Início » Brasil » Entenda os motivos da revolta dos produtores de café
Café em crise

Entenda os motivos da revolta dos produtores de café

Saiba por que no Brasil cafeicultores estão queimando sacas e realizando protestos

Entenda os motivos da revolta dos produtores de café
Por que o café está dando prejuízo aos seus produtores? (Reprodução/Eyevine)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O café é uma das bebidas mais consumidas no mundo. Segundo uma pesquisa feita pela agência americana National Coffee Association, somente nos EUA 63% dos adultos bebem café diariamente.

Apesar da grande demanda, os produtores de café não estão contentes. No Brasil, que produz um terço do café consumido no mundo, cafeicultores estão queimando sacas em protesto contra a queda no preço da saca. Mas por que o café está dando prejuízo aos seus produtores?

Em primeiro lugar, é preciso entender que existem dois tipos de semente de café: arábica e robusta. A primeira responde por 60% da produção mundial. Sua qualidade é considerada superior e, por isso, seu preço é mais elevado, rendendo mais lucro aos agricultores. Já a segunda é considerada uma semente mais resistente, porém seu gosto é mais amargo. A maioria do café produzido no Brasil é do tipo arábica e este é o ponto-chave da questão.

Com o passar dos anos, a oferta de café, especialmente do grão robusta, aumentou. O Vietnã, por exemplo, cuja produção de café na última década era insignificante, agora produz 25 milhões de sacas do grão robusta por dia. Além disso, a recessão econômica nos EUA e na Europa, que juntos consomem mais da metade do café produzido no mundo, diminuiu o lucro das empresas alimentícias que, para manter sua margem de lucro, foram obrigadas a misturar a semente robusta em seus produtos.

Com o aumento da oferta de café e a concorrência da semente robusta, o lucro obtido com a venda de uma saca de café aábica caiu pela metade. Grandes produtores de café como o Brasil, a Colômbia e a Etiópia sentiram o impacto dessa diminuição de lucro. No Brasil, onde a produção ainda é colhida manualmente, o caso é ainda mais complicado. Com o salário aumentando a cada ano, fica mais caro para os produtores pagar por empregados em tempos de colheita. Além disso, a crescente classe média no país faz a demanda por café crescer cerca de 5% anualmente.

A queda no lucro da produção, o aumento do preço da mão de obra e da demanda por café está afetando os produtores, que realizam protestos e exigem subsídios do governo pra resolver a situação.

Fontes:
The Economist-Why are coffee-growers unhappy?

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *