Início » Brasil » Jean Wyllys desiste de mandato por causa de ameaças
DEPUTADO FEDERAL

Jean Wyllys desiste de mandato por causa de ameaças

Saída de Wyllys por conta das ameaças ganhou destaque na imprensa mundial, que relembrou a oposição do deputado federal ao presidente Bolsonaro

Jean Wyllys desiste de mandato por causa de ameaças
Jean Wyllys foi reeleito pela terceira vez (Fonte: Reprodução/Alex Ferreira/Câmara dos Deputados)

O deputado federal Jean Wyllys (Psol-RJ), reeleito pela terceira vez, não irá assumir o novo mandato por conta de ameaças de morte. A informação foi divulgada na última quinta-feira, 24, pela assessoria do parlamentar.

Jean Wyllys, que sempre teve como principais bandeiras pautas ligadas às causas LGBT e para minorias, recebeu 24.295 votos na última eleição, em outubro. A posse dos deputados federais eleitos está prevista para o próximo dia 1º. O vereador carioca David Miranda, também do Psol, é o suplente de Jean Wyllys.

Em nota publicada na última quarta-feira, 23, em uma rede social, Jean Wyllys afirmou que “preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo, não importa que façamos por outros meios! Obrigado a todas e todos vocês, de todo coração. Axé!”

Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo nesta quinta-feira, 24, o parlamentar disse que está no exterior e que não planeja voltar por conta de ameaças de morte. A sua localização não será informada por questão de segurança. Ainda de acordo com Jean Wyllys, o Psol reconheceu que ele se tornou um “alvo” e apoia a sua decisão.

A assessoria do parlamentar informou também ao portal G1 que a quantidade de ameaças contra ele aumentou depois do assassinato da vereadora Marielle Franco, também do Psol. Desde o crime, ocorrido em março de 2018, Jean Wyllys vinha andando de carro blindado e precisava de escolta de seguranças armados.

“Aumentou a situação de violência, de seguidores do atual presidente [Jair Bolsonaro] que fazem todo tipo de xingamento e ameaças nas redes sociais. Isso criou uma situação cada vez mais difícil. Antes do assassinato da Marielle, ele já vinha recebendo ameaças muito pesadas, inclusive direcionadas não só a ele, mas também à família. E-mails falando endereço da mãe, endereço da irmã, da família”, informou ainda a assessoria do parlamentar.

Em entrevista à TV Globo, Juliano Medeiros, presidente do Psol, disse que “a situação do país é realmente muito grave, e a gente tem defendido que a resistência democrática no país é necessária. O Jean era e ainda é uma nesse processo de resistência democrática”. Medeiros afirmou também que o Psol lamenta a decisão do parlamentar, porém compreende e se solidariza com Jean Wyllys.

Repercussão internacional

A saída de Jean Wyllys da política brasileira repercutiu por todo o mundo, ganhando destaque em alguns dos principais jornais. A maioria dos sites destacou as ameaças de morte sofridas por Wyllys ao longo dos últimos meses.

O New York Times colocou a matéria sobre o abandono do deputado na capa do site, dando destaque às ameaças sofridas pelo parlamentar brasileiro. Já no início do texto, o jornal americano relembra que Wyllys fazia forte oposição ao presidente Jair Bolsonaro.

O Washington Post também falou sobre a oposição do deputado federal do Psol ao presidente Bolsonaro. Ademais, destacou que as ameaças a Wyllys aumentaram desde a morte da vereadora Marielle Franco, relembrando que, mesmo dez meses após o seu assassinato, ninguém foi preso.

Em uma matéria concisa, o Bloomberg também relembrou as disputas entre Jean Wyllys e Jair Bolsonaro. O jornal americano deu destaque ao confronto entre os políticos em 2016, durante as votações pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff. Bolsonaro havia dado entrevista ao jornal na última quarta-feira, 23, durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos.

Os jornais do Reino Unido também deram destaque à saída de Jean Wyllys da política brasileira devido às ameaças de morte. O Guardian, inclusive, lembrou que o deputado do Psol foi o primeiro parlamentar abertamente homossexual a assumir um mandato no Congresso Nacional. Ademais, compartilhou uma postagem das redes sociais de Wyllys, que explicava todos os motivos de sua saída.

O Independent destacou a falta de segurança ao deputado Jean Wyllys, o que o motivou a deixar o Brasil. Além de relembrar a trajetória do parlamentar, o jornal britânico apontou que o suplente de Wyllys, David Miranda, vai assumir a cadeira deixada. Miranda, que também é homossexual, é casado com o jornalista Glenn Greenwald, vencedor do prêmio Pullitzer. O jornal, inclusive, deu destaque a uma postagem de Miranda nas redes sociais, na qual o deputado, se direcionando a Jair Bolsonaro, afirmou: “Respeite o Jean, Jair, e segura sua empolgação. Sai um LGBT mas entra outro”.

A rede BBC, além de destacar as ameaças de morte, relembrou a proximidade entre Jean Wyllys e a ex-vereadora Marielle Franco. Além disso, também ressaltou as afirmações do deputado federal, que explicou que as ameaças a ele se estenderam também a membros da sua família.

Na Espanha, o jornal El País, que tem edições em diferentes lugares do mundo, evidenciou o agradecimento de Wyllys aos seus mais de 24 mil eleitores, que o apoiaram nas últimas eleições legislativas. Ademais, relembrou uma afirmação do deputado federal, que disse que a violência contra as minorias aumentou desde que o presidente Jair Bolsonaro foi eleito.

O francês Libération destacou à representatividade de Jean Wyllys à população LGBT no Congresso Nacional. Ademais, logo no início do texto, o jornal deu espaço à publicação do deputado federal nas redes sociais, que relembrou que “preservar a vida ameaçada é também uma estratégia da luta por dias melhores. Fizemos muito pelo bem comum. E faremos muito mais quando chegar o novo tempo”.

Os jornais La Prensa, da Argentina, e El Comercio, do Peru, também falaram sobre a saída do deputado brasileiro por causa das ameaças de morte. O jornal peruano, inclusive, deu espaço para uma publicação do congressista Alberto de Belaunde, que condenou a saída de Wyllys e compartilhou a postagem da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), que lamentou as ameaças de morte recebidas.

Fontes:
G1-Jean Wyllys decide não tomar posse para novo mandato em razão de ameaças

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

4 Opiniões

  1. Moura disse:

    Como bom “pseudo-esquerda” do PSOL este cidadão deve ter viajado para alguma nação capitalista do 1º Mundo. Pouco provável que pense em esconder em alguma ditadura de esquerda que o partido sempre defendeu…

  2. Jorge Cardilli disse:

    Circula nas redes sociais que ele quer sair do país para fugir de investigação sobre seu relacionamento com o Adélio, que atentou contra Bolsonaro

  3. beto kaiser disse:

    Tem “caroço nesse angu”…

  4. carlos alberto martins disse:

    o deputado passou um atestado de covardia,com pretenções futura sabe-se ao que.se ele éra tão convicto no que proclamava,devia ter lutado por isso.em ,fui1964,preso politico,viví momentos de horror.em 1980 fui reconhecido pelos militares como um cidadão realmente verde-amarelo.em 1988 fui anistiado.tudo isso por ter sido membro ativista sindical na campanha O PETROLEO È NOSSO.finalmente em 2017,fui agraciado com um diploma de honra ao mérito pela minha luta pela democracia,a mim outorgado pela comissão de DIREITOS HUMANOS DO BRASIL.fugir nunca,batalhar pelo que é direito sempre.hoje aos 80 nos,ainda incomodo muitos patifes que se julgam donos do Brasil.ser covarde nunca.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *