Início » Brasil » Flávio Bolsonaro não responde a convite do MP para prestar depoimento
CASO QUEIROZ

Flávio Bolsonaro não responde a convite do MP para prestar depoimento

Convite para depoimento, marcado para a próxima quinta-feira, 10, foi feito em 21 de dezembro

Flávio Bolsonaro não responde a convite do MP para prestar depoimento
Flávio foi chamado a depor sobre o caso envolvendo seu ex-assessor Fabrício Queiroz (Foto: Agência Brasil/ Tânia Rego)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Apesar de ter afirmado que está “à disposição das autoridades” para contribuir com a investigação sobre o ex-assessor Fabrício Queiroz, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) ainda não respondeu ao convite do Ministério Público para prestar depoimento sobre o caso.

Pelo seu cargo de parlamentar, Flávio Bolsonaro pode indicar a data em que deseja ser ouvido, o que também ainda não solicitou, segundo o MP-RJ.

O convite a Flávio foi feito em 21 de dezembro, quando Queiroz faltou, pela segunda vez, ao depoimento marcado pelo MP, alegando problemas de saúde.

Dias após a ausência, Queiroz concedeu uma entrevista à emissora SBT, na qual disse ser um “homem de negócios”, o que explicaria a movimentação em sua conta, classificada como “atípica” pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf).

Queiroz disse que a movimentação em suas contas é referente à compra e venda de veículos usados, mas não explicou por que recebeu tantos depósitos de assessores de Flávio, limitando-se a dizer que só irá esclarecer o assunto ao Ministério Público. Queiroz afirmou que Bolsonaro não tem nenhuma responsabilidade sobre o fato.

A assessoria de Flávio Bolsonaro informou ao jornal Globo que não conseguiu localizá-lo para responder se ele compareceria ao MP-RJ.

De acordo com um relatório do Coaf, foi registrada uma movimentação financeira de R$ 1,2 milhão na conta do ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Queiroz recebeu transferências e depósitos feitos por pelo menos sete funcionários que foram ou estão lotados no gabinete de Flávio na Alerj. A suspeita aponta para desvio de salário de assessores, mas ainda não existem provas contra Flávio Bolsonaro,

Também existe compensação de um cheque de R$ 24 mil pago à primeira-dama, Michelle Bolsonaro, além de saques fracionados em espécie. O presidente Jair Bolsonaro relatou que o cheque é parte do pagamento de uma dívida de R$ 40 mil. Em recente entrevista, dada também ao SBT, Jair Bolsonaro falou sobre o caso.

“[Queiroz] Sempre gozou de toda a minha confiança. E mais de uma vez emprestei dinheiro para ele, como emprestei para outros funcionários. Não vejo nada de mal nisso. E não cobro juros. Ele falou que vendia carros. Eu sei que ele fazia rolo. Mas quem vai ter que responder é ele. […]  O Coaf fala em movimentação atípica, mas isso não quer dizer que seja ilegal, irregular. Pode ser outra coisa. Mas temos que deixar bem claro: não são R$ 1,2 milhão. São R$ 600 mil. Agora, se tiver algo errado, que pague a conta quem cometeu esse erro”, disse o presidente.

 

Leia mais: Ex-assessor de Flávio Bolsonaro diz que é ‘um cara de negócios’
Leia mais: Janaína Paschoal denuncia esquema investigado pelo Coaf

Fontes:
O Globo-Flávio Bolsonaro não responde a convite do MP para prestar depoimento

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *