Início » Brasil » Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto
DECISÃO DO STF

Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto

Ex-diretor da Dersa é apontado como operador de propinas do PSDB e estava preso desde o início de abril

Gilmar Mendes manda soltar Paulo Preto
Preto foi preso pela PF suspeito por ter desviado R$ 7,7 milhões da obra do Rodoanel Sul (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

Preso desde 6 de abril deste ano, Paulo Vieira de Souza, mais conhecido como Paulo Preto, ex-diretor de Engenharia da Dersa, foi solto por decisão do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

A decisão de Gilmar Mendes ocorreu na última sexta-feira, 11, poucos dias após a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negar o pedido de habeas corpus que o ministro do STF acatou. Para Mendes, a prisão preventiva de Paulo Preto não tinha fundamentos legais.

O ex-diretor de Engenharia da Dersa foi preso pela Polícia Federal suspeito por ter desviado R$ 7,7 milhões da obra do Rodoanel Sul, em São Paulo. Preto, que é visto pelas investigações como um operador de propinas do PSDB em São Paulo, esteve atuando na Dersa entre 2005 e 2010, quando foi demitido pelo governador Alberto Goldman, que assumiu o governo de São Paulo quando José Serra deixou o cargo para disputar a presidência.

O Ministério Público Federal (MPF) havia solicitado a prisão de Paulo Preto em abril quando Mércia Ferreira Gomes, ex-funcionária da Dersa que firmou delação premiada com a Justiça e denunciou o esquema na empresa, foi ameaçada na rua. Segundo a acusação, um homem a mando de Preto teria dito que Mércia era o “arquivo vivo” da Dersa, e que deveria ter cuidado “para não ser o arquivo morto”.

Gilmar Mendes, no entanto, não viu motivos para que a prisão de Preto fosse mantida, visto que a única prova da ameaça seriam as palavras de Mércia. De acordo com o ministro do STF, por conta da “comprovação do ocorrido não ser sólida, não há indício da autoria das ameaças por parte do paciente [Paulo Preto]”.

Outras acusações

Além da acusação de ter desviado R$ 7,7 milhões, Paulo Preto também é apontado como o receptor de R$ 173 milhões em propinas relativas a obras da Prefeitura de São Paulo, entre 2008 e 2011.

Segundo informações da Folha de São Paulo, baseadas em um comunicado divulgado pelo Ministério Público da Confederação Suíça, Paulo Preto também teria feito uma série de depósitos milionários em contas suíças durante a gestão de José Serra no governo de São Paulo. Segundo o documento, Paulo Preto abriu quatro contas no banco Bordier & Cie, em Genebra, em 24 de maio de 2007, totalizando cerca de R$ 121 milhões.

Na época, ele decidiu transferir o dinheiro para as Bahamas, pois passou a ser investigado por órgãos suíços que combatem lavagem de dinheiro no país.

Em 2010, Paulo Preto já havia sido preso em uma joalheria no Shopping Iguatemi, em São Paulo, por receptação de mercadoria roubada. O ex-diretor da Dersa estava em posse de um bracelete de brilhantes da marca Gucci orçado em R$ 20 mil. A joia tinha sido roubada da mesma loja no mês anterior, por isso, o gerente acionou a polícia, fazendo com que Preto fosse preso em flagrante.

No entanto, Paulo Preto afirmou que estava sendo vítima de uma armação e foi solto no dia seguinte, respondendo o processo em liberdade. Além do bracelete, Preto ainda estava com mais de R$ 11 mil em dinheiro vivo.

Fontes:
Congresso em Foco-Gilmar manda soltar Paulo Preto, ex-diretor da Dersa apontado como operador do PSDB em SP

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Ivone disse:

    LASTIMÁVEL…
    Novamente os tucanos paulistas livre, leves e soltos….

  2. Áureo Ramos de souza disse:

    Então Gilmar Mendes está ganhando algo nestas solturas de meliantes acusados e provados. Que é isso Gilmar, deixa os ladrões lá ou estais fazendo o que os brasileiros pensam.

  3. carlos alberto martins disse:

    JESUS teve JUDAS,o BRASIL tem GILMAR MENDES.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *