Início » Brasil » Lixo nuclear acumula nas usinas de Angra
Energia nuclear

Lixo nuclear acumula nas usinas de Angra

Depósitos que armazenam o lixo radioativo devem operar no máximo até 2020

Lixo nuclear acumula nas usinas de Angra
Uma auditoria do TCU nas instalações que armazenam o lixo atômico detectou o eminente esgotamento dos depósitos de resíduos (Reprodução/internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

A central nuclear Angra 2, em Angra dos Reis, Rio de Janeiro, pode ser desligada em 2017 em consequência da saturação dos depósitos de lixo radioativo, segundo uma avaliação da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) enviada ao Tribunal de Contas da União (TCU). O mesmo deve acontecer com a usina Angra 1 em 2018 ou 2019 e Angra 3 (ainda em construção), dado a situação crítica de armazenamento dos rejeitos.

Uma sigilosa auditoria no TCU nas instalações que armazenam o lixo nuclear detectou o eminente esgotamento dos depósitos de resíduos de baixa e média radioatividade e das piscinas que recolhem o combustível usado, de alta radioatividade, decorrente da geração de energia. Além disso, a construção de novos equipamentos para o depósito do material está praticamente no início, fator que anuncia a interrupção forçada das usinas.

A situação das piscinas para o destino final dos detritos nucleares é ainda mais crítica; a de Angra 2 se esgota em 2018 e a de Angra 1, em 2020. A Eletronuclear precisará erguer uma unidade de armazenamento complementar. “Caso a unidade não esteja licenciada e comissionada até 2018, possivelmente a geração elétrica das usinas estará comprometida, uma vez que não poderão operar sem que exista a possibilidade de armazenamento de seus combustíveis irradiados”, explicam os auditores.

Os técnicos reproduziram uma tabela com o nível de ocupação dos depósitos que abrigam material de baixa radioatividade. Um deles atingirá o esgotamento neste ano. O setor das caixas não terá mais espaço em 2015, e, em 2018, um galpão com 2,3 mil tambores de lixo radiativo atingirá seu limite. Desse modo, na média, as atuais instalações conseguirão abrigar rejeitos até 2020. Os materiais de baixa radioatividade são: papéis, plásticos, roupas e ferramentas usados nas usinas. Os de média, filtros e resina. Já os de alta radioatividade são os elementos combustíveis usados na geração de energia termonuclear.

 

Fontes:
O Globo-Falta de espaço para lixo atômico põe usinas de Angra em risco
Eletronuclear-Gerenciamento de resíduos radioativos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *