Início » Brasil » Gurgel diz que foi alvo de tentativas de intimidação e constrangimento
Mensalão

Gurgel diz que foi alvo de tentativas de intimidação e constrangimento

Procurador-geral da República responsável pelo caso afirma que sofreu pressão enquanto preparava as alegações finais da acusação para o julgamento

Gurgel diz que foi alvo de tentativas de intimidação e constrangimento
O procurador Roberto Gurgel pediu a condenação de 36 dos 38 réus no STF (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, disse na última sexta-feira, 3, que foi vítima de todo o tipo de pressão enquanto preparava as alegações finais do caso mensalão. Apesar de não informar quem o pressionou, disse que houve tentativa de constrangimento. Gurgel falou com a imprensa após expor por quase cinco horas a peça de acusação durante o segundo dia de julgamento do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF).“Não digo que tenha recebido ameaças, mas, na verdade, fui alvo de toda uma série de tentativas de intimidação e constrangimento absolutamente inéditas na carreira de quem tem 30 anos de Ministério Público. Isso prova que é uma quadrilha totalmente arrogante”, disse Gurgel. 

Questionado sobre a falta de provas contra os réus, o procurador-geral disse que todas as acusações são sólidas e constam dos autos. Segundo ele, as provas contra o ex-ministro chefe da Casa Civil José Dirceu são contundentes. “Jamais se pode exigir do chefe da quadrilha a mesma natureza e as mesmas características das provas daquelas pessoas que estão nos estágios anteriores da quadrilha. José Dirceu foi a principal figura, o mentor, o grande protagonista do mensalão. Foi ele quem idealizou o sistema ilícito”.

Gurgel ressaltou ainda que há provas documentais que incriminam os ex-dirigentes do Banco Rural citados no processo. “É minuciosa [a prova]. Há documentos a respeito de tudo, comprovando a gestão temerária, a lavagem de dinheiro. Não consigo dizer que tenha fantasiado qualquer coisa em relação a qualquer acusado”.

O Ministério Público quer a condenação de 36 dos 38 réus e a expedição de mandados de prisão cabíveis. “O mais importante é que o STF, com o juízo condenatório diga de uma vez por todas que esse tipo de prática precisa acabar no país”.

Ao concluir a sustentação de acusação no segundo dia de julgamento, Roberto Gurgel citou trecho da músicaVai Passar, de Chico Buarque. “Dormia, a nossa pátria mãe tão distraída, sem perceber que era subtraída, em tenebrosas transações”.

PT quer proibir o termo ‘mensalão’

Em reunião na última sexta-feira, 3, cerca de 30 advogados do PT liderados pelo coordenador jurídico do partido, Marco Aurélio de Carvalho, decidiram tomar “providencias jurídicas” para proibir a imprensa de usar a palavra “mensalão” para se referir às acusações de pagamento de propina a parlamentares no governo Lula.

Os advogados argumentam que a palavra exprime juízo de valor pejorativo e deve ser substituída pela designação “Ação Penal 470”. A principal queixa é contra o uso feito pela TV Globo e pela Globo News, “que muitas vezes escrevem a palavra até em negrito”, disse Carvalho. A preocupação é com a repercussão do julgamento nas eleições.


 

Fontes:
Agência Brasil - Gurgel diz que foi pressionado e constrangido no final da preparação para o julgamento do mensalão
Terra - PT quer censurar termo 'mensalão' e trocar por 'ação penal'

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

3 Opiniões

  1. Evandro Correia disse:

    Essa de querer proibir o uso da palavra “mensalão” faz lembrar o filhote do Sarney, que conseguiu na justiça proibir o Estadão de mencionar suas falcatruas.

  2. José Antonio Alves disse:

    È muito bom mesmo que se proiba a palavra “MENSALÃO” e que seja substituida pela palavra “SEMANÃO”, pois segundo as acusações do Procurador Geral Roberto Gurgel, os pagamentos eram efetuados semanalmente

  3. Victor M. Siva disse:

    Por motivos óbvios a Organização Criminosa não produz provas contra os seus integrantes.
    Porém PROVAS TESTEMUNHAIS EQUIVALEM A PROVAS DOCUMENTAIS, pois foram comprovadas por fatos, depoimentos cruzados e validadas pelo INC.

    Mesmo assim, a defesa vai insistir na ladainha de que não existem provas concretas como se os membros do STF fossem apedeutas e o povo fosse imbecil. POVO BEM INFORMADO JAMAIS SERÁ ENGANADO.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *