Início » Brasil » Hong Kong usa água do mar nas descargas
Crise hídrica

Hong Kong usa água do mar nas descargas

Falta d'água crônica na ilha fez com que Hong Kong se tornasse referência mundial em conservação hídrica

Hong Kong usa água do mar nas descargas
Em 1958, a água do mar começou a ser usada em descargas em Hong Kong (Reprodução/Thinkstock)

Há mais de cinco décadas, Hong Kong se tornou uma referência mundial em conservação hídrica. Por conta da falta d’água crônica na ilha, 80% dos 7,2 milhões de habitantes têm suas descargas abastecidas com água salgada.

“É uma solução que preserva a água tratada para usos mais nobres e ajuda a garantir a oferta para o consumo humano”, diz Pedro Luiz Côrtes, especialista em gestão ambiental da Universidade de São Paulo (USP), à BBC.

Em 1958, a água do mar começou a ser usada em descargas em Hong Kong, quando a ilha já se deparava com a perspectiva de falta d’água. Em Hong Kong, não há reservas hídricas subterrâneas expressivas. As chuvas atendem a apenas um quarto da demanda. O restante é importado da China por meio de dutos submarinos ou trazido do mar.

Atualmente, cerca de 5,75 milhões de pessoas usam água do mar na descarga, com a ajuda de uma infraestrutura composta por 35 estações de transmissão e 1,5 mil km de tubulações. A intenção do governo é atender 85% da população ainda em 2015.

A água potável é subsidiada pelo governo de Hong Kong, e seus preços estão congelados desde 1995. Já a água do mar é fornecida gratuitamente. O Departamento de Fornecimento de Água de Hong Kong esclarece que a água do mar não recebe o mesmo padrão de tratamento da água doce, apesar da empresa cumprir diretrizes para evitar eventos adversos. Mas, depois de usada, a água salgada é descartada na rede de esgoto usada para a água doce, e recebe o mesmo tratamento.

Hong Kong é até hoje a única cidade do mundo a usar água do mar nesta escala. Contudo, há outros exemplos menores, como o da cidade de Avalon, na ilha de Catalina, no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos, com 3,5 mil habitantes, e das ilhas Marshall, também no oceano Pacífico.

E no Brasil?

Côrtes acredita que esta alternativa poderia ser aplicada em cidades na costa brasileira. “Seria necessário que os novos edifícios tivessem duas linhas de transmissão de água. No entanto, se isso já estiver previsto no projeto, não gera quase nenhum custo a mais para a construtora.” Entretanto, para abastecer estes edifícios, primeiro seria preciso criar uma nova infraestrutura de tubulação, como a de Hong Kong, onde há dois sistemas de encanamento, um para água doce e outro para a salgada.

De acordo com o vice-presidente de conselho da Federação de Indústrias de Hong Kong, Daniel Cheng, o custo de construção e manutenção de uma segunda tubulação é um dos desafios deste tipo de abastecimento. Afinal, isso inclui usar dutos mais resistentes à corrosão provocada pelo sal presente na água.

“O custo não é tão alto. Bastaria haver um incentivo governamental, por meio de incentivos fiscais à infraestrutura necessária”, afirma Glauco Kimura, coordenador do Programa Água para a Vida da ONG WWF-Brasil, à BBC.

 

Fontes:
BBC-Com água do mar na descarga, Hong Kong dá exemplo de conservação hídrica

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *