Início » Brasil » Lobista do PMDB confessa propina de R$ 11,5 milhões
CORRUPÇÃO

Lobista do PMDB confessa propina de R$ 11,5 milhões

A propina seria para os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Jader Barbalho (PMDB-PA), o ex-ministro Silas Rondeau e o deputado Anibal Gomes (PMDB-CE)

Lobista do PMDB confessa propina de R$ 11,5 milhões
Luz é acusado de intermediar propinas de R$ 2,5 milhões de executivos da empreiteira Schahin para funcionários da Petrobras (Foto: Pixabay)

Ao ser interrogado pelo juiz federal Sérgio Moro, na última quarta-feira, 19, o lobista do PMDB, Jorge Luz, confessou ter intermediado o pagamento de R$ 11,5 milhões em propina. O valor seria destinado aos senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Jader Barbalho (PMDB-PA), ao ex-ministro Silas Rondeau e ao deputado Anibal Gomes (PMDB-CE). A informação é do Estadão.

Segundo Luz, ele foi informado por Fernando “Baiano” (Fernando Soares, apontado como operador do PMDB) que Nestor Ceveró e Paulo Roberto Costa, diretores da Petrobras na época, estariam “balançando” em seus cargos por volta de 2005. Logo, em troca da suposta solicitação de ajuda aos parlamentares, eles teriam pedido propinas.

“Repare só o seguinte, juiz Moro, o que aconteceu. Quando foi ser tratado o apoio, para os políticos não importava de onde vinha. Para eles, tanto faz. ‘X’ e pronto, R$ 11,5 milhões, que podem ter sido na época US$ 6 milhões, não sei. Então, houve uma discussão, era 10 milhões, passou para 6, depois para… ou seja, houve uma discussão, queriam 4 e acabaram chegando a um acordo”.

De acordo com o lobista, o dinheiro vinha de uma “negociação que tinha sido feita entre o Fernando Soares junto com a Samsung, através de seu representante, Júlio Camargo”.“O Aníbal passava as contas para o Fernando, o Fernando passava para o Julio Camargo e o Julio fazia os pagamentos. O controle dos 11 milhões eu não tenho porque eu não participei. Eu participei de toda a estruturação e, quando em determinado momento a relação passou a ficar muito difícil, eu passei a ser intermediário na recepção das contas que o Aníbal passava e eu entregava ao Fernando. Isso foi feito. Os 11,5 milhões vieram”, confirmou.

Luz é acusado de intermediar propinas de R$ 2,5 milhões de executivos da empreiteira Schahin para funcionários da Petrobras em contratos da estatal. Além disso, Luz e seu filho também são investigados neste processo por intermediar valores indevidos a políticos do PMDB.

Fontes:
Estadão-‘Para eles, não importava de onde vinha’, diz lobista sobre propina a políticos

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *