Início » Brasil » Investigação antiga volta a assombrar Renan Calheiros
Polêmica no Senado

Investigação antiga volta a assombrar Renan Calheiros

Justiça abre ação contra o presidente do Senado por suspeita de receber propina da empreiteira Mendes Junior para pagar despesas da ex-amante e do filho

Investigação antiga volta a assombrar Renan Calheiros
Caso já fez Renan enfrentar processo de cassação no Senado, em 2009 (Foto: Wikimedia)

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), se tornou réu em uma ação de improbidade administrativa que investiga se, em 2007, o parlamentar recebeu propina de um lobista da empreiteira Mendes Junior para pagar despesas da jornalista Mônica Veloso, com quem teve um filho extraconjugal. Em troca, Renan teria aprovado emendas ao orçamento favoráveis à empresa.

Quando veio a público em 2007, a investigação deu início a um processo de cassação do mandato de Renan na presidência do Senado. À época, ele foi absolvido por seus pares, mas acabou renunciando para evitar uma nova cassação por outra acusação: a de ter sociedade em emissoras de rádio e um jornal em Alagoas por meio de “laranjas”. José Sarney assumiu o cargo em seu lugar e lá ficou até 2013, quando Renan foi novamente eleito presidente.

Caso Mônica

A ação, que corre em sigilo, foi apresentada no início do ano passado e aberta este mês pela Justiça Federal do Distrito Federal. Caso o senador seja considerado culpado, a punição pode incluir a devolução dos valores aos cofres públicos ou até mesmo a perda de seus direitos políticos. Renan disse que todo processo é uma oportunidade para esclarecer tudo e afirmou que está tranquilo.

“Trata-se de uma pseudo denúncia muito antiga, café requentado com óbvias motivações. Mas, como sempre, de forma clara, pública, como já o fiz há oito anos, farei todos os esclarecimentos que a Justiça desejar. Nada ficará sem respostas concretas e verdadeiras”, afirmou em nota oficial.

Outros parlamentares sob suspeita

O presidente do Senado é alvo também de outras investigações. Ele é um dos políticos citados nas delações da Operação Lava-Jato.

Calheiros não é o único parlamentar a enfrentar investigações. Como mostrou um levantamento do Globo no final de 2014, dos deputados federais mais votados e dos senadores eleitos no ano passado, 40% são investigados na Justiça. Os crimes variam de tortura a desrespeito à Lei Seca. O mais comum é improbidade administrativa.

Fontes:
O Globo-Justiça abre ação contra presidente do Senado acusado de receber propina de empreiteira
O Globo - Quase 40% dos parlamentares eleitos são investigados na Justiça

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *