Início » Brasil » Laudo de 2018 apontava problemas na barragem em Brumadinho
ROMPIMENTO DA BARRAGEM

Laudo de 2018 apontava problemas na barragem em Brumadinho

Segundo laudo da alemã Tüv Süd, a barragem tinha problemas de drenagem e erosão, o que pode ter provocado o rompimento

Laudo de 2018 apontava problemas na barragem em Brumadinho
Barragem de rejeitos de mineração da Vale no último dia 25 de janeiro (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A barragem I da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), que rompeu no último dia 25 de janeiro, apresentava problemas. A constatação foi feita por um laudo de vistoria, de 2018, realizado pela empresa alemã Tüv Süd, que apontava para erosão e problemas de drenagem.

O documento, que atestava a segurança da barragem, é de setembro de 2018, cerca de cinco meses antes do rompimento, e era válido por um ano. O laudo foi assinado pelo engenheiro Makoto Namba, que foi preso no último dia 29 de janeiro. Outros dois relatórios foram feitos pela Tüv Süd, em agosto de 2017 e julho de 2018. Os relatórios apontavam que “o desempenho da barragem se encontrava adequado”.

Até o momento, foram confirmadas 150 mortes, enquanto 182 pessoas seguem desaparecidas. A barragem não recebia rejeitos desde 2015, o que não impediu que ela se rompesse.

A liquefação – quando a lama passa do estado pastoso para o líquido – é uma das possíveis causas para o rompimento em Brumadinho e, para evitá-la, o documento revela que foi recomendado à mineradora Vale um aumento na segurança do local. Entre as orientações estava evitar o tráfego de equipamentos pesados, proibir detonações nas proximidades e impedir a elevação do nível de água.

Segundo o documento, era recomendada a instalação de novos piezômetros – equipamento que mede a pressão e o nível da água no solo. Ademais, o texto também indicava a necessidade de um equipamento para registro sismológico nas proximidades da barragem.

Ao todo, a barragem contava com 94 piezômetros, 41 indicadores de nível de água, além de outros equipamentos especiais. De acordo com o documento, geotécnicos coletavam os dados periodicamente.

De acordo com uma nota da Vale, que era responsável pela barragem em Brumadinho, todas as recomendações feitas pelo laudo técnico foram atendidas ainda em 2018.

 

Leia mais: Buscas em Brumadinho podem durar meses
Leia mais: Como fica Inhotim depois da tragédia em Brumadinho?

 

Fontes:
O Globo-Laudo de segurança de barragem em Brumadinho apontou erosão e problemas de drenagem
G1-Laudo aponta problemas no sistema de drenagem na barragem da Vale em Brumadinho

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *