Início » Brasil » Mais de 30% dos presos no Brasil aguardam julgamento
Conselho Nacional de Justiça

Mais de 30% dos presos no Brasil aguardam julgamento

Situação tem sido agravada pelo aumento da criminalidade no país e também pela morosidade do judiciário

Mais de 30% dos presos no Brasil aguardam julgamento
População carcerária no Brasil (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)

Dados do Conselho Nacional de Justiça mostram que 32% do total de 715 mil presos no Brasil aguardam julgamento.

A situação tem sido agravada pelo aumento da criminalidade no país e também pela morosidade do judiciário.

Na Bahia, a quantidade de presos que aguardam julgamento chega a 62% do total de cerca de 4.600 detentos. Além disso, uma das sete unidades do complexo penitenciário de Salvador está infestada de ratos e as celas estão superlotadas.

De acordo com o programa Profissão Repórter, da TV Globo, há denúncias de que os presos que aguardam julgamento ficam junto com outros já julgados e condenados, o que é contra a lei.

No Ceará, a porcentagem de presos que ainda aguardam julgamento é de 56%.

Fontes:
G1 - Presos que aguardam julgamento representam 32% dos detidos no país

1 Opinião

  1. Carlos U Pozzobon disse:

    Não se trata de uma novidade saber que a Justiça não cumpre a lei. Não obstante este fato horripilante, existem aqueles que discutem se a apreensão de um lamborghini e de um porsche foi legal ou não, sabendo-se que o proprietário, ex-presidente cassado e envolvido no petrolão em troca de apoio ao governo, não os declarou ao TSE. Não entendo como em uma crise de vagas nas penitenciárias existe espaço para a apreensão de carrões e não para pessoas. Com base neste raciocínio, poderia se recomendar à Justiça que colocasse quatro presidiários em cada carro apreendido, naturalmente que todos de coturnos senatoriais, dispensando-os do cinto de segurança para estes casos excepcionais, como indica a legislação do trânsito para ocupantes estacionados. Seria ao menos uma forma de racionalizar a falta de espaço para os detentos.

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *