Início » Brasil » Interior de São Paulo vive a pior seca em 70 anos
Crise do abastecimento

Interior de São Paulo vive a pior seca em 70 anos

A falta de chuvas impede a navegação de barcos de pescadores. Para o governo, serão necessários meses para recuperar o déficit hídrico

Interior de São Paulo vive a pior seca em 70 anos
Marcas nos pilares da ponte mostram o nível do rio antes da seca (Reprodução/Marcos Alves)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

O interior de São Paulo enfrenta a pior seca das últimas sete décadas. O Rio Tietê baixou cerca de oito metros na região de Araçatuba (a 467 km de São Paulo), interrompendo há dois meses o tráfego de barcaças na Hidrovia Tietê/Paraná, uma das maiores do país. A água, sempre abundante na região devido à proximidade com o Tietê e a posição geográfica, virou um artigo de luxo.

A situação impede até mesmo a navegação de pequenos barcos de pescadores – já que em alguns locais o rio está no nível zero -, agravando a crise social. Três mil pessoas que trabalhavam na hidrovia da região (entre Araçatuba e Barra Bonita) já foram demitidas. Sem poder navegar, os pescadores profissionais têm dificuldade para obter seu sustento.

A redução no nível do Tietê alcança dimensões alarmantes. As seis hidrelétricas da região dão prioridade ao uso da água para a produção de energia elétrica, de modo a evitar os temidos apagões. A agricultura e as destilarias de açúcar e álcool também sofrem com a redução da safra (em até 25%) e mil trabalhadores já foram dispensados. Além disso, será impossível escoar parte das seis milhões de toneladas de grãos transportadas todos os anos por ali.

A bacia hidrográfica atende a 223 municípios, onde vivem 27 milhões de pessoas que dependem da água do Tietê para viver. Segundo levantamento de Luiz Otávio Manfré, do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), do governo de São Paulo, o nível do rio está baixo porque 65 de seus afluentes estão secos ou com um fio de água.

“O mais grave é que agora só há previsão para chover em outubro ou novembro. Se voltar a chover dentro da média histórica, ainda vamos levar meses para recuperar o déficit hídrico”, alerta Manfré.

Fontes:
O Globo-Sem chuva, interior de São Paulo vive pior seca em 70 anos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *