Início » Brasil » Itamaraty quer gastar mais de R$ 460 mil em flores
Até 660 arranjos

Itamaraty quer gastar mais de R$ 460 mil em flores

'Flores contribuem para que seja transmitida às autoridades estrangeiras uma melhor impressão do país anfitrião', ressalta governo

Itamaraty quer gastar mais de R$ 460 mil em flores
Trabalho precisa passar pelo crivo de um diplomata (Fonte: Reprodução/Alpino/Folha de S.Paulo)

O Itamaraty lançou um edital para comprar até 660 arranjos de flores para eventos diplomáticos no prazo de um ano.

O texto do edital, que prevê um gasto de R$ 461,1 mil, ressalta que “as flores contribuem para que seja transmitida às autoridades estrangeiras uma melhor impressão do país anfitrião, o que se traduz por ganhos institucionais para o governo brasileiro”.

Ainda de acordo com o Itamaraty, a quantidade de arranjos foi estabelecida com base no número de eventos realizados em anos anteriores, além de uma “margem de segurança” de 30%. No ano passado, por exemplo, foram realizadas pelo menos 138 recepções.

O texto do edital ressalta ainda que, “como não se conhece, de antemão, as sutilezas da percepção dos visitantes, deve-se, preferencialmente, pecar pelo excesso de zelo”.

O Itamaraty afirmou também que a expectativa é de que no final do pregão haja uma redução de valores.

Os arranjos de flores devem ser utilizados somente em eventos que contam com a presença de ministros ou chefes de Estado e de governo estrangeiros ou brasileiros.

Além disso, o Itamaraty exige que o fornecedor dos arranjos tenha entre seus funcionários uma “pessoa com curso de arte floral certificado pela Academia Brasileira de Artistas Florais ou por escola conveniada a ela”. O trabalho também precisa passar pelo crivo de um diplomata.

Fontes:
Folha de S.Paulo - Itamaraty lança edital de R$ 460 mil para comprar flores

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Carlos U Pozzobon disse:

    É uma comédia sem fim. Não sou contra as flores, aliás, acho que devem pertencer a qualquer evento que envolva representação diplomática. O que me provoca coceiras sardônicas é a natureza do edital. Ele demonstra bem como funciona o Brasil oficial. Em qualquer lugar civilizado do mundo, os fornecedores seriam encarregados da organização dos arranjos baseados em um catálogo fotográfico ou algo semelhante. Assim, cada arranjo custa tanto e a cada evento se sabe o preço a ser pago somando as unidas fornecidas. Ponto final. Mas no Brasil as coisas de governo tem um roteiro diferente. Como não existe confiança do estado na sociedade, pois a disjunção estado e sociedade é a natureza de nossa essência histórica, “”o Itamaraty exige que o fornecedor dos arranjos tenha entre seus funcionários uma ‘pessoa com curso de arte floral certificado pela Academia Brasileira de Artistas Florais ou por escola conveniada a ela’. O trabalho também precisa passar pelo crivo de um diplomata””. É o país dos cartórios. A tal de pessoa deve ser registrada em uma sociedade que lhe aufere a certificação que por sua vez ainda precisa da opinião de um diplomata, este sim, com anos de profundos estudos na arte de selecionar flores e combinar aromas de acordo com a diversidade cultural dos povos.

  2. Hi Vitality disse:

    Pela metade do valor podemos providenciar o sumiço na Vaca Vermelha,
    Assim transmitiríamos uma muito melhor impressão não somente as autoridades estrangeiras,
    Mas também e principalmente a todo o povo brasileiro.

  3. Isam disse:

    País rico é outra coisa, não faltam materiais (os mais corriqueiros) nos hospitais, educação, segurança, transporte, segurança, etc. O povo (políticos, incluindo ex-presidente e atual) estão vivendo super bem, satisfeitos da vida. Tem mais que enfeitar tudo com flores.

  4. geracina disse:

    APOLITICAGEM DO BRASIL E UM CIRCO.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *