article image
Tuma Jr. comandou a Secretaria Nacional de Justiça entre 2007 e 2010 (Reprodução/Veja)
'Assassinato de Reputações'

Livro denuncia esquema do PT para destruir reputação de opositores

'Assassinato de reputações', do ex-secretário nacional de Justiça, Tuma Jr., revela existência de uma fábrica de dossiês no governo para destruir inimigos políticos

fonte | A A A

Esta semana chega às livrarias o livro Assassinato de reputações: um crime de Estado, do ex-secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Jr., que comandou a pasta entre 2007 e 2010, durante o governo Lula. O livro revela um esquema dos sucessivos governos petistas para perseguir e destruir a reputação de políticos de oposição com dossiês falsos.

Em entrevista à revista Veja, Tuma Jr. contou que durante sua gestão foi pressionado várias vezes a produzir dossiês contra adversários políticos do PT. O processo ocorria sempre da mesma forma: um documento apócrifo era entregue ao Ministério da Justiça, apontando indícios de que um determinado inimigo político movimentava uma conta secreta no exterior. A ordem era abrir imediatamente uma investigação oficial. Depois alguém ficava encarregado de alertar a imprensa. Ao término do esquema, a reputação do desafeto político em questão já estava comprometida.

“Tentaram me usar para esquentar um dossiê contra o governador de Goiás, Marconi Perillo, só porque ele avisou o Lula da existência do mensalão. Depois, quiseram incriminar o ex-senador Tasso Jereissati servindo-se do meu departamento para forjar uma investigação sobre contas no exterior”, disse Tuma Jr.

O livro nem chegou às livrarias, mas já está causando alvoroço em Brasília. O PSDB vai convidar o autor para dar mais detalhes sobre as denúncias no Congresso.

Caso Celso Daniel e conta de Dirceu na Ilhas Cayman também são citados

Um os pontos mais polêmicos do livro trata do assassinato do prefeito de Santo André, Celso Daniel, em 2002. Tuma Jr. reproduz um diálogo entre ele e Gilberto Carvalho, então chefe de gabinete de Lula, em que Carvalho confessa que entregava a verba desviada da prefeitura de Santo André nas mãos de José Dirceu. “Aquilo foi um crime de encomenda. Os empresários que pagavam propina ao PT em Santo André não queriam matar, mas assumiram claramente o risco. Era para ser um sequestro, mas virou homicídio”, diz o autor.

Tuma Jr. também revela que o governo e a Polícia Federal se negaram a investigar a existência de uma conta de José Dirceu nas Ilhas Cayman. “Eu descobri a conta do mensalão nas Ilhas Cayman, mas não quiseram investigar”, diz.

Tuma Jr. perdeu o cargo em 2010, quando gravações feitas pela Polícia Federal revelaram ligações entre ele e Li Kwok Kwen, um dos chefes da máfia chinesa em São Paulo. O ex-secretário nacional de Justiça diz que o livro não é uma vingança pessoal, mas sim uma forma de se defender. “Fui defenestrado do governo por fatos baseados numa investigação arquivada na qual eu não tinha sido denunciado nem processado. Percebi que não teria espaço para me defender em nenhuma instância. Resolvi escrever o livro para explicar por que acabaram tentando assassinar a minha reputação”.

De volta ao topo comentários: (1)

Sua Opinião

Nome (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Estado

Cidade

  1. Alfredo Faustino disse:

    Sr. Tuma, com todo o respeito que o sr. merece como qualquer cidadão, devo dizer que se o senhor não fosse defenestrado como diz, estaria até hoje comendo no prato do PT, a partir do momento que os seus interesses foram contrariados, o senhor se achou no direito de se defender, seria mais plausível se o sr. reconhecesse que também foi conivente com muita coisa para garantir a sua boquinha no cargo que ocupava, conheço bem os bastidores da politicagem. Esse caso se assemelha a briga de marido e mulher que enquanto há amor é tudo mil maravilhas depois que passa essa fase os defeitos de um e de outro passam a ser divulgados como forma de pretexto para o fim do relacionamento. Sinto muito sr. Tuma a sua defesa não me convenceu nem um pouco. O PT continua aí com sua maracutaias e o sr. quer agora vender seus livros para ganhar dinheiro tirando vantagem de uma situação que lhe era comoda enquanto durou a relação espuria com o PT. Sou contra esse partido e contra todos que fazem parte dele. O Lula todos nós já sabemos é um espertalhão que sobre o pretexto de lutar pelos menos favorecidos montou o maior esquema de corrupção nessa quitanda chamada Brasil, tem hoje 3 aposentadorias enquanto o povo tem que trabalhar até morrer para conseguir uma. Nada mal não é? Essa é a realidade, não tem ninguém travestido de político preocupado senão com poder e interesses próprios .