Início » Brasil » Governo sacará R$ 3,5 bi do Fundo Soberano para cumprir meta fiscal
Superávit Primário

Governo sacará R$ 3,5 bi do Fundo Soberano para cumprir meta fiscal

Assim como em 2013, o governo está buscando formas diferenciadas de obter receita para cumprir a meta fiscal do superávit primário

Governo sacará R$ 3,5 bi do Fundo Soberano para cumprir meta fiscal
O superávit primário representa as reservas usadas para o pagamento dos juros da dívida pública (Reprodução/Folha Paulistana)

A meta do superávit primário deste ano, fixada em R$ 99 bilhões para o setor público, somente será cumprida com um saque do governo de R$ 3,5 bilhões do Fundo Soberano. O superávit primário representa as reservas usadas para o pagamento dos juros da dívida pública.

Conforme o relatório de receitas e despesas do quarto bimestre de 2014, divulgado pelo Ministério do Planejamento nesta segunda-feira, 22, o governo espera receber R$ 1,5 bilhão a mais em dividendos de empresas estatais e resgatará R$ 3,5 bilhões do Fundo Soberano, guardado desde 2008, quando houve excesso do superávit.

Segundo o relatório, “essa medida de política econômica visa a atenuação dos efeitos conjunturais de redução da arrecadação federal”. Além disso, tem como objetivo “mitigar os efeitos do atual quadro econômico, caracterizado por uma perspectiva de crescimento mais baixo nesse ano”.

Assim como em 2013, o governo está buscando formas diferenciadas de obter receita para cumprir a meta fiscal. No ano passado, a estratégia foi a reabertura do Refis, programa de parcelamento de dívidas de empresas com o governo,  além do recebimento de valores de concessões.

Algumas despesas também foram cortadas, como a Conta de Desenvolvimento Energético (CDE) deste ano, que caiu de R$ 13 bilhões para R$ 9 bilhões. Também foi reduzida a estimativa de pagamento de pessoal e encargos em R$ 2,2 bilhões e recuou em R$ 3 bilhões gastos com subsídios e subvenções econômicas.

Fontes:
G1 - Governo manobra para tentar cumprir meta fiscal de 2014

1 Opinião

  1. Joma Bastos disse:

    Reforma Fiscal já!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *