Início » Brasil » Governador do Rio mente no currículo sobre Harvard
CURRÍCULO LATTES

Governador do Rio mente no currículo sobre Harvard

Após mentir sobre ter estudado em Harvard, Wilson Witzel admite o erro e diz que colocou o nome da instituição no currículo porque tinha intenção de estudar lá

Governador do Rio mente no currículo sobre Harvard
Segundo o currículo, Witzel teria cursado Harvard em 2015 (Foto: Foto: Philippe Lima/Governo do Rio)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSL), mentiu no currículo sobre ter estudado na Universidade de Harvard, nos EUA, uma das mais prestigiadas do mundo. A informação foi revelada nesta quarta-feira, 22, pelo jornal Globo e confirmada pelo governador.

Witzel prometeu corrigir o currículo o mais breve possível. Segundo o governador, Harvard estava inclusa porque ele tinha a intenção de fazer parte do doutorado, pelo qual é matriculado na Universidade Federal Fluminense (UFF), na instituição americana. No entanto, os planos não avançaram.

Segundo o currículo do governador, que não é atualizado desde abril de 2016, Witzel fez, em 2015, um “período sanduíche” em Harvard. A prática ocorre quando o estudante faz parte do doutorado em uma universidade brasileira e parte em uma instituição de ensino internacional.

Foto: Reprodução/CNPQ

O governador é aluno, desde 2015, de doutorado da UFF, no qual estuda “judicialização da política”. Witzel tem até o fim de agosto deste ano para defender a tese na UFF. Caso não faça a defesa, o governador será jubilado da instituição. Estudantes da UFF têm até quatro anos, podendo ser estendido por mais 180 dias, para concluir a graduação.

Mestre em Direito Processual Civil pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Witzel conta com outras cinco formações de acordo com o seu currículo. Entre elas uma especialização em direito empresarial, pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), e uma especialização em docência superior, pela Faculdade Bethencourt da Silva (Fabes).

Casos semelhantes

O episódio de Witzel, que ganhou as redes sociais nesta quarta-feira, relembra o caso da professora Joana D’Arc Félix de Sousa. De acordo com o currículo da professora, ela teria feito pós-doutorado, entre os anos de 1997 e 1999, em Harvard. No entanto, a informação foi desmentida pela universidade.

Outro caso parecido foi da ministra Damares Alves, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Damares se apresenta como advogada e mestre em Educação e em “em Direito Constitucional e direito da família”. No entanto, a ministra não conta com nenhuma das formações. Questionada, ela afirmou que os títulos que detém não são acadêmicos, mas sim bíblicos.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Luiz Fernando Goncalves Pacheco disse:

    Está muito difícil achar gente honesta na PÁTRIA AMADA E IDOLATRADA SALVE SALVE !!!!!!!

  2. André Vinícius Vieites disse:

    Bom, nessa questão temos uma enorme diferença das interpretações ainda em virtude das escolhas de vida e suas constatações mais determinantes; As assimilações de contexto duradouro, não se destinam somente ao elegante e descendente de fina classe, só por outras contradições e visões estamos contemplando esse momento. Mas nada adiantava para Arch, normalmente era insatisfeito, estava sempre cansado e depressivo, estava sempre achando que o resultado das suas escolhas não reativavam sua essência, que nada adiantaria o final dos ciclos de investimentos resultavam na mesma ordem de resultados. Arch podia entender de economia de negócios diversos, economia familiar, porém não entendia nada de Seres Humanos. Bom seres acertantes ou errantes, isso ele não saberia distinguir. Ninguém imagina mais estamos rodados de incertezas sempre. Não se corresponde as experiências, mas sim as apostas fundamentais em incertezas. É como estar dentro de um ciclo de respostas onde você vencerá bem do meio para o final, mesmo que fazendo o melhor possível, viria a tal idéia do lobo solitário e depois de várias semanas de hibernação conseguimos achar um limite em vários locais e desse ambiente podemos refletir sobre o tempo, pessoas e finalmente contradições.
    Jon voltara no tempo e pensava em exibir um grande peixe que apanhara. Ele e Millie se acomodaram em frente a lareira para beber um litro de Bourbon, direto da garrafa e comer um quilo de mashmallows, esses não se mostravam comedidos e dali a pouco estavam risonhos como se o tempo parasse, descobrem que ao passar de seis horas estão famintos e apressadamente pegaram lenha para uma fogueira. Enterram o peixe perto das brasas e começam a comer cogumelos e se lembrar de coisas da infância. Depois de tantas risadas e de muitas besteiras ditas começam a se preocupar em devorar o peixe e estão relativamente calmos e sonolentos. Bem Minivich se lembra das situações antes de traumas e coisas ruins que assistiu na infância, às vezes ela era como um anjo, vezes como um demônio…Minivich se definiria um ser imaginável e invisível, algo como oportuno de estar em lugares ruins e sujos, e com pessoas que não apreciariam o por do sol, por elas pensarem apenas como vampiros em suas cavernas, e pessoas que vivem como noturnas e durante o dia são improdutivas em todos os sentidos. Você conseguiu achar alguma semelhança com Carrington, pois bem nenhuma, visto que um era voraz e apaixonado por artes e música – e a Minivich era detalhista da maneira e da visão de mundo daquilo que pertenceria a coisas mínimas e de descrições literárias, e algumas histórias que aconteceram no seu pequenino mundo mesmo.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *