Início » Brasil » Funaro cita três reuniões com Temer em delação
DELAÇÃO

Funaro cita três reuniões com Temer em delação

Operador financeiro conta que esteve com presidente em base aérea de São Paulo, em comício em Uberaba e em uma reunião na capital paulista

Funaro cita três reuniões com Temer em delação
A delação de Funaro embasou parte do relatório da Polícia Federal (PF) sobre o 'quadrilhão do PMDB da Câmara' (Foto: EBC)

O operador financeiro Lúcio Bolonha Funaro afirmou em acordo de delação premiada que esteve com o presidente Michel Temer em três ocasiões: um encontro na base aérea de São Paulo, outro durante comício em Uberaba (MG) nas eleições municipais de 2012 e uma terceira reunião de apoio à candidatura Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo, também em 2012.

A delação de Funaro embasou parte do relatório da Polícia Federal (PF) sobre o “quadrilhão do PMDB da Câmara” – acusado de receber R$ 350 milhões em propinas – e já foi homolagada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin. O operador, que cumpre pena no presídio da Papuda, em Brasília, afirmou que trabalhou na arrecadação de dinheiro para as campanhas do PMDB em 2010, 2012 e 2014 e estima ter conseguido R$ 100 milhões para o partido e outras siglas coligadas.

Funaro relatou que em dois encontros com Temer – na base aérea de São Paulo e em Uberaba – estava acompanhado do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso em Curitiba. Ele também cita que o diretor do Grupo J&F Ricardo Saud, preso temporariamente neste domingo, 10, também estava presente no encontro em Minas Gerais.

De acordo com o operador, havia um interesse do empresário Joesley Batista, dono do Grupo J&F, também preso no domingo, em órgãos como Receita Federal, CVM, Cade e Bacen por conta dos processos administrativos que o grupo empresarial respondia.

Já a reunião sobre a candidatura de Chalita foi feita na Assembleia de Deus no bairro do Bom Retiro, em São Paulo. Segundo Funaro, estavam no encontro os bispos Manoel Ferreira e Samuel Ferreira.

Em nota, o presidente Michel Temer afirmou que não tem relação pessoal com Lúcio Funaro e que, “se esteve com ele, foi de maneira ocasional e, se o cumprimentou, foi como cumprimenta milhares de pessoas”. Até agora, Temer só havia assumido publicamente um encontro com Funaro na base aérea de São Paulo.

Caixa 2 e propina da Gol

Em seu depoimento, Funaro também acusou Temer, então vice-presidente, de autorizar pagamentos eleitorais para a campanha de Chalita à prefeitura de São Paulo. Segundo o operador, ele presenciou um telefonema de Temer dando aval para a liberação de créditos da Caixa Econômica Federal.

De acordo com a PF, os recursos viriam de um fundo público de investimento e os valores seriam levantados pelo operador financeiro e pelo empresário Henrique Constantino, um dos fundadores da companhia aérea Gol. Em seu relatório, a PF aponta que foram repassados pelo menos R$ 1,55 milhão para a campanha de Chalita por meio de ‘caixa 2’.

Além disso, Funaro também acusou Temer de receber propina de R$ 20 milhões de Constantino em troca de apoio ao projeto de abertura do setor aéreo ao capital estrangeiro. Segundo o jornal O Globo, a suposta propina teria sido paga em horas de voo na campanha eleitoral de 2014.

Fontes:
Estado de S. Paulo-Em delação, Funaro cita três encontros com Temer
Época-Em delação, Funaro diz que Temer recebeu propina de R$ 20 milhões de dono da Gol
Folha de S. Paulo-Temer autorizou caixa 2 a campanha de Chalita por telefone, diz Funaro

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *