Início » Brasil » Flávio Bolsonaro lavou até R$ 2,3 milhões, aponta MP
COM IMÓVEIS E LOJA

Flávio Bolsonaro lavou até R$ 2,3 milhões, aponta MP

Promotoria também está investigando a prática de outros crimes, como peculato, ocultação de patrimônio e organização criminosa

Flávio Bolsonaro lavou até R$ 2,3 milhões, aponta MP
Flávio Bolsonaro em sua loja de chocolates da Kopenhagen (Fonte: Reprodução/Instagram)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O senador Flávio Bolsonaro utilizou uma loja de chocolates na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e transações imobiliárias para lavar até R$ 2,3 milhões, segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro.

O MP aponta uso de uma grande quantidade de dinheiro vivo proveniente da prática de “rachadinha” no antigo gabinete de Fávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) quando ele era deputado estadual.

Ainda de acordo com o MP, o esquema de “rachadinha” era operado por Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Tal prática consiste no repasse, por parte de servidores, de parte do seu salário a políticos.

A investigação aponta que a lavagem de dinheiro visava dar ares de legalidade ao dinheiro vivo obtido ilegalmente por meio do esquema de “rachadinha”.

A Promotoria também está investigando a prática de outros crimes, como peculato, ocultação de patrimônio e organização criminosa.

O senador Flávio Bolsonaro nega todas as acusações e criticou o juiz e os promotores responsáveis pelo caso.

Já o presidente Jair Bolsonaro, pai de Flávio Bolsonaro, afirmou que não tem “nada a ver com isso”.

O Ministério Público destaca que “pelo confronto entre os valores creditados na conta corrente da empresa e o real faturamento da loja informado pela administração do shopping, é possível apurar a divergência de valores que corresponde aos recursos de origem ilícita inseridos artificialmente no patrimônio da empresa”. Ainda segundo os promotores, “o uso de uma franquia dentro de um shopping center para lavar dinheiro não foi uma escolha sábia dos envolvidos na ação criminosa”.

O MP também suspeita de lavagem de dinheiro na compra e venda de dois imóveis em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *