Início » Brasil » Ex-presidente da Petrobras isenta Dilma da compra de Pasadena
CPI da Petrobras

Ex-presidente da Petrobras isenta Dilma da compra de Pasadena

Em depoimento à CPI da Petrobras, Sérgio Gabrielli defende Dilma e diz que a análise da compra não compete ao conselho do qual a presidente fazia parte

Ex-presidente da Petrobras isenta Dilma da compra de Pasadena
Para Gabrielli, o interesse do grupo na ocasião da compra era expandir a atuação da petroleira no exterior (Reprodução/internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O ex-presidente da Petrobras, Sérgio Gabrielli, afirmou em depoimento à CPI da Petrobras no Senado que a presidente Dilma Rousseff não teve qualquer responsabilidade sobre a aquisição da refinaria de Pasadena. Na ocasião, a presidente comandava o Conselho de Administração que aprovou a compra da refinaria. A defesa à Dilma contraria as declarações anteriores do ex-presidente da petroleira.

Leia mais: Entrevista de Gabrielli reforça abertura de CPI da Petrobras
Leia mais: Graça Foster reitera justificativa de Dilma, mas reconhece que Pasadena foi ‘mau negócio’

No mês passado, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, Gabrielli disse que Dilma “não pode fugir da responsabilidade do mau negócio”. Nesta terça-feira, 20, porém, ele afirmou que a análise sobre a compra “não compete ao conselho nem há possibilidade de entrar nos detalhes operacionais dos contratos”.

Alinhado à base governista, Sérgio Gabrielli defendeu ainda a compra da refinaria. “Naquela época, a questão não era a cláusula Marlim. Era ‘Vale a pena expandir o refino no exterior?’. Essa era a discussão da época. É evidente que hoje a discussão é outra”, disse Gabrielli.

A negociação gerou uma perda aproximada de US$ 530 milhões, que motivou a criação da CPI. Este ano, Dilma justificou seu voto favorável à compra de 50% de Pasadena com o fato de não ter tido conhecimento de duas cláusulas do contrato: a Put option (que obrigava um dos dois sócios a comprar os outros 50% em caso de discordância) e Marlim (que dava uma garantia de rentabilidade a outra sócia para o processamento do óleo da Petrobras).

Único representante da oposição na CPI, o senador Cyro Miranda (PSDB), preferiu não comparecer ao depoimento de Sérgio Gabrielli. Conforme informações do seu gabinete, Cyro considera a CPI “uma ação entre amigos” e preferiu se concentrar nos trabalhos da CPMI (comissão parlamentar mista de inquérito, que engloba Câmara e Senado).

Fontes:
Folha de S. Paulo-Ex-presidente da Petrobras recua e poupa Dilma de compra de Pasadena

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

5 Opiniões

  1. Geraldo Damasceno disse:

    É claro que o governo, como tem a maioria (comprada), vai dar o rumo que quiser à CPI. Todos irão se inocentar; e ao final, se houver culpados, será a funcionária do cafezinho.

  2. carlos a a gameiro disse:

    Mais parece uma posição de quem está bajulando para conseguir um novo cargo.

  3. Áureo Ramos de Souza disse:

    O culpado disso tudo foi do guardador de carros. Que CPI é essa que só tem gente a favor, então dará certo. Até nisso o Brasil é nojento;.

  4. DJALMA P BENTES disse:

    Para que é que existe o Conselho? Apenas para receberem valores altíssimos? Bandidos…

  5. Carlos disse:

    Vergonha!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *