Início » Brasil » Marcada por tumulto, CPI dos Ônibus é instalada no Rio
Caos na Câmara

Marcada por tumulto, CPI dos Ônibus é instalada no Rio

Revoltados com a nomeação de Chiquinho Brazão para a presidência da comissão, manifestantes invadem Câmara Municipal e exigem a nomeação de Eliomar Coelho

Marcada por tumulto, CPI dos Ônibus é instalada no Rio
Protestos marcaram o início da CPI dos Ônibus (Reprodução/Internet)

Prezados leitores, o Opinião e Notícia encerrará suas atividades em 31/12/2019.
Agradecemos a todos pela audiência durante os quinze anos de atuação do site.

Em uma sessão tumultuada por protestos dentro e fora da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro, a CPI dos Ônibus foi instalada nesta sexta-feira, 9. Revoltados com a nomeação do vereador Chiquinho Brazão (PMDB) para a presidência da comissão, manifestantes invadiram e ocuparam o plenário da Câmara para exigir a saída do deputado da presidência da CPI. Brazão disse que não pretende deixar o posto. Cerca de 50 manifestantes permanecem no plenário. O prédio foi cercado por soldados de diversos batalhões da Polícia Militar.

Leia mais: Manifestantes ocupam câmaras do Rio e de Niterói

Mais cedo, os manifestantes reivindicavam a nomeação do vereador Eliomar Coelho (PSOL), autor da proposta, para presidir a CPI. Durante a ocupação, vereadores se refugiaram na sala da presidência da Câmara, onde permaneceram boa parte da tarde. Entre eles estavam Brazão e o vereador Professor Uóston (PMDB), nomeado relator da CPI.

A tropa de choque foi acionada e por volta das 14h45 policiais iniciaram o processo de desocupação. Alguns vereadores e manifestantes acusaram a tropa de agir de forma truculenta. No momento da desocupação, as luzes do prédio foram desligadas.

Manifestantes nomearam uma comissão integrada pelo deputado federal Chico Alencar (PSOL), os vereadores Renato Cinco e Paulo Pinheiro (ambos também do PSOL),  além do petista Reimont para tentar negociar a permanência no local. Por volta das 16h, jornalistas que acompanhavam o protesto dentro do plenário foram expulsos do local pelos manifestantes.

A oposição acusa o PMDB e a base aliada do governo de tentar fazer da CPI um teatro, para acabar em “pizza”. O próprio Eliomar declarou que não quer servir de “recheio”. “Por enquanto, ainda sou membro da CPI. Mas não quero servir de recheio de pizza”, disse o vereador. A CPI dos Ônibus foi instaurada para investigar os contratos das empresas de ônibus com o município.

Fontes:
O Globo-PMs cercam prédio da Câmara dos Vereadores, ocupado por manifestantes
Estadão-Tropa de Choque entra na Câmara Municipal do Rio para retirar manifestantes
O Dia-Chiquinho Brazão: 'Não vou abrir mão da nomeação para presidir a CPI dos Ônibus'

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não refletem a opinião deste site

Sua Opinião

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *