Início » Brasil » Greve dos caminhoneiros é apoiada por 87% dos brasileiros
PESQUISA DATAFOLHA

Greve dos caminhoneiros é apoiada por 87% dos brasileiros

Pesquisa Datafolha revelou que apenas 10% dos entrevistados são contra a paralisação

Greve dos caminhoneiros é apoiada por 87% dos brasileiros
Além disso, 56% dos entrevistados defenderam a continuação da greve (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Uma pesquisa Datafolha revelou que 87% dos brasileiros entrevistados apoiam a greve dos caminhoneiros, que começou no dia 21 de maio e completa dez dias nesta quarta-feira, 30.

A pesquisa, feita por telefone na última terça-feira, 29, contou com a participação de 1.500 pessoas. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos.

Apenas 10% dos entrevistados afirmaram que são contra a paralisação. Outros 2% disseram que são indiferentes ao movimento e 1% não soube responder.

Além disso, 56% dos entrevistados defenderam a continuação da greve, enquanto 42% são a favor do seu fim.

De acordo com a pesquisa, o apoio à greve é bastante homogêneo, e diminui um pouco entre os mais ricos e os mais velhos.

O levantamento mostrou ainda que metade da população teve sua rotina afetada pela paralisação, com 51% deixando de sair ou viajar por conta do protesto dos caminhoneiros.

A pesquisa revelou também que 58% dos entrevistados acham que as medidas anunciadas pelo governo para acabar com a greve trazem mais prejuízos do que benefícios para os brasileiros em geral, enquanto 33% acreditam que as medidas trazem mais benefícios do que prejuízos. Outros 2% afirmaram que as medidas não trazem nem benefícios nem prejuízos e 5% não souberam responder.

A condução da negociação por parte do governo do presidente Michel Temer é aprovada por apenas 6% dos entrevistados, contra 77% que a desaprovam. Já 16% disseram que a conduta foi regular e 2% não souberam responder.

Um total de 96% dos entrevistados afirmaram que Temer demorou para negociar com os caminhoneiros.

Fontes:
Folha de S.Paulo - Apoio à paralisação é de 87% dos brasileiros, diz Datafolha

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Carlos U Pozzobon disse:

    Vamos debulhar esta pesquisa: “87% dos brasileiros entrevistados apoiam a greve dos caminhoneiros”, mas “51% deixando de sair ou viajar por conta do protesto dos caminhoneiros”. Ou seja, aqueles que iam viajar não se importam de terem seus programas frustrados pelo movimento grevista. OU eram viagens de mentirinha, ou tem alguma coisa errada no mundo subjetivo dos brasileiros, pois apoiam aqueles que impedem suas liberdades. Isto pode ser explicado da seguinte forma: as pessoas acreditaram que uma paralisação traria medidas positivas para toda a sociedade, quando, na prática, serviu apenas para prejudicar o bem estar das pessoas e a saúde da economia. Bilhões foram para o ralo com esta atitude insana de querer derrubar um governo por causa da corrupção na Petrobras. Alguém deveria tê-los avisado que governo sempre vamos ter. Mas a Petrobras é perfeitamente dispensável. Como até agora nenhum ex-presidente da estatal foi incriminado na Lava Jato, tudo indica que o “eu não sabia” funciona muito bem em nosso ordenamento jurídico. Tão bem que não ocorreu a ninguém nenhuma medida contra a estatal, que segue impávida em sua pilhagem do país.

    Embora o índice de 87% seja suspeito, pois se parece com o índice de popularidade de Lula pré-carceragem, que nas urnas era pouco mais de 50%, tudo indica que alguma coisa está errada na própria pesquisa. No ponto seguinte da pesquisa, 58% acham que as medidas do governo trazem mais prejuízo do que benefício, enquanto 33% acham que trazem benefícios. Assim, ficamos sabendo que aqueles que apoiam a greve são também os que acham que ela trouxe mais prejuízos. Em outras palavras, parte dos entrevistados acham bom ser prejudicados. Esta é a Tralha de São Paulo, preparando os candidatos presidenciais a virem defender a paralisação porque é onde estão os votos. Já se sabe como vai funcionar o politicamente correto depois desta tragédia.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *