Início » Brasil » Família de novo ministro responde por trabalho escravo e fraude financeira
Coluna Esplanada

Família de novo ministro responde por trabalho escravo e fraude financeira

Os irmãos Eduardo e Armando Monteiro Neto há anos não se bicam, mas não esperavam que as pendências judiciais da família e suas sociedades viessem à tona agora que o segundo tornou-se ministro

Família de novo ministro responde  por trabalho escravo e fraude financeira
Armando Monteiro Neto, novo ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Fonte: Reprodução/Veja)

Os irmãos Eduardo e Armando Monteiro Neto há anos não se bicam, mas não esperavam que as pendências judiciais da família e suas sociedades viessem à tona agora que o segundo tornou-se ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC). Um dos processos envolve justamente o BNDES, um dos principais braços do MDIC que será comandado por Monteiro Neto. Eduardo Monteiro responde a ação penal no STJ por crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, sobre a quebra em 2005 do Banco Mercantil de Pernambuco, controlado por ele e no qual o agora ministro tinha assento no Conselho. As acusações vão de gestão temerária a fraude documental, passando por empréstimos suspeitos à Destilaria Gameleira (agora Araguaia), de Eduardo, que já foi palco do maior flagrante de trabalho escravo do País, em uma das quatro operações do Ministério Público na usina entre 2001 a 2009.

Segura aí, Bulhões

A situação é tão delicada para o irmão do ministro no caso do Mercantil que seu advogado é um dos maiores criminalistas do País, Nabor Bulhões.

Festival de denúncias

O processo sobre fraude financeira ocorre desde 2005 na Justiça Federal da 5ª Região e chegou ao STJ. O procurador da República Anastácio Tahim denunciou 19 pessoas.

Tá bom…

Armando Monteiro foi excluído do processo porque conseguiu provar que não tinha ligação com o banco, curiosamente apesar do assento no Conselho…

Silêncio

Eduardo Queiroz foi procurado e até o fechamento da Coluna a assessoria não se pronunciou. Por várias vezes o agora ministro disse que não comenta casos do banco.

Transição (de estados)

A secretária de Planejamento e Gestão do governo de Minas Gerais, Renata Vilhena, foi convidada para assumir o cargo no governo de Rodrigo Rollemberg (PSB), no Distrito Federal. Renata é um bom quadro, mas não tirou Minas do atoleiro de dívidas com bancos de fomento e com a União, apesar do ‘choque de gestão’ de Aécio de anos atrás.

Vai mal

Minas hoje figura no Tesouro entre os três estados mais endividados do País — coisa de uns R$ 19 bilhões, entre repasses da União e de bancos internacionais. A situação é tão delicada em Minas que algumas viaturas da Polícia Civil de BH têm conta mínima de combustível, correm com 20 litros por semana, quando não estão paradas.

Na moita…

Marcelo Crivella (PRB-RJ) está otimista sobre a situação do governador eleito do Rio, Luiz Fernando Pezão. Segundo Crivella, há mais de 20 processos contra seu adversário.

…e na Justiça

‘Uns seis ou sete gravíssimos’, diz Crivella, que almeja chegar ao Palácio se Pezão for cassado. Uma das ações corre em segredo de Justiça: indícios de fraude em contratos com a gráfica Hight Level Signs, contratada da prefeitura e do governo do estado.

Mistério do século

O ex-ministro do STF Nelson Jobim e o atual ministro da corte Gilmar Mendes sentaram-se lado a lado no voo TAM 3727 de Brasília a São Paulo ontem. Não se cumprimentaram ou trocaram uma palavra durante a 1h40 de viagem.

Empacador-Geral?

O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) acredita ser prêmio a indicação do senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) para o TCU. Para Onyx, o presidente da CPMI da Petrobras a todo tempo ‘atrasou a investigação e empacou o desenvolvimento da comissão’.

Outra chance

‘Espero que lá (no TCU) ele possa investigar melhor o passado, o presente, o futuro da Petrobras o que ele fez aqui. Agora, o julgamento cada cidadão brasileiro pode fazer’, ressaltou, com ironia, o democrata.

IPTU Verde

PL do vereador Marcelo Queiroz, do Rio, prevê a redução de IPTU para moradores que adotarem medidas de redução e reuso de recursos naturais, com teto de 15%.

Ponto Final

A Caixa inaugurou em Vazante (MG) a primeira agência do País com iluminação totalmente autosuficiente em energia. São 550m² de painéis fotovoltaicos instalados.

Com Maurício Nogueira e equipe DF, SP e Nordeste

4 Opiniões

  1. Ludwig Von Drake disse:

    Acredito que chegará o dia em que a sociedade não aceitará mais ser comandada por tanta gente incompetente. Enquanto isso, um ministro oriundo de família escravocrata não é nada.

  2. ney disse:

    Esse pessoal é assim mesmo escravizam os outros, não amam o proximo. Mas ainda é o melhor do Brasil. sim ou não?

  3. Roberto1776 disse:

    Minas vai mal?
    E o Rio Grande do PETISTA TARSO HERTZ (alemão é fogo – vide a escola de Frankfurt e Karl Marx) GENRO cuja dívida estava em novembro/2014 em cerca de 45 bilhões???
    E mesmo atolado em dívidas o socialista/petista ainda criou mais um cabide de empregos, a EMPRESA GAÚCHA DE RODOVIAS (EGR). Parece que seu lema é “quanto pior, melhor.
    Isso é que se chama de um desgovernador irresponsável, aquele mesmo guri que fugiu em 1964, com as calças na mão, para o Uruguai, pois achava que os milicos estavam atrás dele, o que não era verdade. Felizmente levou um pontapé no traseiro em sua tentativa de nos sacanear mais quatro anos.

  4. helo disse:

    Para fazer concurso precisa-se do nada conta. Para ministro, quanto mais processos melhor. São 39 ministérios em que ministros saem e entram sem que nem guardemos seus nomes. É o toma lá dá cá desse governo tolerante com os “malfeitos” que já ganham a imprensa internacional até em países “amigos” como Venezuela e Nicarágua, se não quisermos aceitar a imprensa européia e americana. Enquanto isso os impostos sobem e a vida fica mais cara.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *