Início » Brasil » EUA, Guaidó e Grupo de Lima debatem próximas ações na Venezuela
REUNIÃO EM BOGOTÁ

EUA, Guaidó e Grupo de Lima debatem próximas ações na Venezuela

Em reunião na capital colombiana, chanceleres do Grupo de Lima, Guaidó e o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, analisam os próximos passos a serem tomados na crise

EUA, Guaidó e Grupo de Lima debatem próximas ações na Venezuela
Juan Guaidó desembarcou na capital colombiana na manhã desta segunda-feira (Foto: Twitter/Juan Guaidó)

Chanceleres do Grupo de Lima se reunirão nesta segunda-feira, 25, em Bogotá, com o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, e o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, para discutir os próximos passos a serem tomados para solucionar a crise que assola o país sul-americano.

O encontro é uma resposta ao pedido de Guaidó à comunidade internacional para que se eleve a pressão contra o governo de Nicolás Maduro. O pedido foi feito após um violento fim de semana na fronteira, desencadeado após tentativas de alguns países do Grupo de Lima de fornecer ajuda humanitária à Venezuela – a maior parte dela proveniente dos EUA.

Na noite do último sábado, 23, em um discurso feito ao lado do presidente da Colômbia, Ivan Duque, Guaidó pediu à comunidade internacional que mantenha “todas as cartas sobre a mesa” em relação à crise em seu país – ecoando, assim, a fala do presidente americano Donald Trump.

Na semana passada, em um discurso na Flórida, Trump afirmou que os EUA buscam uma solução pacífica para a crise, “mas que todas as opções estão na mesa”. Segundo analistas, o discurso contou com um forte tom político, tendo Trump ressaltado em sua fala a importância da Flórida como um dos chamados “swing states” (estados que costumam ser decisivos em pleitos eleitorais).

Segundo um representante sênior do governo americano, que falou à Reuters em condição de anonimato, Pence anunciará no encontro desta segunda-feira “ações claras e concretas” contra Maduro, sem detalhar o que seriam tais ações nem no que implicariam.

Questionado pelos reportes sobre a possibilidade dos EUA enviarem reforço militar a Guaidó, caso seja solicitado pelo presidente interino, o representante afirmou que Pence escutará as demandas no encontro e as repassará para Trump, que ficará encarregado de decidir sobre a questão.  “Esta é uma decisão que cabe a ele [Trump]”, disse o representante.

Representarão o Brasil no encontro o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o vice-presidente Hamilton Mourão. Este último vem sendo encarregado de abrandar o inflamado discurso pró-intervenção na Venezuela, uma vez que a ala militar brasileira é contra intervenção.

Recentemente, em entrevista ao Blog do jornalista Gerson Camarotti, da GloboNews, Mourão afirmou que a ala militar defende o uso da diplomacia para reforçar o isolamento de Maduro, pois crê que uma ação militar na Venezuela tem potencial de gerar instabilidade na região, além de trazer ameaças para fronteira do país com o estado de Roraima. “Vamos manter a linha de não intervenção, acreditando na pressão diplomática e econômica para buscar uma solução. Sem aventuras”, disse Mourão.

Dois dos principais aliados de Maduro, China e Rússia também rejeitam uma ação militar estrangeira no país. Nesta segunda-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, reiterou a posição de Pequim contra uma intervenção militar e disse que a China “espera que a comunidade internacional possa fornecer ajuda construtiva à Venezuela sob a condição de respeitar a soberania da Venezuela”. “Acirrar a instabilidade ou mesmo agitação social na Venezuela e na região não é de interesse de nenhuma das partes”, disse Kang, segundo noticiou a agência de comunicação estatal chinesa Xinhua.

Já a Rússia, além de rejeitar uma ação militar no país, também defende a permanência de Maduro no poder. Tal posição se dá por dois motivos: primeiro, porque a Venezuela deve muito dinheiro e petróleo para a Rússia. Segundo, porque a queda de Maduro seria vista internamente na Rússia como um fracasso de Putin em defender um aliado de ataques dos EUA, segundo afirmou ao portal Global News, Vladimir Rouvinski, especialista em política russa no Woodrow Wilson Center’s Kennan Institute, em Washington, D.C., EUA.

“Seria uma derrota. Uma derrota que seria extremamente difícil de explicar aos russos. Na Rússia, onde as relações pessoais são tão importantes, penso que isso é um fator a favor de Maduro”, disse Rouvinski.

 

Leia mais: O xadrez político na crise venezuelana

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Dinarte da Costa Passos disse:

    ESTAMOS NO PRELÚDIO DA III GUERRA MUNDIAL

    Este conflito será apenas o prelúdio da III Guerra Mundial. Estados Unidos tem interesse na Europa e isso preocupa os russos que começam a sentir a presença americana no quintal de sua casa. Para a Rússia manter um ponto estratégico na America Latina e, principalmente, no quintal americano é uma oportunidade muito grande de contrabalançar o poderio americano. E este ponto não será outro senão a Venezuela e Cuba que deverá ser restaurado na condição de aliado da Rússia. Os americanos não vão permitir que os russos se instalem na America Latina e o conflito não vai ser apaziguado, pode até ser adiado, mais nunca será evitado. Mais cedo ou mais tarde a pólvora vai queimar no Caribe. E digo uma coisa, ninguém se engane que o conflito vai ficar isolado entre Colômbia e Venezuela. O conflito vai se espalhar pela região e o Brasil não estará fora da Guerra. Vai se envolvido pelos confrontos na fronteira e todo o Território Nacional estará sobre o perigo da Guerra.

    Do outro lado do mundo, quando as potências militares de grande vulto se envolver com a Guerra, Israel vai aproveitar a ocasião para atacar o Irã, Síria e Turquia. Os conflitos regionais do extremo oriente vão se espalhar pelo mar do Japão e assim teremos a III Guerra Mundial que se dará nestes próximos sete anos.

    Preparem as pistolas e os revólveres, lubrifiquem bem as armas, pois elas serão decisivas nestes tempos de guerras. Mas acima de tudo preparem a alma e o espírito por que muito sangue será derramado. O mundo renascerá como a Fênix das cinzas da bomba atômica.

    TENHO DITO! ACREDITE QUEM TEM INTELIGÊNCIA, ESTE SOBREVIVERÁ!

  2. Emílio L disse:

    Vai ser engraçado ver você, com arma em punho, se defendendo de uma bomba de fragmentação viajando à velocidade do som. Vai tomar seu remedinho, vai.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *