Início » Brasil » Mais de 3.500 prefeitos deixarão dívidas
coluna esplanada

Mais de 3.500 prefeitos deixarão dívidas

Pesquisa inédita revela que quem se reeleger ou suceder vai encontrar saldo negativo em mais de 3.570 municípios

Mais de 3.500 prefeitos deixarão dívidas
Queda do repasse do Fundo de Participação dos Municípios e a implementação do piso nacional dos professores contribuíram para o cenário (Reprodução/Internet)

Uma pesquisa inédita com 4.773 dos 5.563 prefeitos do país – 85,8% do total – revela um dado devastador para as contas das prefeituras em 2013. Quem se reeleger ou suceder vai encontrar saldo negativo em 74,8% das cidades dos entrevistados – mais de 3.570 municípios. A queda do repasse do Fundo de Participação dos Municípios e a implementação do piso nacional dos professores contribuíram para o cenário, revelam os dados da sondagem feita pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

É a lei

Uma notícia boa surge da pesquisa: Se não mentiram, pelo menos 81% dos prefeitos entrevistados garantem que estão pagando o piso nacional aos professores.

Bolso vazio

A pesquisa também revela dado preocupante: 11,1% dos prefeitos ouvidos (mais de 530 cidades) estão atrasando os salários dos funcionários.

Cobrador na porta

Há também o aperto nas execuções do orçamento: praticamente metade dos municípios – 47,9% dos prefeitos (2.287 cidades) – não paga em dia os seus fornecedores.

Em fogo brando

Mais do documento do Conselho Episcopal da CNBB, com olheiros em Assuncion: ‘O Paraguai assistiu nesses últimos dias uma série de manifestações, destacando-se três: a manifestação dos professores; a de desempregados; a da Confederação da Classe Trabalhadora, que reúne mais de 50 sindicatos reivindicando aumentos salariais.

Grita

Os prefeitos reclamam que, se o governo tivesse agido no Congresso, o cenário das contas seria melhor. Cobram a votação dos royalties do petróleo pela Câmara e a sanção pela Presidência do projeto que aumentaria em R$ 3,2 bi o FPM.

Mundo dá voltas

 

O Bolsa Família pagou R$ 2 bilhões em Setembro e alcançou 13,7 milhões de lares com valor médio pago de R$ 149,88. No fim dos anos 90, o então candidato Luiz Inácio Lula da Silva criticou em vídeo a política assistencialista que classificou eleitoreira.

Raio x do coldre

A ADPF – Associação dos Delegados da PF vai divulgar semana que vem um levantamento inédito sobre a instituição, encomendado de um instituto.

Trabalho pesado

Aos próximos, o chefe da Casa Civil do Governo do DF, Swedenberger Barbosa, tem reclamado da rotina. Ele entrou há poucos meses para reajustar o Palácio.

Jesus e a mulher

Do cardeal de Aparecida (SP), Dom Raymundo Damasceno, a respeito da nova tese de que Jesus Cristo foi casado: ‘O teor das escrituras do apóstolo Paulo são mais sólidas historicamente do que estes manuscritos apócrifos encontrados’.

Cássio, o retorno

O governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), vai ficar sozinho na próxima campanha. Seu aliado de hoje, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) deverá se candidatar para o cargo que ocupou.

Freio oficial

Baixou a prudência na propaganda governamental. Depois do incentivo de Dilma Rousseff ao consumo, o freio: Com a alta inadimplência no comércio, o próprio governo fez comercial da Caixa em que pede consciência nos gastos.

Calma aí!

Um grupo da alta do PT, entre eles o deputado José Guimarães (CE), promete projetos para regulamentar a mídia em breve. Em outros países, o debate foi bem-vindo e com sucesso, mas como política pública, não partidária.

Breve ficha

Foi um assessor de Guimarães o preso pela PF com R$ 100 mil na cueca no Aeroporto de Fortaleza. O deputado é irmão de José Genoíno, réu no processo do Mensalão.

‘Ciclolçada’

O GDF teve a boa iniciativa de fazer ciclovias e tirar de Brasília a pecha de cidade sem calçada. Mas esqueceu da… calçada. Pedestres e ciclistas agora dividem o caminho.

Ponto Final

O deputado Protógenes (PCdoB-SP) tem direito de questionar o filme cujo ursinho personagem é maconheiro. Mas sabia que levava o filho de 11 para uma classificação etária de 16.

O bambuzal da turma    

Luiz Fernando Pezão era prefeito de primeiro mandato de Piraí (RJ), cuja administração o alçou a cotado para vice-governador do Rio, o que de fato ocorreu. Uma das primeiras ações de sua gestão como prefeito foi derrubar um bambuzal, num morro no Centro, para construir escadão de acesso dos moradores da parte alta às ruas. No dia seguinte, acordou às 6h com uma pequena multidão à porta de sua casa, gritando seu nome. Eram os moradores do morro.
– PQP, vou morrer hoje – pensou, preocupado.
Ao atendê-los, ouviu o protesto pacífico:
– Pezão, você derrubou o bambuzal! Era o nosso banheiro!
Foi então que o prefeito descobriu que o problema do morro não era só o acesso, mas o saneamento básico também. E construiu banheiros comunitários no local.

_______________________________________

Com Marcos Seabra e Vinícius Tavares

www.colunaesplanada.com.br
contato@colunaesplanada.com.br
Twitter @colunaesplanada

 

 

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

2 Opiniões

  1. João Cirino Gomes disse:

    PT pode perdoar dividas dos países que deviam ao Brasil, pode fazer doações, presentear amiguinhos e até construir porto, estradas e rede de hotéis em CUBA!

    Lula disse que pagou a divida externa, mas triplicou a divida interna, e o PT esta investido o FGTS do trabalhador em copa do mundo!
    Quem deveria estar investindo em copa são os empresários que terão lucro com o evento!

    Estes cretinos usam nossos impostos, pagam a mídia vendida, sindicatos e pelegos para acobertar suas patifarias, e distorcer os fatos, transformando a amarga realidade, em doce esperança para a população desinformada, que continua acreditando em promessas!

  2. geracina disse:

    Normal eles desvian o dinheiro para suas contas e o trabalhador paga.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *