Início » Brasil » Furna da Onça: Alerj pode ter de volta deputados presos
IMPUNIDADE?

Furna da Onça: Alerj pode ter de volta deputados presos

Caberá aos próprios deputados estaduais fluminenses decidir se libertam ou mantêm presos três colegas acusados em esquemas de corrupção

Furna da Onça: Alerj pode ter de volta deputados presos
A decisão em plenário de soltar ou manter presos se dará em voto aberto (Foto: Fernando Frazão/ABr)

Na próxima terça-feira, 22, caberá aos próprios deputados estaduais fluminenses decidir se libertam ou mantêm presos três colegas acusados em esquemas de corrupção no âmbito da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. A incômoda e polêmica sessão será consequência de uma determinação da ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia. Em decisão monocrática, no fim de tarde da última quinta-feira, 17, ela definiu que os senhores parlamentares irão a plenário votar se os colegas André Correa (DEM), Luiz Martins (PDT) e Marcus Vinicius Neskau (PTB) devem permanecer presos.

Para quem não sabe ou não se lembra – dado o grande número de políticos presos por corrupção, formação de quadrilha e tantos atentados a artigos do Código Penal -, Correa, Martins e Neskau foram trancafiados por participar de suposto esquema que teria movimentado R$ 54,5 milhões em propinas durante o segundo mandato do ex-governador – e hoje detento – Sérgio Cabral. Os crimes teriam ocorrido entre 2011 e 2014. A operação policial que prendeu os senhores parlamentares – além de outros sete – recebeu o nome de Furna da Onça, um desdobramento da Lava-Jato.

Voto de cada um dos deputados será aberto

A Alerj já foi notificada da decisão da ministra por ofício do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2). Pelos trâmites, deu-se o pontapé inicial ao processo para colocar em votação a decisão sobre a prisão dos parlamentares. Para um mínimo de desconforto daquela Casa – marcada pelo corporativismo e pelo pouco compromisso com princípios éticos -, a decisão em plenário de soltar ou manter presos se dará em voto aberto – fato que pode inibir alguns diante de seus respectivos eleitorados. Mas é grande o risco de despedaçar o trabalho de mais um capítulo desta operação que agora se mancha como praias nordestinas com óleo venezuelano e desmorona como um edifício em Fortaleza.

Com a pompa e circunstância que marcam qualquer rito em assembleias, será formada uma Comissão de Constituição e Justiça, pareceres serão emitidos, projetos de resolução serão redigidos e uma sessão extraordinária decidirá o que muitos temem já ser um jogo de cartas marcadas. Entre os 70 deputados, será necessário o voto de 36 deles – a metade mais um – para soltar a turma da Furna da Onça da prisão preventiva.

Para não ficar mal na foto – o que, convenhamos, é bastante difícil – a ministra Cármen destacou em sua decisão que, em maio deste ano, o plenário do Supremo – “de forma contrária ao voto dela” – já havia apontado que medidas cautelares contra parlamentares devem ser autorizadas pelas casas legislativas. Ministros têm razões que a própria razão desconhece.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Antonio Rodrigues disse:

    Que vergonha para o STF. Desanda a fazer leis quando não pode e, quando pode deixar presos esses bandidos nojentos, lava as mão. Passo a nomeá-la Carmen Lúcia Pilatos. Uma vergonha esse STF. Uma vergonha expressiva. Intervenção já.

  2. jayme endebo disse:

    O Brasil é um desastre como Estado Nacional, está na hora de acabarmos com ele. Anarquia já

  3. Regina disse:

    A Alerj é uma vergonha.

  4. carlos alberto martins disse:

    para finalizar a questão:diz com quem andas e te direi quem és.comprovado está que são todos da mesma escola de quadrilheiros.a nossa justiça(?) é representada pelos 3 macacos,isto é:não vi,não ouvi,não falo.o povo merece como castigo pela mansidão que se calam.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *