Início » Brasil » Julgamento de Eike será um teste para a Justiça brasileira
Insider trading

Julgamento de Eike será um teste para a Justiça brasileira

Marcado para a próxima terça-feira, 18, o julgamento de Eike pelo uso de informações privilegiadas para manipular o mercado financeiro desafia a Justiça brasileira, que nunca condenou ninguém pelo crime

Julgamento de Eike será um teste para a Justiça brasileira
Muitos continuam céticos em relação à condenação de réus acusados de crimes colarinho branco (Reprodução/Reuters)

Na próxima terça-feira, 18, tem início o julgamento do empresário Eike Batista, acusado de insider trading. O crime configura o uso de informações privilegiadas para manipular ou obter lucro em negociações no mercado financeiro.

Leia mais: Brasil nunca mandou ninguém para a prisão pelo crime de ‘insider trading’
Leia mais: Eike é denunciado por falsidade ideológica e formação de quadrilha
Leia mais: Eike Batista sabia da inviabilidade de campos da OGX, mas ocultou a informação

De acordo com a denúncia, Eike já tinha conhecimento da inviabilidade comercial dos campos de sua petroleira OGX quando postou mensagens otimistas no Twitter estimulando a venda de ações da empresa. O episódio ocorreu em maio de 2013.

O julgamento de Eike será um teste para Justiça brasileira. Nos EUA, onde esse crime é considerado grave, empresários já foram presos e fundos Hedge foram fechados por usar informações privilegiadas em benefício próprio. Mas ninguém nunca foi condenado por insider trading no Brasil.

A população, que nos protestos do ano passado pedia, entre outras coisas, o fim da impunidade para os ricos e poderosos, deve acompanhar de perto o julgamento. Se for condenado, Eike pode pegar até 13 anos de prisão e terá de ressarcir R$ 1,5 milhão em indenizações pelo prejuízo causado.

Contudo, muitos continuam céticos em relação à condenação de réus acusados de crimes do colarinho branco. Eike já foi o empresário mais rico do país. Em seu auge, ele chegou a ter a fortuna avaliada em US$ 30 bilhões.

Entre os que não acreditam na condenação de Eike está o jornalista Dan Horch, do New York Times. Em um artigo publicado nesta segunda-feira, 17, Horch disse que existe a possibilidade de Eike ser condenado, mas “a julgar pelo histórico de processos, esse resultado parece improvável”.

O professor de finanças do Ibmec-RJ, Gilberto Braga, também não acredita que o crime será julgado com o mesmo rigor que seria nos EUA. “Para crimes do colarinho branco, as sentenças costumam ser de apenas alguns anos, e podem ser revertidas em serviços comunitários”, disse Braga em entrevista ao NYT.

Fontes:
The New York Times-Eike Batista’s Insider Trading Case in Brazil to Test a Much-Criticized Justice System

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *