Início » Brasil » Gastos com o desastre em Mariana podem chegar a R$ 14 bilhões
DESASTRE EM MINAS

Gastos com o desastre em Mariana podem chegar a R$ 14 bilhões

Valor foi estimado em um levantamento feito por técnicos da Câmara e do Senado

Gastos com o desastre em Mariana podem chegar a R$ 14 bilhões
Situação após o rompimento de duas barragens em Mariana, em Minas Gerais (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

Se os gastos com a recuperação ambiental forem somados às indenizações cobradas pelo rompimento das barragens da Samarco em Mariana, o valor pode ficar entre R$ 10 bilhões e R$ 14 bilhões. É o que diz o relator do Código de Mineração, deputado Leonardo Quintão (PMDB-MG). O levantamento dos valores foi atribuído a técnicos da Câmara e do Senado.

Leia mais: Rompimento de barragens deve afetar ecossistema por anos
Leia mais: Menos de 6% das barragens do país foram vistoriadas entre 2012 e 2014
Leia mais: MP vê ‘negligência’ no rompimento de barragens em MG

A conta não vai fechar se for levado em consideração que o seguro da empresa para o desastre é de apenas US$ 1 bilhão (cerca de R$ 3,8 bilhões), valor bem menor do que o cálculo da assessoria técnica. Como relator do Código de Mineração, Quintão afirmou que vai fazer pressão para que a Samarco e suas controladoras, a Vale e a BHP Billiton, aumentem este valor ainda este ano. A mineradora, por sua vez, disse que “não pode comentar sobre as apólices, em virtude de confidencialidade”.

Porém, o Termo de Compromisso Preliminar (TCP) que a mineradora fechou com o Ministério Público Estadual (MPE) de Minas e o Ministério Público Federal (MPF), na última segunda-feira, 16, prevê gastos de R$ 1 bilhão.

O Código de Mineração

Apesar do Código de Mineração estar pronto desde 2013 para ser votado pelo Congresso Nacional, o deputado diz que o texto deve sofrer algumas modificações por conta da tragédia em Mariana. “Vamos acrescentar a obrigação de haver um seguro de dano, que vai além do seguro ambiental.”

Segundo o jornal O Estado de S.Paulo, Quintão adiantou que o Código também deve tentar mudar o tratamento dos rejeitos de minério de ferro para implantar o beneficiamento a seco, que dispensa o uso de água. Logo, os rejeitos passariam a ser empilhados, acabando com a necessidade de barragens.

Fontes:
Estado de S.Paulo-Desastre em Mariana (MG) custará até 14 bilhões, dizem técnicos
Brasil 247-Desastre em Mariana pode custar até R$ 14 bi
Zero Hora-Seguro da Samarco não é suficiente para pagar indenizações, diz deputado

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Moacyr Simioni Filho disse:

    E a mídia televisiva nacional- com exceção do sempre brilhante Ricardo Boechat- alardeou que as (i)responsáveis empresas de mineração envolvidas nesse ultraje e crime ambiental resolveram- e o que é mais assombroso, com o beneplácito do Ministério Público- ao que consta-destinar 1 bilhão para tanto……

  2. INÁCIO ANTONIO SOARES NETO disse:

    Quando vimos esta cena do desastre do Rio Doce, imaginamos que ele já não existe mais vida em proporção a 100%, mais temos que ter em mente, que as fonte principal para a vida retornar a longo prazo é a conserva de muitas e muitas nascentes que a cada dia vem sendo reduzidas por uma enorme degradação por conta de uma falta de investimento e atenção especial aos pequenos agricultores que também já vem com problema com água potável. O certo é que falta politica voltada para este setor tão importante. Não basta só entregar o produtor o arame para cerca-las. Na minha querida Comarca de Águas Formosas, Cidade localizada no Vale do Mucuri tinha 3800(três mil e oitocentas) nascentes catalogadas, hoje não ha três mil,e la que nasce o rio Alcobaça, rio Papam, rio Água quente, rio São Miguel, e rio Mucuri, e todos estão sendo arrasados por conta deste descaso Politico dos Governos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *