Início » Opinião » Artigos » Internet: Brasil está entre os dez países mais atacados por hackers
ESTUDO

Internet: Brasil está entre os dez países mais atacados por hackers

Segundo estudo sobre cibercrimes feito pela GoCache, o Brasil está no ranking dos dez países mais atacados em todo o mundo

Internet: Brasil está entre os dez países mais atacados por hackers
Ocupamos o preocupante sexto lugar num ranking liderado pela China (Foto: Pixabay)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Neste mesmo dia em que lê esta matéria em seu computador, smartphone ou laptop, você pode já ter sofrido um ataque cibernético que está corroendo a memória, corrompendo arquivos ou mesmo transferindo suas informações sigilosas para um malfeitor. Segundo estudo sobre cibercrimes feito pela GoCache – empresa multinacional que oferece serviços de segurança e suporte online – o Brasil está no ranking dos dez países mais atacados em todo o mundo.

Até o fim deste ano, 4,3 bilhões de pessoas em todo o mundo terão um smartphone com acesso à banda larga. Além disso, 37% da população mundial usam mídias sociais – Facebook, Twitter, Instagram e outros. Cerca de 140 milhões de brasileiros navegam na internet e, ainda, contamos com 240 milhões de números de telefones celulares ativos – 14% a mais que a população do país. E, como sabemos, o crime busca se aproximar para se aproveitar e causar danos às pessoas.

Ocupamos o “honroso” e preocupante sexto lugar num ranking liderado pela China. Ao mesmo tempo em que a nova geração do país passou por exaustiva educação para a informática com o objetivo de buscar superioridade competitiva no segmento, sabe-se que nem todos estes jovens escolheram o caminho do bem, digamos assim. Logo, o país conta também com o maior número de hackers do planeta e é origem de 41% dos ataques cibernéticos mundiais.

Os Estados Unidos vêm em segundo lugar – tanto em sofrer ataques quanto em produzi-los – a despeito das pesadas penas de prisão para quem incorre neste tipo de crime. Por roubar 90 milhões de números de cartões de crédito e crédito, um hacker pegou 20 anos de prisão, além de US$ 25 mil de multa. Outro vai vestir o indefectível uniforme laranja por dez anos por invadir contas de e-mail de astros e estrelas de Hollywood e publicar fotos pessoais deles em redes sociais.

Brasil é líder em ataques no hemisfério Sul

Turquia, Rússia e Taiwan completam a lista dos que estão à frente do Brasil. Ainda assim, somos recordistas na exposição do usuário à internet (8 horas e 56 minutos por dia) e lideramos o hemisfério Sul, com 3,3% dos ataques ou, para o leitor ter noção mais exata dos números, mais de 500 mil investidas criminosas por ano.

Também integram o “top ten” os romenos, os indianos, os italianos e húngaros que tomaram o posto outrora ocupado pela Coreia do Sul graças a uma vasta rede de malfeitores cibernéticos de Budapest e arredores.

Existe solução para o problema?

Mas não basta apenas mostrar o problema. É preciso apresentar as soluções que governos, empresas e pessoas buscam para reprimir esse transtorno de contornos não somente econômicos, mas também políticos e religiosos e de âmbito mundial. Um deles é o Content Delivery Network (CDN) – um modelo de servidores distribuídos geograficamente e conectados à mesma rede, onde se armazenam réplicas do conteúdo de um site, por exemplo.

Este modelo arquitetônico favorece a substituição por uma cópia imediatamente após o ataque ao site, computador ou programa. Tal procedimento permite que usuários acessem a cópia no servidor, reduzindo o tempo de transferência dos dados (latência), evitando que o ataque seja replicado.

Assim como nós, os hackers não têm tempo a perder.

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *