as relações internacionais, que serão comandadas pelo ministro Ernesto Araújo, Bolsonaro falou em uma política sem “viés ideológico”. Ademais, falou da incorporação de práticas internacionais adotadas pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e garantiu que o Brasil vai atuar ativamente na reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC), defendida frequentemente pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Medidas a curto-prazo

Após o discurso, Bolsonaro respondeu questões promovidas pelo presidente do Fórum Econômico Mundial, Klaus Schwab. Quando questionado sobre as medidas em curto-prazo, o presidente brasileiro citou as reformas que pretende fazer, além da retirada do viés ideológico do comércio.

“Pretendemos diminuir a participação do Estado, realizar reformas, como da Previdência e Tributária, queremos tirar o peso do Estado de cima de quem produz, de quem empreende. Queremos investir na nossa educação, um tanto quanto ainda não eficiente. Tirarmos o viés ideológico dos nossos negócios. Não teremos viés nem de um lado e nem de outro, visando o comércio com aqueles que comungam com práticas semelhantes a nossa”, afirmou.

Corrupção

Ao ser questionado sobre a corrupção, que foi citada por Schwab como um dos grandes problemas do Brasil, Bolsonaro atribuiu o dever ao ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. Ademais, o presidente brasileiro admitiu promover mudanças na legislação.

“Com toda a certeza o senhor Sérgio Moro é um homem conhecido por muitos de vocês. A ele foi incumbida essa missão, ao ser alçado à posição de ministro da Justiça e Segurança. Então ele tem todos os meios para seguir o dinheiro do combate a corrupção e o combate ao crime organizado. É mudando a legislação e aperfeiçoando outra parte da mesma. Dessa forma tenho certeza que atingiremos o nosso objetivo”, disse o presidente.

América do Sul

Por fim, Bolsonaro lembrou ainda que os governos de esquerda estão perdendo espaço na América do Sul, citando os governos de centro e centro-direita, como exemplo. Para ele, isso mostra que “a esquerda não prevalecerá nessa região”, o que, segundo Bolsonaro, seria benéfico para o mundo.

“No tocante à América do Sul, tenho certeza, que, ao conversar com os líderes regionais, eles querem que o Brasil vá bem. No tocante ao Mercosul, alguma coisa deve ser aperfeiçoada. Já conversei com o presidente da Argentina, Macri, conversei também, de forma não muito profunda ainda, mas tive uma boa conversa com o presidente do Chile, Piñera, bem como o Marito, do Paraguai. Nós estamos preocupados, sim, em fazer uma América do Sul grande, que cada país, obviamente, mantenha a sua hegemonia local. Não queremos uma América bolivariana como há pouco existia no Brasil em governos anteriores”, finalizou Bolsonaro.

‪- Tive a satisfação de realizar o discurso de abertura do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíca. Sendo o 1º presidente do hemisfério sul, 1º da América Latina e 1º fora do G7 a abrir o evento. Muito obrigado a todos. .Link no youtube: youtu.be/98bSXrN08ys‬

Posted by Jair Messias Bolsonaro on Tuesday, January 22, 2019

Leia mais: Jair Bolsonaro sob os holofotes em Davos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Marcílio F. Da Costa Pereira disse:

    Coloque tudo na prática, o quanto antes. O tempo já está passando!

  2. Esmeraldo Ramos Neto disse:

    Calma Marcílio; devagar com a louça!😊

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *