Início » Brasil » Famílias tentam esclarecer mortes de dois ex-presidentes do Brasil
Jango e Tancredo

Famílias tentam esclarecer mortes de dois ex-presidentes do Brasil

Um morreu no exílio em circunstâncias obscuras; o outro foi internado um dia antes da posse e nem chegou a envergar a faixa presidencial. Por Hugo Souza

Famílias tentam esclarecer mortes de dois ex-presidentes do Brasil
Jango (à direita) com Tancredo Neves (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Na última quarta-feira, 8, os filhos do presidente da República eleito indiretamente em janeiro de 1985, Tancredo Neves, entraram na Justiça solicitando o direito de saber todas as informações e conhecer todos os detalhes sobre a morte do seu pai, que foi internado um dia antes da data marcada para sua posse como primeiro chefe de Estado brasileiro civil depois de mais de 20 anos de governo militar.

Tancredo morreu no dia 21 de abril daquele ano, sem ter tempo de envergar a faixa de presidente da República, gerando grande comoção nacional.

Os filhos de Tancredo entraram na Justiça Federal de Brasília com um pedido de habeas data para que os Conselhos Federal e Regional de Medicina do Distrito Federal disponibilizem para a família todas as sindicâncias, inquéritos ético-disciplinares, documentos e depoimentos dos médicos a respeito do atendimento feito a Tancredo a partir da sua internação por causa de fortes dores abdominais no Hospital de Base, na capital da República, naquele 14 de março de 1985, até o seu atestado de óbito por infecção generalizada pouco mais de um mês depois, emitido pelo Instituto do Coração (Incor) do Hospital das Clínicas de São Paulo, para onde havia sido transferido no dia 26 de março.

‘Mal diagnosticado e mal operado’

Desde que Tancredo Neves morreu surgiram muitas teorias da conspiração que dão conta de um suposto assassinato daquele que deveria ser o “presidente da redemocratização”, título informal que acabou ficando com o vice na chapa de Tancredo no colégio eleitoral, José Sarney. O que move os filhos de Tancredo nesta ação de habeas data, entretanto, parece ser a responsabilização dos profissionais que atenderam Tancredo na noite em que ele passou mal por um suposto caso de erro médico.

“O habeas data médico do presidente Tancredo Neves possibilita definir as responsabilidades dos médicos envolvidos nesse caso. É também uma reparação histórica para aqueles momentos difíceis que a sociedade brasileira teve que enfrentar, quando o presidente, o líder da redemocratização e primeiro civil a ser eleito depois de 21 anos de ditadura, foi mal diagnosticado e mal operado (sem necessidade) às vésperas de sua posse na presidência da República”, disse a família Neves em comunicado.

Entre sua internação e sua morte, Tancredo foi submetido a sete cirurgias. A primeira delas, a que seus filhos ora colocam em xeque, aconteceu ainda no Hospital de Base de Brasília, antes da sua transferência para o Incor.

Jango: vítima da Operação Condor?

“Os documentos, junto com os prontuários médicos já em posse da Família Neves, fecham esse trágico capítulo da história brasileira, além de recuperar a verdade médica, ética, sobre as responsabilidades dos médicos envolvidos no atendimento prestado a Tancredo”, ressaltam ainda os familiares do ex-presidente.

Tancredo Augusto Neves, filho de Tancredo, relata que o pai chegou a ser levado para o centro cirúrgico errado e que, passando mal, ele teve que circular pelos corredores do Hospital de Base de maca e coberto por um lençol para não ser reconhecido pela multidão que lotou o lugar, onde não havia qualquer tipo de segurança ou controle. Quando enfim o presidente chegou à sala de cirurgia certa, havia até políticos trajando roupas de médico para assistir à operação.

O pedido de habeas data sobre a internação e morte de Tancredo acontece no momento em que o governo federal anuncia apoio à luta de uma família pelo esclarecimento sobre a morte em 1976, no exílio, de um outro ex-presidente da República, João Goulart. Oficialmente Jango morreu de ataque cardíaco, mas seus familiares acreditam que ele pode ter sido envenenado, vítima da Operação Condor, aliança entre regimes militares do Cone Sul para coordenar a repressão no Brasil, Argentina, Uruguai, Chile e Paraguai.

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

15 Opiniões

  1. P.F. disse:

    Tancredo morreu no dia 21 de abril daquele ano, sem ter tempo de envergar a faixa de presidente da República, gerando grande comoção nacional.

    Pergunta a Glória Maria que estava fazendo o plantão do dia, dizendo que ele estava bem. (Minha avó dizia isso).

  2. olbe disse:

    Estas duas mortes devem sim serem esclarecidas. Espero que um dia a verdadeira história venha a tona. Eles morreram e não poderão voltar mas o esclarecimentos de como estas mortes’ tão suspeitas’ ainda não vieram a tona, mas devem vir, para o bem da história do Brasil!

  3. ilio borges de araujo disse:

    Sinceramente! estou bem mais interessado em saber do que aconteceu com Celso Daniel, prefeito de Santo André e Toninho do PT, prefeito de Campinas, ambos assassinados em condições suspeitadíssimas. É claro, qualquer novo esclarecimento a respeito das mortes de João Goulart e Tancredo, seriam também muito bem vindas.

  4. rudylang disse:

    Relíquias do Império Austro-Húngaro que os comunas não conseguiram destruir. Pelo menos para isso essa malta serviu.

  5. João Alcântara de Meireles disse:

    Que oportuno! Voltar à morte de Jango e Tancredo – com cheiro de teoria da conspiração – no momento que se tenta emplacar uma “comissão da verdade” unilateral, passando por cima da Lei de Anistia. Apurar eventuais falhas médicas é um direito dos familiares. Conjectura de assassinatos decorrentes de complô é no mínimo pretender atropelar a lógica. O caso Jango é um despautério. Um líder considerado tíbio, até por seus aliados e amigos (vide Samuel Wainer – Minha Razão de Viver – sem o carisma populista de outros notórios – Getúlio, Juscelino, Jânio, Collor, Lula – que não dispunha de prosélitos expressivos nem no âmbito do Rio Grande – onde o seu cunhado Brizola roubou à cena, como o fez no mandato conturbado, do estancieiro Presidente. À volta de elucubrações dessa natureza, têm o condão de criar junto à opinião pública um clima de cizânia. Ou obter “nihil obstat” de setores mais visíveis e articulados da sociedade, maior escopo dos grupos facciosos, que pretendem fazer julgamentos políticos ideológicos, de inspiração stalinista, à revelia da verdade, história e justiça.

  6. Joaquim Caldas disse:

    Seria ótimo que a comissão da verdade investigasse isto!Desde 86 que os ladrões tomaram conta do poder.Sem Tancredo e Ulisses ficou mais fácil!

  7. Beraldo Dabés Filho disse:

    Tá na cara que o Jango morreu por obra da Operação Condor, já que possuía todos os requisitos definidos pelas Ditaduras Militares da Época, para ser liquidado.

  8. WELLER MARCOS DA SILVA disse:

    Alguns morreram baleados no meio da multidão como John e Bob Keneddy, Luther King, Muahmar Kadhafi, Salvador Allende, Abraão Lincoln; outros foram envenenados; todos assassinados por uma decisão conspiratória.No Brasil, além dos misteriosos desaparecimentos de João Goulart e Tancredo Neves há também que se considerar(suspeitar) de conspirataria nas mortes de Getúlio Vargas, Ulisses Guimarães, Juscelino Kubitscheck, Wladimir Herzog,Castelo Branco entre tantos outros. Em todos os tempos sempre aconteceram fatos estranhos que deixaram dúvidas sobre a morte e o desaparecimentos de pessoas notáveis do mundo político. O Brasil e a sua engrenagem política apodrecida nos porões da Ditadura não seria uma exceção. Creio na conspirataria acontecida nas mortes de Goulart e Tancredo. Só não creio na autenticidade da investigação. No Brasil, uma coisa que não anda até o fim da estrada é investigação de crime político!

  9. Antonio Castanha disse:

    Tancredo disputava a presidencia com Maluf, um de seus assessores, declarou em um jornal desta Capital:”Tancredo pode ganhar, mas, não vai levar”
    Meu falecido pai, tinha uma casa na Vila Caiçara, Praia Grande, um seu vizinho era policial federal, e na ocasião disse ao meu pai que um colega seu, tanbem federal, foi o responsavel pelo dois tiros que vitimou o Tancredo

  10. Fernando L. Silva disse:

    Jango oferecia reforma agraria , Tancredo democracia, muitos já foram mortos por menos…

  11. Antonio Castanha disse:

    complementando o que escrevi abaixo: Tancredo levou dois tiros quando assistia uma missa em uma igreja lotada, ao seu lado encontrava-se a reporte
    da tv globo Gloria Maria, que depois deste episodio desapareceu por quase um ano da televisão
    ESTÃO LEMBRADOS???????

  12. Evandro Correia disse:

    Tancredo nunca levou tiro algum, de onde será que o colega tirou isso? Tancredo estava visível diariamente para a imprensa até ser internado no hospital para cirurgia do aparelho digestivo.

  13. Antonio Castanha disse:

    Então foi justamente nos intestinos que ele foi baleado, foi dois tiros a queima roupa, segundo o policial federal relatou ao meu pai na ocasião

  14. Roque S. de Souza disse:

    Agora cabe aguardar a resposta das autoridades para os famíliares do ilustre morto.

  15. Antonio Elieser disse:

    A verdade em muitos casos são descartadas e a verdadeira justiça é ignorada, não acredito que descendentes de Tranqdo Neves estejam preocupados com ele, mas com valores que possam render possiveis idenizações.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *