Início » Brasil » Governo mantém vigília terceirizada da fronteira e aeroportos
Coluna Esplanada

Governo mantém vigília terceirizada da fronteira e aeroportos

O Governo mantém há anos funcionários terceirizados no controle imigratório dos portos, aeroportos e fronteiras do País

Governo mantém vigília terceirizada da fronteira e aeroportos
Controle de imigração (Fonte: Reprodução/Isto É)

A presidente Dilma e os ministros do Palácio caem em contradição ao se manifestarem contra a terceirização para atividades fins. O Governo mantém há anos funcionários terceirizados no controle imigratório dos portos, aeroportos e fronteiras do País. Em 2012 o Acórdão 1449 do TCU determinou que a Polícia Federal regularizasse a situação, contratando servidores. Desde então, o caso virou uma novela: a PF solicitou a criação de 2.255 cargos de agente administrativo para as atividades, mas o Ministério do Planejamento arquivou o pedido em 19 de fevereiro deste ano, por falta de recursos, conforme documento de posse da Coluna.

Soberania

O controle imigratório é atividade de risco e de suma importância para soberania nacional. Os governadores sempre criticam que armas e drogas entram pelas fronteiras.

Jeitinho na Copa

‘A demanda era para a Copa, e a PF deu jeitinho. Tiramos servidores administrativos de outras aéreas e descolamos para os aeroportos’, reclama Marcos Leôncio, da ADPF.

Na reserva

A PF solicitou nomeação do cadastro de reserva do último concurso. Mas depende novamente do Planejamento. São 550 cargos de engenheiros, psicólogo, médico etc.

Fuga em massa

A tucanada bateu asas para os Estados Unidos para o festival de bajulação hoje em Nova York com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que será homenageado como Homem do Ano em evento do ex-presidente americano Bill Clinton. Os senadores Aécio Neves (MG), José Serra (SP) e Tasso Jereissati (CE) são alguns presentes.

Precavido

A debandada tucana para os EUA seria maior não fosse um puxão de orelhas dos líderes na Câmara e Senado para a sabatina do jurista Luiz Fachin, indicado pela presidente Dilma para o STF. O senador Aloysio Nunes já preparava as malas, mas sensato ficou.

Dois lados

Quem defende o jurista Fachin, que aparece no Senado hoje na mais esperada das sabatinas (pelo risco que se encontra), diz que é injusto ele ser tachado de petista. Lembram que é mais aliado de Alvaro Dias (PSDB) do que da presidente Dilma. E que leu manifesto pela eleição de Dilma, na USP, porque ninguém teve coragem.

Ficou igual

O PSDB vai aumentar a bancada. O tucano Dalírio Beber é o suplente do senador falecido Luiz Henrique. Mas a oposição não cresce. Henrique já não votava com Dilma.

Fecha a porta, S. Pedro!

O Senado nunca perdeu tantos nomes em tão poucos anos. De 2010 para cá foram Romeu Tuma, Eliseu Resende e agora Luiz Henrique. Além do ex-senador José Alencar.

Tão longe, tão perto

A perseguição aos cristãos por radicais islâmicos (por ora lá no exterior) será tema de audiência pública na quinta na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara. O deputado Antônio Jácome chamou especialistas (de pacificação).

A reforma ambiental

A ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, resolveu fazer uma reforma administrativa. Está trocando a maioria dos diretores e presidentes de departamentos, autarquias e órgãos ligados a ela.

Tititi…

… no Itamaraty ontem com a nota divulgada aqui sobre o racha velado na oposição venezuelana, pela indicação do futuro concorrente contra Nicolás Maduro: será Antonio Ledezma ou Leopoldo Lópes? As primeiras-damas se dão bem, mas na eleição, vírgula…

Intensivão 2.0

Os deputados do PSDB voltam a se reunir no Instituto Israel Pinheiro para a 2ª oficina do Planejamento Estratégico, comandada pelo federal Vitor Lippi (SP). A turma quer se aproximar das classes B e C e planejar ações para os próximos três anos.

Qual é a música?

O deputado federal e cantor Sérgio Reis (PRB-SP) solta a voz à capela hoje no plenário da Câmara, em sessão solene sobre o Dia da Voz. Qual é a música? Mistério.

Tá feia a coisa

A crise na economia é tão séria que as empresas que fecharam suas metas em abril para os próximos 12 meses falam em ‘economizar tanto’, não mais ‘faturar quanto’.

Ponto Final

Críticas, sugestões, denúncias: envie-nos e-mail para reportagem@colunaesplanada.com.br

Com Equipe DF, SP e Nordeste

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Ao ser fiscalizado em uma fronteira, é válido pedir que o “fiscal” se identifique?
    Ganhariam, eles, comissões por multas cobradas?
    Como saber se o fiscal é quente ou apenas um terceirizado, sem poder de polícia?

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *