Início » Brasil » Geddel vira réu em caso de ‘bunker’ com R$ 51 milhões
STF

Geddel vira réu em caso de ‘bunker’ com R$ 51 milhões

Segunda Turma do STF aceitou, por unanimidade, a denúncia contra o ex-ministro por lavagem de dinheiro e associação criminosa

Geddel vira réu em caso de ‘bunker’ com R$ 51 milhões
Irmão e mãe de Geddel também se tornaram réus no processo (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou, de forma unânime, a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-ministro Geddel Vieira Lima e o tornou réu no caso do ‘bunker” com R$ 51 milhões. A decisão do STF foi tomada na última terça-feira, 8.

Agora, Geddel vai responder uma ação penal por lavagem de dinheiro e associação criminosa. O deputado federal Lúcio Vieira Lima, irmão do ex-ministro, e Marluce Vieira Lima, mãe de Geddel, também se tornaram réus no processo. Ademais, Job Ribeiro Brandão, ex-assessor de Lúcio, e Luiz Fernando Costa Filho, sócio da empresa Cosbat, também viraram réus.

A denúncia foi aceita por 5 votos a 0, pelos ministros Edson Fachin, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello, que compõem a Segunda Turma do tribunal. Além disso, os ministros também votaram por manter Geddel preso. O ex-ministro está na cadeia desde setembro de 2017, quando foi descoberto o apartamento com o dinheiro, em Salvador.

Para Edson Fachin, relator do caso no STF, há indícios suficientes para que a denúncia fosse aceita pelo tribunal. No entanto, o ministro destaca que, ao longo do processo, a defesa pode apresentar provas que demonstrem a inocência dos acusados, além de chamar testemunhas para depor.

“Na hipótese, embora o momento processual não permita o exame verticalizado dos fatos, é possível inferir que a ocultação vultosa de quantia de dinheiro em espécie e em endereço diverso do dos denunciados revela-se conduta autônoma apta a afetar o bem jurídico tutelar para norma penal em apreço”, explicou Fachin, conforme noticiou o portal G1.

A denúncia da PGR aponta que o dinheiro teria origem em propinas repassadas pelo operador financeiro da Odebrecht Lúcio Funaro e em desvios políticos do MDB. Empresas estatais como a Caixa Econômica Federal, Furnas e Petrobras foram as principais prejudicadas.

“Se esses crimes são ou não verdadeiros, a investigação dirá, mas são fortes os indícios da prática desses crimes, tanto que foi encontrado o fato inédito no Brasil e talvez no mundo R$ 51 milhões em dinheiro vivo acumulados durante anos e anos de recebimento de vantagem indevida”, apontou a subpreocuradora-geral Cláudia Sampaio. A apreensão dos R$ 51 milhões foi a maior da história do Brasil.

O advogado da família Vieira Lima, Gamil Foppel, negou, mais uma vez, as acusações, afirmando que o dinheiro no apartamento era fruto de investimentos no mercado imobiliário. Além disso, Foppel criticou o fato de Marluce, mãe os Vieira Lima, ter se tornado ré no caso, afirmando que a senhora octogenária não foi citada nominalmente na denúncia da PGR.

“A denúncia não descreve atos de corrupção e não descreve atos de peculato. É insustentável se falar em associação criminosa sem que se descrevam os crimes”, afirmou o advogado.

Já o advogado Felipe Freire de Mendonça, defensor de Job Brandão, destacou a vida simples que o acusado leva para apontar sua inocência. Segundo Mendonça, Job “é um denunciado em um suposto esquema de corrupção que apurou desvio de ordem milionário, que sequer possui um mísero carro popular”.

 

Leia também: Geddel quer falar
Leia também: ‘Fui condenado à morte civil’, diz Geddel

Fontes:
DW-Geddel vira réu em caso de bunker com R$ 51 milhões
G1-Após aceitar denúncia, STF mantém prisão do ex-ministro Geddel Vieira Lima

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. carlos alberto martins disse:

    se ele fosse inocente como declara seus defensores.o dinheiro estaria em um banco.com certeza seus advogados vão fazer de tudo para provar a inocencia do mesmo.fica aqui uma pergunta:será que esses valores estão assentados em sua declaração de imposto de renda?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *