Início » Brasil » Governo bloqueia bolsas de mestrado e doutorado
BOLSAS DE PESQUISA

Governo bloqueia bolsas de mestrado e doutorado

Bloqueio foi feito de forma generalizada e atinge quatro programas de fomento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes)

Governo bloqueia bolsas de mestrado e doutorado
Bloqueio impossibilita a concessão de bolsas que já estavam previstas para este ano (Foto: Divulgação/Capes)

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) bloqueou bolsas de mestrado e doutorado oferecidas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Segundo apurou o jornal Folha de S. Paulo, o bloqueio foi feito de forma generalizada, afetando tanto áreas de humanas quanto de ciências. O bloqueio mirou bolsas que seriam concedidas a estudantes que apresentaram trabalhos recentemente e foram aprovados em processos seletivos concluídos ou em andamento.

Segundo a Circular nº 1/2019-GAB/PR/CAPES, enviada a Pró-Reitores de Pós-Graduação, o corte atinge quatro programas de fomento da Capes: Programa de Demanda Social (DS); Programa de Excelência Acadêmica (PROEX); Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições Comunitárias de Ensino Superior (PROSUC); Programa de Suporte à Pós-Graduação de Instituições de Ensino Particulares (PROSUP); e Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES).

Com a decisão, fica impossibilitada a concessão de bolsas que já tinham verba liberada e já estavam previstas para 2019. O corte, no entanto, não atinge bolsistas cujo mestrado e doutorado estão em andamento.

As bolsas pagam mensalmente R$ 1,5 mil para estudantes de mestrado e R$ 2,2 mil para estudantes de doutorado. A verba é revertida em produção de conhecimento essencial para o desenvolvimento de pesquisas científicas.

Segundo o portal G1, além do corte generalizado, está prevista a redução gradual da concessão de novas bolsas para todos os cursos que se mantêm com nota 3 – a mínima exigida para a permanência no sistema de pós-graduação da Capes; e a suspensão do programa Idioma sem Fronteiras, originado no Ciência sem Fronteiras.

O bloqueio na concessão de bolsas vem na esteira do corte de repasses destinados a universidades e institutos federais, anunciado pelo governo na semana passada.

O corte de repasses gerou alerta no meio acadêmico e desencadeou protestos contra medida.

Na tarde da última quarta-feira, 8, alunos e professores da Universidade Federal Fluminense (UFF) fizeram um ato contra o corte nos repasses. Intitulada “Eu defendo a UFF”, a manifestação, iniciada no fim da tarde, reuniu milhares de pessoas e seguiu do campus do Gragoatá até o Terminal de Barcas de Niterói.

Reprodução: Facebook)
Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. helene salim disse:

    ANALFABETISMO MATEMÁTICO FOI LONGE DEMAIS NO BRASIL

    Hoje é um dia especial. Dia 3 de maio deveria ser o Dia Nacional do Analfabetismo Matemático.

    Neste dia de hoje, todos os sites de jornais, professores, mestres, doutores, políticos e até reitores estão noticiando que o governo federal cortou 36% da verba do Colegio Pedro II – um dos melhores e mais tradicionais do Rio de Janeiro.

    Um corte de R$ 18,5 milhões que seria – repita-se – 36% da verba desta rede de colégios com anunciados 13 mil alunos.

    Com isso, diziam as notícias, o Pedro II só teria verba para funcionar até agosto.

    Será?

    Só de ver a notícia me doeu no cérebro.

    Se R$ 18,5 milhões equivalem a 36% da verba orçamentária do colégio, então o orçamento anual do Pedro II seria de R$ 51,3 milhões.

    Com 13 mil alunos, o custo anual por aluno seria de R$ 4 mil ou aproximadamente R$ 333,00 por mês.

    Claro que não é só isto neste colégio federal.

    Então as contas não fecham.

    Uma rápida pesquisa na internet mostra que o orçamento de 2019 para o Colégio Pedro II não é de R$ 51,3 milhões.

    É de quase R$ 700 milhões (R$ 698,7 milhões).

    O custo anual por aluno é de R$ 53,8 mil, que dá um custo mensal de R$ 4,5 mil por aluno.

    Neste caso, o corte de 18,5 milhões sobre R$ 700 milhões não dá 36% de corte na verba orçamentária para o colégio.

    Dá apenas 2,6%.

    Os 36% de corte são na verdade 2,6%.

    O que obviamente não impediria o colégio de funcionar nem até agosto e nem até o final do ano.

    Fizeram uma grande confusão.

    O corte de 36% é apenas na verba de “custeio” do colégio, que é mínima. Custeio são gastos com viagens, diárias, assistência estudantil etc.

    Nada a ver com a verba total do colégio.

    Enquanto a verba total (como foi dito) é de R$ 700 milhões, o custeio é de R$ 51 milhões, sendo o corte de 36% do custeio equivalente a R$ 18,5 milhões ou 2,6% do orçamento total, como foi dito também.

    Somos um país com uma legião de analfabetos matemáticos do ensino fundamental ao doutorado.

    Triste dia.

    Abaixo, o site do Portal Transparência com os dados orçamentários do Colégio Pedro II.

    http://www.portaltransparencia.gov.br/orgaos/26201-colegio-pedro-ii

  2. Da Redação disse:

    Cara, Helene

    Agradecemos sua participação no Opinião e Notícia. Contudo, ressaltamos que não foi mencionado, em qualquer lugar desta matéria, um corte de 36% no orçamento do Pedro II, embora o colégio tenha sido citado como um dos afetados pelo bloqueio nos repasses em duas matérias anteriores.

    Tampouco foi afirmado que o colégio teria verba para funcionar apenas até agosto. Na realidade, esse é um cálculo de outra instituição federal, o IFRJ. Este sim, também em uma matéria anterior, em nota hiperlinkada no texto, expôs a situação do instituto, com base em análise interna, na qual informa:

    “A redução do orçamento impacta diretamente na capacitação de servidores, recursos para novas reformas, novas obras e impacta no funcionamento do IFRJ. Se escalonarmos o recurso total, nos faz perceber que teremos recursos para manter o IFRJ apenas até o mês de agosto de 2019. Em outras palavras, o corte, afeta diretamente as ações de ensino, pesquisa e extensão em andamento, impactando diretamente a vida dos nossos servidores e estudantes”.

    Segue abaixo o link da nota na íntegra, divulgado nas redes sociais do instituto.

    https://www.facebook.com/ifrj.oficial/photos/a.803272503049702/2317021395008131/?type=3&theater

    Atenciosamente,

    Equipe de jornalismo

    Opinião e Notícia

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *