Início » Brasil » Fator Maia
COLUNA ESPLANADA

Fator Maia

Se eleito, Alckmin irá apoiar a recondução de Rodrigo Maia à presidência da Câmara

Fator Maia
Maia jogou a toalha e desistiu da corrida ao Palácio do Planalto (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Está praticamente descartada a indicação de um nome do DEM para ocupar a vaga de vice na chapa presidencial do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB). Segundo caciques do partido, a costura da adesão à campanha do tucano foi selada após a garantia de que, se eleito, Alckmin irá apoiar a recondução do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara. Como já era esperado, Maia – estancado em 1% nas últimas pesquisas – jogou a toalha e desistiu da corrida ao Palácio do Planalto.

Bye, bye

As tratativas do DEM com Alckmin jogam por terra os planos do ex-ministro da Educação, Mendonça Filho (PE), cotado para a vaga de vice antes da formalização do apoio de partidos do chamado “Centrão” à campanha do tucano.

Sem pressa

Durante o ato no qual recebeu o apoio do DEM, PR, PRB, Solidariedade e PP em Brasília, Alckmin se esquivou ao ser indagado sobre a definição do vice: “Não temos pressa”.

Zap

O presidente nacional do PP, Ciro Nogueira (PI), não deu a mínima para o discurso do presidente do DEM , ACM Neto (BA), durante a oficialização da aliança. Preferiu ficar entretido com conversas no celular.

Que Centrão?

Os canais de comunicação do PSDB evitam o termo “Centrão” – grupo de partidos que integraram o time do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. O panfletário tucano fala em “Centro Democrático”.

Contrataque

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait) recebeu com “indignação” as declarações do ministro do Trabalho, Caio Luiz de Almeida Vieira, que, segundo a entidade, tentam colocar em dúvida a atuação da categoria. “Eu vou desmoralizar a auditoria fiscal”, disse o ministro em entrevista recente.

Irregularidades

Presidente da entidade, Carlos Fernando da Silva Filho, reitera que a Fazenda Campestre, de propriedade do ministro, foi fiscalizada em três ocasiões – abril de 2003, setembro de 2006 e agosto de 2009: “Em todas as ações foram constatadas irregularidades, confirmadas em Relatórios de Inspeção do Trabalho e documentadas
em fotografias”.

Carf

Ligado ao Ministério da Fazenda, o Carf (Conselho Administrativo de Recursos Fiscais) voltou à tona – novamente por malfeitos – após a deflagração da nova fase da operação Zelotes que teve como um dos alvos o economista Roberto Gianetti da Fonseca, ligado ao PSDB.

Extinção

Na Câmara e no Senado, estão paralisados projetos que determinam mais transparência nas decisões do órgão. O deputado Luiz Carlos Hauly (PSDB-PR) chegou a propor a extinção do Conselho, mas a proposta (PDC 55/2015) foi rejeitada pela Comissão de Constituição e Justiça. O relator Covatti Filho (PP-RS) votou pela inconstitucionalidade
do texto.

Gás

Os últimos reajustes nos preços do botijão de gás comprometeram e muito o orçamento de consumidores de baixa renda. No Maranhão, o impacto da elevação na renda das famílias foi de 59,0%; Acre (51,5%) e em Sergipe (50,7%).

Salto

Os dados constam em levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), segundo o qual, o valor do botijão de GLP residencial (13 kg) ficou congelado em R$ 13,51 nas refinarias da Petrobras entre janeiro de 2003 e agosto de 2015: “Em julho de 2017, estava em R$ 17,81 e, em dezembro desse mesmo ano, chegou a R$ 24,38, salto de 37%”.

CPIs

Quatro pedidos de instalação de Comissões Parlamentares de Inquérito (CPIs) permanecem esquecidos no Senado e têm poucas chances de prosperarem. Isso porque o Congresso costuma ficar às moscas em semestres de eleições.

Planos de saúde

Entre os requerimentos, já lidos em plenário, estão recomendações de investigações de planos de saúde, privatização do setor elétrico, preços de combustíveis e pagamento de supersalários a servidores públicos.

Imoral

Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, define em uma palavra o uso das chamadas fake news: “Imoral”.

Bom-senso

Fux tem percorrido o país pelo programa Justiça Eleitoral Itinerante. Nesta semana, em Goiás, resumiu: “Não queremos que uma propaganda enganosa possa causar um dano irreversível a um candidato”.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Buckminster disse:

    As últimas esperanças do Brasil são Bolsonaro ou junta militar, o resto é realmente resto, não faz falta alguma! Também há de se mencionar que a estrutura de poderes está falida, câmara, contexto, etc, já mostraram que além de não funcionar são prejudiciais em tudo, são mais de 128 bilhões anuais para alimentar as máquinas das três esferas para produzir marginais, viciados, destruição de famílias entre outras desgraças… Que Deus tenha piedade do povo…

  2. carlos alberto martins disse:

    Deus ter piedade de um povo covarde,que nada faz em beneficio de sí mesmo,estaria ferindo os principios dos dez mandamentos,entre eles,não matarás,não roubaras,entre outros.este é um povo sem principios éticos,morais ou religioso.vamos deixar o SR se ocupar com quem mereça de seu amor e proteção.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *