Início » Brasil » Igrejas controlam nove dos veículos mais influentes do Brasil
CONTROLE DE MÍDIA

Igrejas controlam nove dos veículos mais influentes do Brasil

Pesquisa sobre quem controla o poder da mídia analisou 22 países, inclusive o Brasil, que teve o pior cenário constatado

Igrejas controlam nove dos veículos mais influentes do Brasil
A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) é a maior em relação ao controle da mídia (Foto: Wikimedia)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Pelo menos nove dentre os 50 veículos de comunicação com maior capacidade de influenciar o público no Brasil são controlados por igrejas cristãs, católicas ou evangélicas.

Os dados são da pesquisa “Ownership Monitor Brasil”, feita em uma parceria das Organizações Não Governamentais (ONGs) Repórteres sem Fronteiras e Intervozes e apresentada na última sexta-feira, 2, para avaliar quem controla o poder da mídia. O levantamento analisou 22 países, incluindo o Brasil, que teve o pior cenário constatado. A pesquisa levou quatro meses e foi feita por André Pasti e Jonas Valente, do Intervozes; Emmanuel Colombié, representante, do Repórteres Sem Fronteiras na América Latina; e pela procuradora-federal dos direitos do cidadão Deborah Duprat.

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) é a maior em relação ao controle da mídia, sendo responsável pelo Grupo Record – Record TV, Record News, Portal R7 e o jornal Correio do Povo – e pela rede de rádios Aleluia. Enquanto isso, a Igreja Católica tem o controle da emissora de rádio Rede Católica de Rádio (RCR), fundada a partir de sete outras redes, e da emissora Rede Vida.

A Igreja Apostólica Renascer em Cristo controla a Rede Gospel de televisão, enquanto a Igreja Adventista do Sétimo Dia é responsável pela rádio Rede Novo Tempo.

Destes nove veículos controlados por igrejas, cinco têm todo o seu conteúdo voltado para os valores de suas crenças, sendo eles as redes de rádio Aleluia, Novo Tempo e Católica de Rádio e as emissoras de TV Rede Gospel e Rede Vida. Segundo uma análise da Agência Nacional de Cinema (Ancine), de 2016, as TVs abertas dedicam, em média, 21% da sua grade a programas religiosos.

Já nos veículos comercias, parte do tempo é voltada para a religião. Das seis redes de TV aberta analisadas pela pesquisa, apenas o SBT não tem conteúdo religioso. Enquanto isso, a Rede TV! Tem 43% da sua grade de programação dedicada a programas religiosos; a Record TV 21%; a Band 16%; a TV Brasil 1,66%; e a Globo 0,58%.

Um dos responsáveis pela pesquisa, André Pasti, do Intervozes, revelou uma preocupação com o avanço da influência da religião na mídia brasileira, assim como o fato de muitos parlamentares evangélicos serem vinculados a redes de comunicação. “Seja no impresso, seja no online, a gente começa a identificar um problema no cenário da concentração da mídia brasileira, que é a propriedade cruzada de meios de comunicação. Os mesmos grupos estão atuando em diversos tipos de mídia e controlando de diversas formas a informação que chega para a gente”, explica Pasti.

Veículos que foram deixados de fora da pesquisa e têm uma menor audiência ou circulação gratuita também mostraram crescimento no controle da mídia brasileira. O jornal impresso Folha Universal, por exemplo, é distribuído gratuitamente toda semana e tem tiragem de 1,8 milhão de exemplares, volume superior a alguns jornais diários, como a Folha de S. Paulo, que tem uma circulação de 300 mil exemplares por dia.

De acordo com a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, o controle de emissoras por grupos religiosos vai de encontro à determinação de 2002 do Supremo Tribunal Federal (STF), que proibiu rádios de comunidades de fazerem panfletagem religiosa. “No entanto, temos um sistema de concessão que permite que tenhamos uma grande mídia dominada por emissoras de caráter religioso”, apontou Deborah, que explicou que as rádios comunitárias são fiscalizadas e punidas com maior rigor que os grandes veículos.

Segundo Deborah, que também é subprocuradora-geral da República, no cenário atual as religiões cristãs se sobrepõem a outras crenças, como, por exemplo, as de origem africana. Em acordo com os responsáveis pela pesquisa, Deborah acredita que a concentração da mídia em determinados grupos prejudica a democracia.

O Ministério Público já está investigando a venda de horários de TVs e rádios para terceiros. Programas na RedeTV!, Record e Band estão sendo analisados pela prática de arrendamento.

Fontes:
Congresso em Foco - Igrejas controlam 9 dos 50 veículos mais influentes do país, mostra pesquisa

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. Carlos Valoir Simões disse:

    Não vejo nada de mais, Jesus pregava sua mensagem do alto de uma montanha, hoje a montanha tem que ter antenas, evoluimos. Mas esse pessoal sado-masoquista de direitos humanos insiste em querer atacar a igreja de cristo, base da sociedade ocidental. Se o povo de “outras crenças” ou de “origem africana” quer espaço, continuem a lutar por ele. E tenham fé.

  2. Almanakut Brasil disse:

    O rádio é a maior fábrica de políticos pilantras da história do Brasil!

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *