Início » Brasil » Literalmente desenterrando o passado
exumação política

Literalmente desenterrando o passado

A exumação dos restos mortais de figuras proeminentes é comum na América Latina, que ainda procura entender e reparar os erros do passado

Literalmente desenterrando o passado
Em dezembro completa 37 anos do falecimento de Jango, conforme a tese oficial, a causa da morte seria um ataque cardíaco (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

País após país, a América Latina vem passando por uma onda de exumações, refletindo não só a dificuldade que algumas figuras políticas têm de encontrar serenidade na vida após a morte, mas também a disposição da região para ressuscitar questões não resolvidas e brigas ao longo de sua história, mesmo que isso envolva literalmente desenterrar o passado.

Depois de Pablo Neruda, no Chile, é a vez de João Goulart. A exumação dos restos mortais do ex-presidente, sepultado em São Borja, no interior gaúcho, está marcada para o dia 13 de novembro. A exumação foi feita com base em pedidos da família, acatados pela Comissão Nacional da Verdade.

Oficialmente, Jango morreu por causas naturais, em seu exílio na Argentina, dois anos após ser deposto para a instauração do regime militar. Na ocasião, não foi realizada uma autópsia. A suspeita é que ele poderia ter sido vítima de envenenamento. Juscelino Kubitschek também pode ter seu corpo exumado. Ele morreu em um acidente de carro e a outra versão é que seu motorista foi alvo de um atirador, o que provocou o desastre.

Em 2010, Hugo Chávez fez uma exumação televisionada do herói latino-americano Simón Bolívar. Em uma tentativa frustrada de mostrar que ele morreu envenenado, por colombianos, os historiadores ainda concordam que foi a tuberculose, e não envenenamento.

Outras histórias de exumação e transferência de restos mortais rondam o Brasil. Durante o governo Vargas, ele mandou trazer os restos mortais dos 18 inconfidentes mineiros de volta para o Brasil, de onde eles tinham morrido, na África. Durante a ditadura militar, os restos mortais de D. Pedro I foram transferidos de Portugal para um monumento em São Paulo – menos o seu coração, que continuou em uma igreja na cidade de Porto, como ele declarou seu desejo.

Para o historiador britânico Kenneth Maxwell, essas exumações buscam uma tentativa de chegar num acordo com o passado.”Não tem como objetivo a criação de mitos, mas é uma tentativa de descobrir o que era, por vezes,um passado muito feio.”

Fontes:
Estadão-Exumação de restos mortais de Jango é marcada para 13 de novembro
The New York Times - Latin America Brings Up Its Dead, Seeking Truth to Help Settle the Past

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

1 Opinião

  1. Roberto1776 disse:

    Por que a família no providenciou uma necrópsia por ocasião do falecimento?
    Por que nós, de novo, temos que arcar com mais essa despesa?
    Ainda bem que somos um país extremamente rico.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *