Início » Brasil » Desmatamento da Mata Atlântica no Rio está perto de zero, diz estudo
Meio Ambiente

Desmatamento da Mata Atlântica no Rio está perto de zero, diz estudo

Recursos do ICMS Verde teriam ajudado a diminuir o desmatamento, que ficou próximo a zero entre 2012 e 2013

Desmatamento da Mata Atlântica no Rio está perto de zero, diz estudo
A Mata Atlântica é um tipo de floresta tropical presente apenas no Brasil, no Paraguai e na Argentina (Reprodução/ Custódio Coimbra/ Agência O Globo)

O Atlas dos Municípios da Mata Atlântica apontou que o estado do Rio de Janeiro desmatou 11 hectares, entre 2012 e 2013, o que equivale a um desmatamento próximo a zero. A Mata Atlântica é um tipo de floresta tropical presente apenas no Brasil, no Paraguai e na Argentina. O bioma é lar de espécies ameaçadas de extinção como o mico-leão-dourado. Apesar de sua importância ambiental, cerca de 90% do bioma original foi destruído no processo de colonização do Brasil.

Leia mais: Desmatamento na Mata Atlântica é o maior desde 2008
Leia mais: R$ 3 bilhões para manter Mata Atlântica em pé
Leia mais: Mata Atlântica: menos 100 mil hectares em três anos

Em entrevista ao jornal Globo nesta sexta-feira, 26, o deputado estadual e ex-secretário estadual do Ambiente Carlos Minc disse que há oito anos a situação do bioma era bem diferente. “Onze hectares é próximo do desmatamento zero. Chegamos à Secretaria do Ambiente em janeiro de 2006. O Rio já tinha sido, cinco anos antes, o estado que mais destruía Mata Atlântica. Os nossos parques estavam abandonados e os municípios não se interessavam pela questão ambiental. Além disso, não havia uma estrutura de fiscalização eficiente”. O deputado também disse que o passo seguinte será dobrar a área de Mata Atlântica nos próximos 20 anos.

As prefeituras foram incentivadas a preservar o meio ambiente pelos recursos do ICMS Verde, que são repassados às cidades mais ecologicamente sustentáveis. Em quatro anos, a área protegida por municípios fluminenses passou de 105 mil hectares para 220 mil. A fiscalização, por sua vez, foi reforçada com a criação da Comissão Integrada de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca) e das Unidades de Polícia Ambiental (Upam), além da aquisição de barcos e helicópteros e a contratação de guardas-parques.

Entretanto, segundo o Atlas, algumas cidades ainda continuam a destruir o bioma. O município de São Fidélis foi o que mais desmatou no norte fluminense, seguido por Itaguaí, na Região Metropolitana, e Paraty, na Costa Verde. Paraty tem uma situação curiosa. Apesar de estar entre os municípios fluminenses que mais desmataram no período pesquisado, é um dos que possuem a Mata Atlântica mais preservada: são 72 mil hectares de vegetação cobrindo 78% de seu território. O estudo, baseado em imagens de satélite, alerta sobre a situação do município, cuja economia depende cada vez mais do turismo. Os três hectares desmatados nos últimos dois anos somam-se aos quase 20 mil destruídos desde que a Lei da Mata Atlântica (11.428/2006) foi criada, punindo com um a três anos de reclusão ou multa o agressor do bioma.

O Atlas da Mata Atlântica, que monitora o bioma há 28 anos, é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). A tecnologia utilizada permite avaliar o desmatamento em áreas florestais com mais de três hectares.

Fontes:
O Globo-Atlas mostra que destruição da Mata Atlântica no Estado do Rio caiu e está mais perto de zero

2 Opiniões

  1. Áureo Ramos de Souza disse:

    Porque R$ 3 bilhões, é só plantar mudas das plantas existentes e nasce novas plantas e os passarinho resolvem o resto, foi assim que Deus criou o mundo.

  2. Joma Bastos disse:

    Agora é necessário que a Violência também caia para valores mínimos, para o turismo cresça no Rio e no Brasil.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *