Início » Brasil » Em novo vazamento, Dallagnol promete apoio a Moro
LAVA JATO

Em novo vazamento, Dallagnol promete apoio a Moro

Mensagens divulgadas pela ‘Folha’ e pelo ‘Intercept’ demonstram Moro alertando Dallagnol, enquanto procurador garantiu apoio a Moro frente ao STF

Em novo vazamento, Dallagnol promete apoio a Moro
Novos vazamentos aprofundam relação entre Moro e Dallagnol (Foto: Tomaz Silva e José Cruz/ABr)

A Folha de São Paulo e o site “Intercept Brasil” divulgaram, na manhã deste domingo, 23, novas mensagens trocadas entre o ex-juiz federal Sérgio Moro e o coordenador da Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol. Na conversa, Dallagnol prometeu apoio a Moro em “tudo o que for necessário” contra possíveis “injustas acusações”.

As novas mensagem datam do dia 23 de março de 2016. A conversa entre Moro e Dallagnol demonstra o então juiz federal “chateado” – segundo palavras de Dallagnol. O motivo seria porque, no dia 22 de março de 2016, a Polícia Federal (PF) teria cometido “uma lambança” – de acordo com palavras de Moro.

Na ocasião, a PF teria tornado pública nos autos uma lista com supostos nomes de parlamentares e outros políticos, que teriam recebido doações ilegais da Odebrecht. A lista teria sido apreendida em escritórios da empreiteira. Pelos políticos supostamente envolvidos terem foro privilegiado, o caso iria ao Supremo Tribunal Federal (STF).

“Não pode cometer esse tipo de erro agora”, destacou Moro a Dallagnol, que respondeu se comprometendo a apoiar o então juiz federal. O coordenador da Lava Jato relembrou o apoio da sociedade civil a Moro e prometeu fazer “tudo o que for necessário para defender você [Moro] de injustas acusações”.

A conversa ocorreu em um momento em que Moro estava sob pressão do STF pela divulgação de conversas entre os ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff. Por na época ser a atual presidente da República, Dilma tinha foro privilegiado, o que a deixava fora da alçada de Moro. Devido a isso, o então juiz federal foi advertido pelo ministro Teori Zavascki, que era o relator da Lava Jato no STF.

Já em um suposto diálogo entre Dallagnol e o delegado da PF Márcio Anselmo, que esteve no comando de algumas das principais fases da Lava Jato, o procurador classificou como “erro” a publicação da lista de políticos. Dallagnol, porém, diminuiu o erro, mas mostrou-se receoso com a possibilidade de que o fato fosse usado “pelo STF contra a Operação e contra o Moro”. Em seguida, revelou que já havia solicitado uma articulação da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

À noite, ainda no dia 23 de março de 2016, Moro mostrou-se insatisfeito com os “tontos” do Movimento Brasil Livre (MBL) por um protesto feito na frente do apartamento de Zavascki, o que, segundo Moro, “não ajuda, evidentemente”. Dallagnol, então, opinou sobre não interferir no assunto, pois integrantes do MBL tinham ficado “bravos” por não ter tido apoio oficial para as manifestações pró-impeachment da então presidente Dilma.

Entenda o caso

No último dia 9 de junho, o site “Intercept Brasil” começou a revelar supostas mensagens trocadas pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o coordenador da Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol. Na época dos diálogos, Moro atuava como juiz federal na Operação Lava Jato.

Desde então, novos diálogos têm sido divulgados regularmente pelo “Intercept”. Neste domingo, através de um editorial, a Folha de São Paulo revelou que vai produzir uma “série” de reportagens sobre as trocas de mensagens. A parceria deve colocar novos holofotes sobre o suposto vazamento. De acordo com a Folha, não foi possível detectar “indício de que ele [material] possa ter sido adulterado”.

Na última semana, as constantes divulgações culminaram em dois casos específicos. No primeiro, Moro foi ao Senado prestar esclarecimentos diante da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara Alta do Parlamento.

No segundo caso, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, se posicionou publicamente contrária à uma possível anulação da condenação de Lula. Para Dodge, as alegações dos advogados de Lula, que apontam uma possível parcialidade do ex-juiz federal Sérgio Moro, se ampara em fatos duvidosos. Isso porque, a defesa de Lula estaria usando o suposto diálogo entre Moro e Dallagnol como base.

Fontes:
Folha de São Paulo-Lava Jato articulou apoio a Moro diante de tensão com STF, mostram mensagens
Folha de São Paulo-Leia íntegra da troca de mensagens entre Moro e Deltan ante tensão com STF

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. Renato Cesar de Oliveira Moreira disse:

    Moro e a lava-jato são uma pedra, ou melhor, uma pedreira no sapato dos corruptos e na ferradura dos esquerdopatas.

  2. Roberto Henry Ebelt disse:

    Quando os bandidos são os membros do STF e é necessário fazer de tudo para que eles não participem de um julgamento, estamos muito mal.

  3. jayme endebo disse:

    Esses criminosos tinham que estar na cadeia e a imprensa tenta dar legitimidade para essa palhaçada, o desespero dos corruptos é gritante.O Moro tem todo apoio da população e deve continuar seu trabalho de limpeza.

  4. Rogerio de Oliveira Faria disse:

    Des Moro Nando…

  5. Carlos Costa disse:

    Esse dois elementos não representam a justiça brasileira, nem merecem nosso respeito. Estão rasgando a Constituição. O que se discute não tem nada a ver com a lava jato, a pergunta é: se o delito praticado por este dois indivíduos, tem a ver estão com os ditames da ética do judiciário? O fato é que, estes aproveitam-se dos desinformados e da sede de vingança aflorada em nosso país, para associar a lava jato ao caso. Queria ver se este alinhamento do MP com o Magistrado, prejudicasse algum parente dos justiceiros que aqui opinam, se suas opiniões seriam a mesmo ou se iriam reivindicar os ditames da lei ao qual esses elementos estão vinculados.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *