Início » Brasil » Líder da CUT fala em ‘pegar em armas’ em discurso a favor de Dilma
Em defesa da presidente

Líder da CUT fala em ‘pegar em armas’ em discurso a favor de Dilma

Vagner Freitas disse que foi mal interpretado e que usou uma figura de linguagem

Líder da CUT fala em ‘pegar em armas’ em discurso a favor de Dilma
Vagner Freitas, presidente da CUT (Reprodução/CUT/Roberto Parizotti)

Na última quinta-feira, 13, Vagner Freitas, presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), fez um discurso polêmico em um evento, no Palácio do Planalto, que reuniu cerca de mil integrantes de movimentos sociais ligados ao governo. Em seu discurso a favor da presidente Dilma Rousseff, ele falou em pegar em “armas” para impedir qualquer tentativa de golpe para tirar Dilma do poder.

Leia mais: Dilma diz não temer impeachment
Leia mais: Câmara recebeu 15 pedidos de impeachment contra Dilma desde janeiro

“Somos defensores da unidade nacional, da construção de um projeto de desenvolvimento para todos e para todas. E isso implica, neste momento, ir para as ruas entrincheirados, com armas nas mãos, se tentarem derrubar a presidenta”, disse.

No mesmo dia, ele procurou o Jornal Nacional, da Rede Globo, para dizer que foi mal interpretado, e que seu discurso usava uma figura de linguagem.  Em nota ao site da CUT, Freitas disse: “a frase mais destacada da minha fala de quase oito minutos foi justamente a que citava as armas. Foi entendida como um chamado à violência, ao uso de armas de fogo. Qualquer sindicalista sabe que quando nos referimos a usar ‘todas as armas que forem necessárias’, estamos nos referindo às armas da democracia, que é a luta por direitos, a mobilização organizada, democrática, com respeito às diferenças”.

No evento, Dilma também criticou aqueles que defendem o impeachment. Ela disse que é preciso respeitar o resultado das eleições. “A democracia é algo que temos que preservar custe o que custar”. A presidente também disse ser a favor das manifestações, já que na época do regime militar estes atos eram vistos como ameaça às instituições. “Não vejo nem nunca verei problema em manifestações. Tenho que ter lealdade com a experiência histórica da minha geração, que foi muito dura. Eu sobrevivi”, disse. É esperado que ocorram manifestações em todo o país no próximo domingo, 16, a favor do impeachment.

Além disso, Dilma criticou pela primeira vez o atentado ao Instituto Lula, que foi alvo de uma bomba caseira no mês passado. “Temos que zelar pelo respeito que as pessoas que pensam diferente da gente têm que receber de nós. Diálogo é diferente de pauleira. Dialogo é dialogo, pauleira é pauleira. Ninguém pode chamar de diálogo xingar alguém. Botar bomba não é diálogo”, afirmou.

 

Fontes:
O Globo-Líder da CUT ameaça pegar em ‘armas’
CUT-As armas da Democracia

6 Opiniões

  1. Osmar disse:

    Não se esqueçam que este tipo de ameaça tem raizes… Veja o que o Grande Molusco, Lula, filho de uma mãe que NASCEU e morreu analfabeta disse , assitindo este video…

    https://www.youtube.com/watch?v=R_WZ_L8P7iE

  2. Carlos disse:

    Mentiroso compulsivo. Palavra proferida fica gravada na pedra.

  3. Áureo Ramos de Souza disse:

    Estão com medo de perder a boquinha é? o povo agora estão consciente de tudo que vem passando no país, aquelas primeiras manifestações foram de maioria pobres que se viram enganados e agora é TUDO MISTURADO POBRE E RICOS em uma só luta o IMPEACHMENT.

  4. Vasco Antonio Duval disse:

    Primeiro: Esta presidente foi eleita usando de engodos para garantir uma pequena margem sobre seu adversário.
    Segundo: O processo de impeachment faz parte do processo democrático, portanto perfeitamente lícito.

  5. Roberto1776 disse:

    Foi justamente para evitar que o Brasil se transformasse numa “república” sindicalista atrelada a Moscou, que os militares promoveram o movimento de 1964. Como é possível ver, foram extremamente mal sucedidos, pois estes pelegos sindicalistas, que vivem de contribuições compulsórios sobre os salários de todos os brasileiros, continuam a agir tão subversivamente quanto agiam sob a batuta de Jango que era um lobo em pele de cordeiro.

  6. Ludwig Von Drake disse:

    Ele conclamou sim, com todas as letras e sem metáforas, para pegarem em armas para defenderem a Dillma. Isso é para ter uma amostra do tipo de gente que elles recrutam para fazer claque. A imbecilidade é tão grande que é melhor seguir o conselho de Jacques Lacan e fazer ouvidos moucos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *