Início » Brasil » Executaram um traficante brasileiro. Dilma está indignada
Crime e castigo

Executaram um traficante brasileiro. Dilma está indignada

Excelência, fale apenas por si. A nós, o que nos deixa indignados é o tráfico!

Executaram um traficante brasileiro. Dilma está indignada
O brasileiro Marcos Archer Cardoso Moreira foi executado por traficar cocaína na Indonésia (Reprodução/Reuters)

A execução de alguém é, sempre, um ato de extrema violência, que agride nossa sensibilidade. Na madrugada de  ontem, na Indonésia, um cidadão brasileiro sentiu o peso da lei local que aplica a pena máxima para o crime de tráfico de drogas. Há dez anos, Marcos Archer entrara no país com 13 quilos de cocaína escondidos nos tubos de uma asa delta. Apanhado pelo raio-x do aeroporto, conseguiu fugir, mas foi capturado dias depois. Simultaneamente, também foram executados um holandês, um malauiano, um nigeriano, uma mulher vietnamita e uma cidadã do próprio país.

Nossa presidente, a mesma pessoa que sugeriu mediação internacional (por que não foi por conta própria?) para resolver a sequência de crimes contra a humanidade que estão sendo cometidos pelos fanáticos do ISIS, primeiro pediu clemência, depois se disse “consternada e indignada” e, por fim, engrossou ainda mais chamando nosso embaixador em Jacarta para consultas. O Itamaraty afirmou que o fato estabelecia “uma sombra” nas nossas relações com a Indonésia. Excelências, sombrio é o tráfico!

Não é paradoxal? Nem uma só palavra foi dirigida por nosso governo para desculpar-se ante as autoridades de lá pelo fato de um cidadão brasileiro haver tentado levar para dentro do país delas o pó da morte que passeia arrogantemente pelas esquinas, ruas e estradas do Brasil. Foi o governo da Indonésia, com suas leis duras contra o tráfico, que indignaram o governo brasileiro.

Certamente, para cada traficante morto na Indonésia, um país onde esse mal deve ter proporções pequenas, morrem no Brasil dezenas de milhares de seres humanos, vítimas da droga e do ambiente criminoso que em torno dela se estabelece. A pergunta que faço é: o que é melhor? Punir o tráfico com tal severidade que o sentido de preservação da própria vida acabe com ele, ou perder milhares de vidas por ano, executadas direta e indiretamente pelos traficantes? A quem deveria convergir mais firmemente nossa sensibilidade, racionalidade e indignação?

Note-se que nas execuções de ontem havia apenas uma pessoa da Indonésia. As demais eram estrangeiras. Não disponho de estatísticas mais amplas do essa pequena amostra, mas ela sugere que os indonésios não andam muito dispostos a enfrentar a lei local nesse particular.

A leniência com a criminalidade, que se expressa tanto na nossa legislação quanto nas proteções e garantias que oferecemos aos criminosos, transformaram o Brasil numa terra sem lei, a partir do topo da pirâmide social.

 

________________________________

Percival Puggina (70),  membro da Academia Rio-Grandense de Letras, é arquiteto, empresário e escritor e  titular do site www.puggina.org, colunista de Zero Hora e de dezenas de jornais e sites no país, autor de Crônicas contra o totalitarismo; Cuba, a tragédia da utopia e Pombas e Gaviões, integrante do grupo Pensar+.

 

15 Opiniões

  1. Lais Cora disse:

    Consternados estão os Brasileiros com uma presidente que dá atenção e gasta um segundo do seu tempo que seja para tentar clamar pela vida de TRAFICANTES.
    Pelo amor de deus, perdeu totalmente a vergonha na cara, a noção!
    Na verdade verdadeira, ela não está nem aí, pois em 4 anos afundou o Brasil e a reelegeram, poruqe nos proximos 4 seria diferente?
    Povo burro merece padecer, infelizmente não tem outro jeito.

    E viva o nordeste!

  2. Barbara Praseres disse:

    Num ponto foi bom a presidente presenciar que quando somos julgados em outros países é de igual para igual, não a diferença e, sim igualdade para tal crime independente de sua nacionalidade.
    De fato o tráfico perde muitas pessoas, a maioria dos assaltos são para contribuir ao tráfico, assassinatos e outros como vemos no Brasil, que só aumenta, pessoas são assassinadas por um relógio, carro e vários outros bens, tudo para ser trocado por entorpecentes, é complicado de dizer que não é a favor da execução quando se percebe que muitos morrem inocentes no meio desse jogo (tráfico), as vezes é melhor punir um, do que termos perdidos 20 pessoas (executadas por troca de entorpecentes).
    É triste para todas as famílias dessas pessoas que foram executadas na Indonésia, a escolha é respeitar as leis da Indonésia já que ela se iguala a todos.

  3. Fábio Nascimento disse:

    A Sra. Presidenta deveria indignar-se com o Estado autoritário da Venezuela. Lá há bons motivos para a Senhora justificar perplexidade e indignação e, interessante é que Vossa Excelência não mencionada absolutamente nada a respeito. E Cuba? Diga aí Sra. Presidenta!! Será que o “Programa Mais Médicos Cubanos Oprimidos” ajudou mais a casta dos Castro, ou outra que não faz parte dela? Boa pergunta né?? Aliás, desculpe por menosprezar vossa inteligência, pois essa resposta a Senhora sabe…

  4. DJALMA P BENTES disse:

    Ela não se indigna com a verdadeira carnificina que estão fazendo os bandidos brasileiros contas as polícias.
    Ela não se indigna com a miséria que assola principalmente nas grande cidades do judiado Brasil.
    Ela não se indigna com o caos do ensino em todo o Brasil mormente nas pequenas cidades.
    Ela não se indigna com os kits imorais distribuído às crianças brasileiras.
    Ela não se indigna com a roubalheira nas empresas/instituições estatais.
    Ela não se indigna com a matança que estão fazendo com os pobres doentes brasileiros até no DF.
    Ela não se indigna com os apagões que estão em expansão por todo o Brasil.
    Ela não se indigna com os atentados terroristas e quer diálogo com o estado islâmico.-ISIS(ÚNICA NO MUNDO).
    Ela apoia/avaliza ações protecionista aos bandidos (não é mesmo Maria O Que É Isso ? do Rosário)
    Porém ela se indigna com os bandidos que enlameiam/desacreditam até internacionalmente o Brasil. e que levam a morte às famílias do Brasil e do mundo.
    XHFCBTEOXKJWSJFPADJPE*# e os impostos aumentando e vem mais………

  5. Áureo Ramos de Souza disse:

    Ele foi punido por lei, lei de um onde traficar é crime, enquanto isso aqui no Brasil se tem lei só que não é cumprida, principalmente por nossos políticos que vem roubando desde 2003 e ninguém vai preso.

  6. PAULO CALMON disse:

    PRESIDENTA, como quer ser chamada a presidente do Brasil, peço fique consternada com as execuções de ontem quando a pequena LARISSA DE CARVALHO de 4 anos foi levada ao paredão de Bangu na tarde de sábado, em horários próximos a execução da indonésia, da mesma forma o atirador não identificado.
    Em outro momento, Um homem morreu e dois foram baleados em confronto com a Polícia Militar em Jardim Catarina, São Gonçalo, na noite deste sábado (17). Os policiais realizavam patrulhamento na Rua Cristiano Figueiras, uma das principais do bairro, quando se depararam com criminosos, que efetuaram diversos disparos contra o carro dos PMs. Encurralados, os policiais conseguiram se abrigar e pediram apoio, e as execução aconteceu.
    Mais um caso nobre presidenta, O menino Asafe Willian Costa, de 9 anos, foi atingido por uma bala perdida na cabeça dentro do Sesi de Honório Gurgel, na Zona Norte do Rio, onde passava o domingo com sua família. Por volta das 15h, ele saiu da piscina — onde estavam sua mãe e uma de suas irmãs — para beber água quando foi atingido no olho esquerdo por uma bala.
    Portanto, presidenta, o PENA DE MORTE está instituída aqui, para reféns dos criminosos, reféns de uma Lei de 1940, reféns da saúde que são executados sem a sua clemencia, sem ocupar o horário nobres das TVs. por aqui. Aliás, não pode o super repórter, aos brendos gritar “corta pra mim” pois os Indonésios tomaram cuida em preservar as imagens, da morte do condenado. Mas a nossas execuções estão ai ao vivo PRESIDENTE…

  7. André Luiz D. Queiroz disse:

    Marilu,
    Eu não quis dizer que resolver o problema social das drogas seja ‘simples’… Apenas usei uma figura de linguagem para enfatizar que existe o traficante porque existe o viciado (há demanda?, a oferta ‘aparece’!), e que, a meu ver, é muito mais proveitoso agir na prevenção do problema — ou seja, prevenir que as pessoas se viciem em drogas ilícitas (e mesmo as lícitas, claro!), bem como controlar com rigor os já viciados, pois são eles que formam o ‘mercado consumidor’ que alimenta o tráfico e lhe dá, muito poder econômico!

    Outra coisa: criou-se um “factóide” em cima das ações do governo brasileiro referente ao caso do brasileiro recém executado na Indonésia; seria de se esperar que o governo tentasse intervir diplomaticamente para ao menos tentar comutar a pena em prisão perpétua, e assim salvar a vida do compatriota, independente de sua culpabilidade (como também era esperado que o governo da Indonésia, recém eleito e tendo como promessa de campanha o endurecimento do combate ao tráfico de drogas, não daria muita bola para Dilma Rousseff…!). Mas não vejo a linha de ação do governo como um ‘endosso’ ao crime em solo pátrio; “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa!”, já dizia meu pai!

  8. VARGAS DIGITADOR disse:

    Sou obrigado a concordar em número, gênero e grau. Embora a família do rapaz também tenha sim, culpa por ter educado e criado um bandido e assassino, pois o traficante é um serial kyller, não vejo a finalidade, por mais que tente, da Chefe do Executivo de um País Continental, solidarizar-se com o crime, a ponto de tentar interferir na Constituição de outro País que conseguiu livrar-se dessa praga, e ainda arriscar-se a perder um futuro aliado comercial. Eu até o momento tenho, como sempre tive, admiração pela Presidente Dilma, contudo, confesso que fiquei eu, abalado e indignado com o partido que ela tomou em prol de um vagabundo brasileiro, que, como se não bastasse espalhar a morte aqui no Brasil, decidiu e assumiu o risco de aventurar-se a espalhar a morte em outras bandas, na tentativa insana de expandir o negócio. Grande Empresário! Peste Ruim! Morreu tarde.

  9. GCRMarcia disse:

    Há pouco mais de 2 semanas um adolescente perde a vida porque já esperava há mais de 16 horas por um leito de UTI em Barueri aqui no link :

    http:// g1.globo.com/sao-paulo/noticia/2014/12/adolescente-morre-apos-esperar-16-horas-por-vaga-de-uti-em-barueri.html

    Dilma sequer enviou um representante para transmitir as devidas condolências à família !

    O Brasil é um país de brincadeira !

  10. jovelino bispo vieira disse:

    Se ela esta assim tao “indignada” deveria ela como presidente do Brasil tomar providencias em relacao aa nossas fronteiras( as drogas rastreadas vieram da bolivia), nao deveria ela enquadrar esse ditador boliviano que faz vista grossa em relacao as toneladas de drogas e armamento pesado que derrubam ate helicoptero da policia que vem de la pra ca? um dos motivos de eu ter votado no Aecio foi uma das propostas dele que visava colocar em peso as forcas armadas atuando nas fronteiras junto com a policia federal ( via ar,terra,mar),infelizmente o PT de Dilma e Lula parece nao se incomodar com o a atuacao do trafico dentro do nosso pais

  11. Marilu disse:

    Há vários temas que se entremeiam nessa discussão: pena de morte, tráfico de drogas, consumo de drogas,
    soberania… enfim, seria difícil resumir a discussão em poucas palavras, sem a transformar numa tomada simplista de posição. O binômio tráfico-consumo
    tem sua lógica, mas não creio que seja tão fácil de resolver, nem que toda a “culpa” possa ficar de um lado apenas. Muitos traficantes “criam” seus viciados, aproveitando fraquezas e más condições de vida. Ambos os aspectos, a meu ver, precisam ser abordados simultaneamente. A pena de morte é outro assunto, de extrema complexidade, mas o que salta aos olhos neste caso preciso é o que Percival Puggina comenta, com muita pertinência: a extrema infelicidade da reação de nossa Presidente ao indignar-se com a aplicação de uma pena legal na Indonésia e ao defender um traficante informado, conhecido e reincidente. Há de fato muito mais matéria para indignação dentro de nossas fronteiras. É urgente encontrar solução para os problemas que levam à extrema violência que assola o Brasil, dos quais o tráfico é a ponta do iceberg.

  12. Roberto1776 disse:

    O mais triste desta história é a dilma defendendo traficantes.
    Será que perdeu totalmente a vergonha na cara?
    Ela tem a capacidade de continuar nos surpreendendo mesmo depois de quatro anos como presidente conivente com mensalões, petrolões y otras cosita más.

  13. José Marques disse:

    As pessoas tem que respeitar as leis dos outros países e não fazer atos que podem-se arrepender ou perderem a vida.

  14. André Luiz D. Queiroz disse:

    Senhores,
    O homem errou, e foi punido por seu crime. Que sua alma encontre paz.

    Entendo que não é o rigor da pena que reprime o crime, mas sim a certeza da punição! Mas acho tolice pensar que o problema social das drogas seja controlável por meio da repressão ao tráfico; tráfico de drogas é um crime motivado pela ganância, pelo apelo do lucro alto e ‘fácil’, e que despreza todos as consequências do vício para a sociedade. Mesmo que se prenda e puna com o máximo rigor da lei todos os traficantes, continuará havendo quem está disposto ao risco de traficar! O traficante de drogas existe… porque existe o viciado! Simples assim! E muitas vezes o viciado é pessoa de posição social elevada, de grande poder aquisitivo.

    Então, a solução não é tentar reprimir a oferta, mas sim interromper a demanda! É preciso investir pesadamente na prevenção ao vício (em qualquer droga: maconha, cocaína, heroína, crack… etc), bem como uma política mais severa no trato com o viciado — é preciso parar de ‘passar a mão na cabeça’ deles(as), pois não são coitadinhos!

  15. Antonio Campos Monteiro Neto disse:

    Archer morava na Indonésia há 17 anos e não era a primeira vez que fazia as drogas entrarem no País. Falava bem o idioma e estava tão bem relacionado que conseguiu esgueirar-se da segurança no areoporto de Djakarta e fugir para uma pequena ilha do arquipélago, onde foi capturado pela polícia duas semanas depois. Manipulador, fez a imprensa brasileira acreditar que era novato no crime e o cometeu por ingenuidade. Pelo visto, a “profissão” de instrutor de vôo era apenas um “hobby”.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *