Início » Brasil » Geddel vira réu em ação de improbidade administrativa
MPF

Geddel vira réu em ação de improbidade administrativa

Ex-ministro vai responder por ter usado seu posto de ministro em 2016 para pressionar por um parecer favorável a uma obra de seu interesse em Salvador

Geddel vira réu em ação de improbidade administrativa
Ação contra Geddel foi proposta pelo Ministério Público Federal no Distrito Federal (Foto: ABr)

O ex-ministro Geddel Vieira Lima se tornou nesta terça-feira, 10, réu em ação civil pública por ato de improbidade administrativa apresentada pelo Ministério Público Federal no Distrito Federal (MPF/DF).

A ação remete à polêmica entre Geddel e o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, que em 2016 pediu demissão do cargo após revelar ter sido pressionado por Geddel, quando este era ministro da Secretaria de Governo da Presidência, para obter um parecer favorável a uma obra de interesse de Geddel em Salvador.

O empreendimento em questão era a construção do condomínio de luxo La Vue na capital baiana, no qual Geddel e seus familiares adquiriram unidades. O condomínio seria erguido na Ladeira da Barra, uma das áreas mais nobres da capital baiana.

Porém, as obras foram embargadas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão subordinado ao Ministério da Cultura. O embargo se deu porque o projeto do condomínio previa a construção de 30 andares, quando poderia ter apenas 13 andares. O limite foi traçado pelo Iphan para não afetar monumentos tombados que ficam na região, como o Forte de São Diogo e a Igreja de Santo Antônio da Barra. A unidade adquirida por Geddel ficaria no 23º andar.

Segundo o autor da ação civil pública do MPF/DF, o procurador da República Ivan Marx, ao usar seu cargo de ministro para pressionar um colega para atender interesse pessoal e particular, Geddel violou os princípios da honestidade, da moralidade, da imparcialidade, da legalidade e da lealdade às instituições.

Geddel está preso na Penitenciária da Papuda, em Brasília, desde setembro do ano passado. Ele foi preso preventivamente no âmbito da Operação Cui Bono, que revelou a existência de um bunker de Geddel com R$ 51 milhões em malas em um imóvel em Salvador. A apreensão da quantia foi a maior da história do Brasil. A prisão preventiva de Geddel foi determinada pelo STF, que aceitou a denúncia contra Geddel por lavagem de dinheiro e associação criminosa.

 

Leia também: Familiares de Geddel representam prédio em ação contra o Iphan

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Aureo Ramos de Souza disse:

    Pela construção para ser favorecido isto é coisa simples que se pode pedir a qualquer amigo, mas R$ 51 milhões não é mole, tem que ser cadeia mesmo.Vai Geddel para o quadrado da Papuda.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *